IMPORTANT LEGAL NOTICE
 

 Mudança de Maré ascii version

Portugal

 
DP Managing organisation : Associação Marítima Açoreana
Other national partners : Associação Crescer em Confiança
Associação Juvenil da Ilha de Santa Maria
Cooperativa de Comercialização Porto de Abrigo, CRL
Direcção Regional de Pescas da Secretaria Regional Agricultura Pescas Ambiente
Filmebase, Serviços Cinematográficos, Lda.
Terra-Mar Associação para o Desenvolvimento Local nos Açores
UMAR - UNIÃO DE MULHERES ALTERNATIVA E RESPOSTA
VIANAPESCA, O.P. - COOPERATIVA DE PRODUTORES DE PEIXE DE VIANA DO CASTELO, CRL
EQUAL theme :Adaptability - Adaptation to change and NIT 
Type of DP :Sectoral - Specific discrimination and inequality problems 
DP Legal status :Association without legal form 
DP identification :PT-2001-230 
Application phase :Project ended 
Selection date :08-09-2002 
Last update :10-03-2008 
Monitoring: 2002  2003   

Rationale

Text available in

External Diagnosis -The Fishing Activity in the Azores 1.1. Fleet - Data related with the activity and productivity According to the data supplied by a survey made by Estudo Sócio-Profissional da Mega-Pesca (ordered by the Direcção Regional das Pescas ), the artisan fleet shows full activity in only 20% of its fishing boats, while 46% ( in 1999 ) and 53% ( in 2000 ) of the same sort of boats show higher level of lack of activity. From 1142 boats registered in December 2000, concerning the different segments (82% with 9 meters length or even less; 12 with 9 to 15 meters and only 6% are boats with more than 15 meters of length ), the amount of activity is shown in the boats measuring 9 to 15 meters of length, and the boats with less than 9 meters of length show a higher lack of activity. This shows once again the several problems that the handicraft small fishing boats are facing. The numbers showing the productivity are terribly low and when compared with real values produced by the fishing boats, we can assume that the average presented confirms lack of activity of the same fleet. This fleet made of small local fishing boats (more than 90% are known as "open boats"=barcos de boca aberta ) is not only an old fleet, aged more than 25 years, they have no storage space or hold, no deck , no cabin, therefore during the winter they are limited to the Azorean shore. In the Summer they can operate in the fishing areas away from the shore, but this requires a lot of hard work from the fishing crew, because they have operate or work in really hard conditions. The reason being that these fishing boats have no commodities in order to stay more than one day out at sea. In the year 2001 and taking into consideration the income of all the fishing boats that are affiliated with the Porto de Abrigo, and looking only into San Miguel island, we can assume the following: 39 fishing boats had an income inferior to 5 000 Euros; 39 had an income between 5 000 Euros and 12 470 Euros; 35 had an income between 12 470 Euros and 24 940 Euros; 8 fishing-boats had an income between 99 760 Euros and 149 640 Euros and only 3 fishing-boats had an income superior to 149 640 Euros. The under-development conditions in the general structure produce low income and are responsible for the poverty in most fishing communities in the Azores, and also for the bad school results and social and cultural issues. 1.2. Infra-structures and organizations Most of the fishing ports in the Azores have not suffered any repairs or even improvements for the last 20 years and they do not have adequate structures in order to use the cold storage (= fridge/freezer) and to advice and support the skilled workers. According to the survey presented by MegaPesca, concerning the last investments done in order to improve the life of the seamen, we can notice that people are not satisfied with the improvements and constructions that have been done which are considered inefficient to satisfy the needs of the fishermen. In order to organise this sector we should stress the development of the different associations that has taken in the Azores. Since 1974 that the Sindicatos de Pescadores de São Miguel and Santa Maria (=Fishermen's Union); in Angra do Heroismo and Horta. Later on the Cooperativa Porto de Abrigo (1984) was founded with the agreement of these two unions and it has been recognised by the E.U. as an Organização de Produtores de Pesca (1993) In the year 1987 the APASA have been created - Associação de Produtores de Atum e Similares dos Açores, which has been recognised as an Organização de Produtores e Associação de Industriais de Atum dos Açores. In 1997 the Cooperativa de Pescadores da Ribeira Quente, has been founded which aims are to trade and to support and help legally the fishing community in the area. From 1999 till 2001 improvements can be seen such as the foundation of the Associação de Pescadores Picoenses, the Associação de Pescadores de São Jorge and the Organização de Produtores de Demersais dos Açores. 1.3. Employment and human resources According to the survey produced by MegaPesca, 25% of the fishermen work full-time and 85% work part-time or just have a temporally job. Regarding the data supplied by the Employment Research Centre we can assume that there is an improvement in the number of fishermen enrolled from 1996 till 2000, so this means that it has been an improvement ever since. Characteristics and needs of the target group 2.1 Social definition According to the survey produced by MegaPesca of the different segments inside fishing, we can assume the following: 18% of the skilled workers are between 20 to 29 years of age, while 25% are 40 to 49 years of age.(we are referring to an amount of 3645 fishermen that have enrolled). We can notice that the skilled fishermen are growing old and that the youngsters are leaving the trade in order to move to other jobs that can bring more money and stability. The picture is always the same, the fishing communities have always been known by making very little money, having lack of skills and very poor education. They are bound to be kept away from society, because of their low income that is just enough to survive everyday and not enough to provide any improvement in their standards of life. 2.1.1. Qualifications Only 85% of the fishermen have Grade 4 and sometimes not even accomplished and 7% cannot even read or write. These numbers show the lack of good results in training courses and in learning and settling down to new skills and techniques, management and personal care and in the changing of attitudes and new ways of life. Just by looking at the statistics supplied by the Observatório de Emprego e Formação Profissional (= Employment Research Centre and the Department of Training) related to the issues that cause the school drop-outs in the Azores in the school year 2000/2001, we can assume that the parents of these youngsters, when male, 14,8% were fishermen and when female 8,4% were working in the fishing industries factories. The fact of youngsters leaving school is still a reality in fishing communities and we also know that in many cases these youngster go into child's labour, getting to early in the working market. 2.2.The role of the woman in the fishing community Inside the communities with low income the average of children is around 5 per couple but in some cases 12. The wife, in certain fishing communities is working outside the home but in general the majority are housewives (between 60% to 80%). The survey produced by MegaPesca has proved that an average of every 2 women per island work inside the fishing trade. In this case the women are skilled workers and boatswain (=Maître d'Équipage) inside the fishing-boats. The survey has also assumed that some women work as loading and unloading the crates (=boxes) and that they are part of a team that works on land and they receive pay for their work and in other cases the women that sort out and prepare the fish can receive for pay a full crate (=box) of fish. This can happen in São Mateus, on the island of Terceira eradication of child's labour. The lack of skilled workers is becoming quite serious and the survey of MegaPesca has assumed that the training of women in the fishing activity, which will include the preliminary preparation of the skills of the fishing activity that is performed on land, can represent a very important job opportunity and also an extra-income. 2.4. Training skills and fishing AMA has been offering a different range of training courses of a short length of time, that are taking into consideration different subjects, such as those referring to personal, social and cultural issues, techniques, management aiming directly to the fishing activity. Other training courses, with the correct certification, have been taking place and they are related to Arrais de Pesca (very skilled fishermen), Pescador C ( Fisherman Class C) and Aptidão Pescas ( aptitude to fishing). These courses are not considered the right answer to the real needs and aims of this sector because they demand a minimum level of qualifications that most of the fishermen have not yet achieved; these courses are unable to adjust to the time-tables available, to the syllabus and training techniques. The aims of the future The size of the Azorean Fishing Area and the data supplied by the Departamento de Oceanografia e Pescas ( Department of the Oceanography and Fishing ) of the University of the Azores we can take into consideration the following issues: the fishing activity in the Azores can grow steadily if we start reducing the captures. When possible, evaluate the traditional species properly and start to capture, with success, new species (such as the black sword-fish and crustaceous that inhabit in deep seas.) And namely, find other possible options or opportunities that can provide good profit, such as the nautical-tourism (=Tourisme Maritime). We should take into great consideration the fact that the ZEE Azores should be well secured by the Regional Government. According to the same opinion shared by the different organisations linked to this sector this can imply the following: a) General knowledge about the amount of the main species that can be capture and that the fishing licences should be issued related to the viability of fishing, taking into consideration that the local fishing communities should be the first to have legal rights towards fishing in the Azores. b) The control should be efficient concerning the captures made in Azorean waters by fishing boats with the legal fishing licence, even when the unloading of the fish takes place outside the Azores. It seems fair that the non-resident fishing boats, that fish or sell in the Azores, must obey to the same rules as the Azorean fishermen do, including the need to adapt the equipment to the local techniques available.

dot Top


Objective

Text available in

-Deep Diagnosis about the fishing sector in the Azores - Up to date social and economical description of the sector; - Social and professional survey of the target population - Survey of the improvement inside the sector and of the identification new sectors of activity that can develop into opportunities of improvement for the skilled workers and the women inside this sector; - Survey of training courses required; - Organise the professional profiles for this sector; - Up to date the atitudes and knowledge in the field of security at work, hygiene inside the fishing-boats, living conditions and environmental awareness - Prepare the comunnunity for professional alternatives, options through cultural interchanges and outings, get in contact with new technologies and other social and professional realities; - Promote and create a system of communications to support the formation necessities of the fishermen; - Protect the nautical patrimony ( cultural, professional and the handicraft ) - Improve the fishing products and other products in alternance ( or complementary) to this activity - Improve the specific professional and skilled abilities linked with the articraft inside the sector, its proximity and link with the sea and with nature - Praise the community members that have been involved with social issues, have shown great bravery, have experience and knowledge or know how; -Diversify the products associated to the activity - Increase the knowledge related with other ways of fishing through cultural interchanges with the partners involved; - Increase and create open meetings in order to discuss the problems inside this sector - Increase the visibility inside the sector - Create a system in order to publicise the Partnership of Development and the cultural and social patrimony of this sector - Create a group of agents for local development; - Ensure an evaluation system in order to evaluate the Project "Mudança de Maré".

dot Top


Innovation


Nature of the experimental activities to be implemented Rating
Guidance, counselling **
Training ***
Training on work place **
Work placement **
Job rotation and job sharing **
Employment aids (+ for self-employment) **
Integrated measures (pathway to integration) **
Employment creation and support **
Training of teachers, trainers and staff **
Improvement of employment services, Recruitment structures **
Conception for training programs, certification ***
Anticipation of technical changes **
Work organisation, improvement of access to work places **
Guidance and social services **
Awareness raising, information, publicity **
Studies and analysis of discrimination features **

Type of innovation Rating
Process-oriented ***
Goal-oriented **
Context oriented **

Text available in

Tendo sempre como ponto de partida as características estruturais do sector sobre o qual se debruça, o Projecto "Mudança de Maré", valendo-se também da experiência e mais valias das entidades parceiras e cooperantes com quem trabalha, procurou estruturar-se primeiro como uma rede de cooperação e trabalho, em que se avaliaram conjuntamente as experiências positivas e as possibilidades de ultrapassar as negativas. É deste esforço de análise que se tornaram claros pontos de partida e se definiram quais as estratégias passíveis de permitir ultrapassar fragilidades e potenciar mais valias. Assim, surgem como essenciais a adopção de estratégias inovadoras que possam realmente significar mudanças positivas para o sector: 1. Reverter a imagem negativa do sector das pescas, tantas vezes associada a subdesenvolvimento e promover aquilo que significa o seu carácter único e extraordinário. A sua beleza, riqueza cultural, vivência artesanal, contacto directo com a natureza e "heroísmo" dos seus intervenientes. Para isso várias estratégias de promoção e divulgação destas características foram desenvolvidas, que incluem edições em imagem, fotografia, ilustração e texto, além da criação de percursos turísticos e de núcleos museológicos. 2. Reconverter e modernizar, adoptando sistemas de formação inovadoras e passíveis de sucesso, como a formação nos portos e a bordo das embarcações, sempre com a tónica de promover ferramentas que permitam a inovação dos processos de organização e gestão das embarcações que visem a creditação/validação destes sistemas de formação, bem como a estruturação de duas áreas experimentais: pesca de espécies alternativas e sistema experimental para a actividade marítimo - turística. 3. Promover o trabalho em parceria, englobando no projecto diversas entidades com papel transformador na região autónoma dos Açores e permitindo que entidades e pessoas desenvolvam contactos que signifiquem novos conhecimentos, atitudes e práticas de trabalhos. 4. Valorizando os saberes associados à experiência no sector e promovendo agentes de desenvolvimento que signifiquem a formação ao longo da vida, disseminação e registo desses saberes, bem como a sua certificação

dot Top


Budget Action 2

1 000 000 – 1 500 000 €

dot Top


Beneficiaries


Assistance to persons 
Unemployed  10.0%  8.0% 
Employed  30.0%  12.0% 
Others (without status, social beneficiaries...)  20.0%  20.0% 
  100.0% 
 
Migrants, ethnic minorities, …  0.0%  0.0% 
Asylum seekers  0.0%  0.0% 
Population not migrant and not asylum seeker  60.0%  40.0% 
  100.0%
 
Physical Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Illness  0.0%  0.0% 
Population not suffering from a disability  60.0%  40.0% 
  100.0% 
 
Substance abusers 0.0%  0.0% 
Homeless  0.0%  0.0% 
(Ex-)prisoners  0.0%  0.0% 
Other discriminated (religion, sexual orientation)  0.0%  0.0% 
Without such specific discriminations  60.0%  40.0% 
  100.0% 
 
< 25 year  10.0%  10.0% 
25 - 50 year  40.0%  30.0% 
> 50 year  10.0%  0.0% 
   100.0% 

Assistance to structures and systems and accompanying measures Rating
Gender discrimination **
Support to entrepreneurship **
Discrimination and inequality in employment **
Other discriminations **
Low qualification ***
Unemployment **

dot Top


Empowerment

 

 With beneficiaries

Participation
Promoting individual empowerment
Developing collective responsibility and capacity for action
Participation in the project design
Participation in running and evaluating activities
Changing attitudes and behavior of key actors

 

 Between national partners

N.C.

dot Top


Transnationality

 

 Linguistic skills

  • português
  • português
  • español (castellano)
  • English

 Percentage of the budget for transnational activities

  • 0.1%

 Transnational Co-operation Partnerships

Transnational Co-operation Agreement DPs involved
328 PECHE ET AQUACULTURE ES ES50
FR PDL-2001-11062
IT IT-S-MDL-182

dot Top


Background

 

 Involvment in previous EU programmes

  • One partner involved in A&E

dot Top


National Partners


Partner To be contacted for
Associação Marítima Açoreana Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Associação Crescer em Confiança
Associação Juvenil da Ilha de Santa Maria Monitoring, data collection
Cooperativa de Comercialização Porto de Abrigo, CRL Evaluation
Transnational partnership
Direcção Regional de Pescas da Secretaria Regional Agricultura Pescas Ambiente
Filmebase, Serviços Cinematográficos, Lda.
Terra-Mar Associação para o Desenvolvimento Local nos Açores
UMAR - UNIÃO DE MULHERES ALTERNATIVA E RESPOSTA
VIANAPESCA, O.P. - COOPERATIVA DE PRODUTORES DE PEIXE DE VIANA DO CASTELO, CRL

dot Top


Agreement Summary

Text available in

A. Organization and decision making: Under the idea of getting the best results possible, this partnership has built the following model. Organic levels: Executional level; Partners assembly level; Co-ordination team level; Institutional level; 1. Each partner responsabilities and contribution: The partners will contribute to the group functioning and agree to: 1. Attend and confirm its presence at all meetings that are invited to be; 2. Be aware of equality issues during all project; 3. Organise and prepare the meetings under its responsibility; 2. Responsibility and tasks of the Partners Assembly: a. To articulate activities; b. Bring information to the Co-ordination Team; c. Evaluate , together with the Co-ordination team the activities developed; d. Bring its own worries and the ones sensed in the target public; 3. Responsibility and tasks of the Co-ordination Team: The partners signing this agreement designate to the Co-ordination Team the partners Associação Marítima Açoreana, Cooperativa Porto de Abrigo, Associação Juvenil da Ilha de Santa Maria and Direcção Regional das Pescas. The Co-ordination Team will have the following tasks: i. Articulate activities and partners; ii. Assure contact between partners; iii. Identify possible co-operands, negotiate and sign with them agreements; iv. Organise ordinary and extraordinary meetings timetable and logistic; v. Disseminate information; vi. Receive, reflect and analyse partners worries; vii. Remind to the partners compromises/tasks and evaluate them; viii. Work to assure an European dimensihon to the project; ix. Guarantee good practices maintenance and dissemination; x. Re-inforce partners status and credibility; 4. Responsabilities and tasks of Associação Marítima Açoreana Board: i. Gather and evaluate the project development with the Co-ordination Team every two weeks; ii. Assure coherence with central aims of the project; iii. Financial management of the project; iv. Evaluate the Co-ordination Team;

Last update: 10-03-2008 dot Top


Associação Marítima Açoreana

(AMA)
Rua do Pires, 71 Rabo de Peixe
-
P-9600-123-RABO DE PEIXE Ribeira Grande

Tel:+351296201550
Fax:296201559
Email:ama@pescas.net

 
Responsibility in the DP: Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ACORES
Date of joining / leaving:14-09-2004 /

Text available in

Instituição Particular de Solidariedade Social Criada pela Porto de Abrigo - OP, pela Coopescaçor e pelo Sindicato Livre dos Trabalhadores e Mutua dos Pescadores. Desenvolve trabalho na área de Inserção Social, Formação/Sensibilização e Valorização/Promoção da pesca e das comunidades piscatórias.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Francisco Liberato Fernandes e José Herculano Vultão Rocha Francisco +351296201550 ama@pescas.net Entity contact person responsable for this project

Last update: 10-03-2008 dot Top


Associação Crescer em Confiança

(Associação Crescer em Confiança)
Rua de Belém, 57 - Rabo de Peixe
-
P-9600-119-RABO DE PEIXE Ribeira Grande

Tel:+351296491444
Fax:296491419
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Organisation providing support and guidance for disadvantaged groups
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ACORES
Date of joining / leaving:21-06-2002 /

Text available in

A Associação de Mães "Crescer em Confiança" criada no âmbito de um Projecto de Intervenção Comunitária e Desenvolvimento Local (Sementes de Mudança), constitui-se formalmente a 1999/02/25, passando a ser co-financiada pela Direcção Regional da Solidariedade e Segurança Social. Esta Instituição tem como missão a valorização da mulher, fomentando a sua participação activa nas esferas: familiar, profissional e comunitária. Na esfera familiar esta IPSS proporciona apoio às mulheres vítimas de violência doméstica, formação ao nível do cuidados materno-infantis, educação parental e planeamento familiar. A nível profissional, a Associação disponibiliza informação e encaminhamento, desenvolvendo contacto com as empresas regionais para facilitar a inserção profissional das suas utentes. Por último, a outra área de intervenção diz respeito a actividades de política social. A este nível, procura-se incentivar as mulheres a intervirem socialmente em problemas que afectam a sua vida diária.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Célia Micaela Ferreira Paiva Célia +351964137505 celia@virtualazores.net Entity contact person responsable for this project

Last update: 10-03-2008 dot Top


Associação Juvenil da Ilha de Santa Maria

(AJISM)
Bairro da Bela Vista, 2 M
-
P-9580-406-VILA DO PORTO Vila do Porto

Tel:+351296883221
Fax:
Email:-

 
Responsibility in the DP: Monitoring, data collection
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ACORES
Date of joining / leaving:28-01-2005 /

Text available in

Fundada em Março de 2000, empregando a figura Jurídica de Associação sem fins lucrativos. Esta Associação tem desenvolvido actividades no sentido de: Incrementar o movimento Juvenil dentro da Comunidade Açoreana; Cooperar com as diferentes instituições educativas, visando o desenvolvimento pessoal e social dos jovens; Fomentar, com a colaboração de organismos públicos e privados, a luta contra o tabagismo, alcoolismo e droga; Criar as bases necessárias para o impulso de uma Associação Juvenil, incrementando o voluntariado e vinculando-o á solidariedade; Fomentar entre os seus membros e a juventude em geral a participação em actividades culturais, educativas, lúdicas e desportivas; Fomentar relações de cooperação entre associações e sectores culturais, recreativos, desportivos etc; Promover actividades e gerir recursos que ofereçam espaços alternativos às vivências dos jovens; Promover hábitos de vida saudáveis, concretizando actividades que ocupam o tempo livre dos jovens.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Luís Pedro Fernandes Tomé dos Santos Roque Luís +351296883221 roque@acores.net Entity contact person responsable for this project

Last update: 10-03-2008 dot Top


Cooperativa de Comercialização Porto de Abrigo, CRL

(PORTO DE ABRIGO)
1ª Rua de Santa Clara nº 35
-
P-9500-241-PONTA DELGADA Ponta Delgada

Tel:+351296201550
Fax:
Email:-

 
Responsibility in the DP: Evaluation
Transnational partnership
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ACORES
Date of joining / leaving:27-01-2005 /

Text available in

Organização de Produtores da pesca. Com 389 embarcações associadas, e 117 sócios individuais não armadores, Integra 6 associados colectivos: Sind. Livre Pescadores Marítimos e Profissionais de São Miguel e Stª Maria; Sind. Pescadores Terceira, São Jorge e Graciosa; Sind. Pescadores Horta; Deleg. Açores Sind. Marinheiros Mercantes Portugal; Casa do Pessoal Junta A. Porto PDL, cerca de 3000 beneficiários directosl. Visa a satisfação, das necessidades dos associados, a promoção das suas actividades e o fomento do cooperativismo; Criar e apoiar acções de formação técnica cooperativa e gestão adequada dos recursos do mar; execução de planos anuais de pesca; Concentrar a oferta do pescado capturado e regularizar o seu preço, intervindo a nível da primeira venda; acções de melhoramento nos campos da produção, descargas e comercialização do pescado capturado, e qualidade, classificação e métodos de controle; Promover a prospecção de novos pesqueiros, elaborar estudos e projectos técnico - profissional.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Francisco Liberato Fernandes Francisco +351296201550 portoabrigo@netc.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 10-03-2008 dot Top


Direcção Regional de Pescas da Secretaria Regional Agricultura Pescas Ambiente

(DRP)
Rua Consul Dabney - Edificio do Relógio
-
P-9900-014-HORTA Horta

Tel:+351292208800
Fax:292391382
Email:info@drp.raa.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:ACORES
Date of joining / leaving:28-01-2005 /

Text available in

Compete apoiar o Sub Secretário Regional das Pescas na definição da política para o sector das pescas e orientar, coordenar e controlar a sua execução, promovendo e apoiando todas as medidas necessárias ao desenvolvimento do sector.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Luis Manuel Raposo Fernandes Luis +351296305160 luis.fernandes@drp.raa.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 10-03-2008 dot Top


Filmebase, Serviços Cinematográficos, Lda.

(FILMEBASE)
Av. dos Estados Unidos da América 51, 5 Dto
-
P-1700-165-LISBOA Lisboa

Tel:+351218404677
Fax:218489801
Email:jpinto@filmebase.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:21-06-2002 /

Text available in

PRODUÇÃO DE AUDIOVISUAIS - CINEMA, VÍDEO E MULTIMÉDIA. ÁREA DE INTERVENÇÃO - DOCUMENTÁRIOS DE CRIAÇÃO, CURTAS METRAGENS DE FICÇÃO E PROJECTOS DE ANIMAÇÃO EM FILME E FLASH.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Joaquim Pinto Joaquim +351917229787 jpinto@mail.telepac.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 10-03-2008 dot Top


Terra-Mar Associação para o Desenvolvimento Local nos Açores

(Terra Mar)
Ladeira das Águas Quentes, 116
-
P-9500-291-PONTA DELGADA Ponta Delgada

Tel:+351296 652413
Fax:296 281285
Email:terramar@virtualazores.com

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ACORES
Date of joining / leaving:21-06-2002 /

Text available in

Desenvolvimento Local. Na prossecução do seu objecto social, pode a associação, nomeadamente: a) Colaborar com entidades privadas e públicas, particularmente com autarquias, cooperativas e associações de juventude, de solidariedade social, ambientalistas e de defesa do património, culturais, desportivas, recreativas e sócio-profissionais; b) Promover, apoiar e organizar acções de formação a fim de capacitar as pessoas para as iniciativas que levem à sua realização pessoal e da comunidade em que se inserem, tomando em mãos a construção do seu próprio futuro; c) Dinamizar a comercialização de artesanato, produtos locais e elementos culturais em diferentes suportes originários de todas as ilhas do arquipélago; d) Prestar serviços públicos de informação; e) Apoiar a estruturação e integração de actividades; f) Promover a animação cultural; g) Promover, estimular e dinamizar as capacidades de investimento local e regional, designadamente apoiando a criação de empresas;



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Maria Gabriela Ferraz Lúcio de Sales Maria +351917452474 gabriela@terra-mar.org Entity contact person responsable for this project

Last update: 10-03-2008 dot Top


UMAR - UNIÃO DE MULHERES ALTERNATIVA E RESPOSTA

(UMAR)
Rua de S. Lázaro, nº 111 - 1º
-
P-1150-330-LISBOA Lisboa

Tel:+351218867096
Fax:218884086
Email:-

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:28-01-2005 /

Text available in

Associação de defesa dos direitos das mulheres. Actividade associativa de valorização, promoção e defesa dos direitos das mulheres. Formação Profissional. Trabalho com público desfavorecido. Projectos de desenvolvimento comunitário; projectos na área da Igualdade de Género; Intervenção na área da violência doméstica - Intervenção primária e secundária (em rede). Apoio psico-social e jurídico à mulher vítima de violência doméstica.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Sandra Margarida Soares Pimentel Aguiar Sandra +351296283221 umar_acores@hotmail.com Entity contact person responsable for this project

Last update: 10-03-2008 dot Top


VIANAPESCA, O.P. - COOPERATIVA DE PRODUTORES DE PEIXE DE VIANA DO CASTELO, CRL

(VIANAPESCA, OP)
ZONA PORTUÁRIA - VIANA DO CASTELO
-
P-4900-363-VIANA DO CASTELO Viana do Castelo

Tel:+351258822016
Fax:258822015
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:MINHO-LIMA
Date of joining / leaving:21-06-2002 /

Text available in

A Vianapesca é uma Organização de produtores (OP), que se constituiu a 8 de Julho de 1988, utilizando a figura jurídica de Cooperativa sem fins lucrativos, tendo sido reconhecida pela CE como OP em 27 de Dezembro de 1988, através do Reg. CEE 2062/80. Com 128 embarcações aderentes a Vianapesca tem os seus cooperantes, principalmente, em Viana do catelo, mas também tem representatividade nos Portos de Caminha, Povoa de Varzim/Vila do Conde, Matosinhos, Matosinhos, Douro, Aveiro, Portimão e sagres. Nas ilhas, existem 4 embarcações registadas, 3 das quais na cidade de Ponta Delgada e uma outra no Funchal.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
José Carlos Pinto da Rocha Gonçalves José +351258822016 josegoncalves@mail.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 10-03-2008 dot Top



 
 
 
 

 
 
 
 

 
 
 
 
Warning! This section is not meant to be read directly, but rather be navigated through from the main page above.
 
 
 
 

MUDANCA DE MARE

Rationale

Text available in

Diagnóstico externo - situação da pesca nos Açores 1.1. Frota - Taxas de actividade e produtividade Para o total da frota artesanal polivalente açoreana, segundo os dados do Estudo Sócio-Profissional da MegaPesca (encomendado pela Direcção Regional das Pescas), verifica-se uma plena actividade em apenas cerca de 20% das embarcações, enquanto que 46% (em 1999) e 53% (em 2000) das embarcações apresentam níveis de inactividade elevados. Das 1142 embarcações registadas em Dezembro de 2000, relativamente aos vários segmentos (82% destas tinham comprimento igual ou inferior a 9 metros; 12% tinham comprimentos entre os 9 e os 15 metros e apenas 6% são constituídas por embarcações de comprimento superior a 15 metros), os níveis de actividade maiores verificam-se nas embarcações entre os 9 e os 15 metros de comprimento, registando-se os maiores níveis de inactividade elevada no segmento de frota das embarcações menores que 9 metros de comprimento. O que evidencia a situação grave que a frota artesanal de reduzida dimensão atravessa. Os valores apresentados de produtividade são consideravelmente baixos, com elevada inactividade da frota. Das embarcações registadas em 1999 apenas 731 exercem actividade, mas em 2000, a frota activa ficou reduzida a 627 unidades, isto é, num espaço de um ano houve uma quebra da actividade superior a 14%. Esta frota, constituída por pequenas embarcações locais e costeiras de reduzida autonomia (mais de 90% são "bocas-abertas"), é simultaneamente uma frota velha, com idade superior a 25 anos, não dispõem de porão, nem de convés, nem de cabina, pelo que durante o Inverno têm a sua actividade confinada à orla costeira. No Verão, faz-se o exercício da actividade nos pesqueiros afastados da costa, mas exigindo das tripulações um trabalho em condições particularmente duras, pois estas embarcações não possuem condições para operar mais de que um dia no mar. Em 2001 e, tendo como base os rendimentos das embarcações associadas na Porto de Abrigo, mas desta vez somente na Ilha de São Miguel, verifica-se que: 39 embarcações tiveram rendimentos inferiores a 5 000 ? ; 39 auferiram rendimentos entre os 5 000 ? e 12 470 ? ; 35 tiveram rendimentos entre os 12 470 ? e os 24 940 ? ; 8 embarcações auferiram rendimentos entre os 99 760 ? e os 149 640 ? e apenas 3 embarcações tiveram rendimentos superiores 149 640 ?. As condições de subdesenvolvimento estrutural geradoras de baixos rendimentos são responsáveis pela situação de pobreza que caracteriza as principais comunidades piscatórias açoreanas, assim como pelas taxas de insucesso escolar e os universos socioculturais existentes. 1.3. Infra-estruturas e organizações A maioria dos portos de pesca e varadouros existentes na Região não sofrem reparações ou melhoramentos nos últimos 20 anos e não possuem estruturas adequadas de armazenamento em frio e de apoio aos profissionais. No que se refere aos impactos dos últimos investimentos realizados na vida dos marítimos, verifica-se alguma insatisfação em relação às obras de melhoramento ou de construção que consideram ter sido realizadas de forma deficiente e que não satisfazem as necessidades dos marítimos. Em relação às organizações do sector há a destacar o percurso associativo positivo que se tem verificado na Região. A partir de 1974 foram criados os Sindicatos dos pescadores de S. Miguel e Sta Maria; de Angra do Heroísmo e o da Horta. Posteriormente foi fundada a Cooperativa Porto de Abrigo (1984), por iniciativa destes sindicatos e reconhecida como Organização de Produtores da Pesca (1993). Em 1987 foi criada a APASA - Associação de Produtores de Atum e Similares dos Açores, reconhecida como Organização de Produtores e a Associação de Industriais de Atum dos Açores. Em 1997 foram fundadas a Coopescaaçor e a Cooperativa de Pescadores da Ribeira Quente, que se dedicam à comercialização e provimento de aprestos à actividade. De 1999 a 2001 outros passos importantes foram dados, com criação da Associação de Pescadores do Pico, a Associação de Pescadores de S. Jorge e, em 2002, a Organização de Produtores de Demersais dos Açores (Ilha do Faial). 1.4. Emprego e recursos humanos Segundo o levantamento da MegaPesca, 25% dos pescadores desempenham a actividade a tempo inteiro e os restantes 75% dos matriculados desenvolvem actividade sazonal ou a tempo parcial, embora sem auferirem rendimentos alternativos. Segundo os dados fornecidos pelo Observatório de emprego tem-se vindo a verificar um aumento de pescadores matriculados, de 1996 para 2000. Características/ necessidades dos destinatários finais - grupos alvo 2.1. Caracterização social A partir do levantamento dos níveis etários na pesca realizado no estudo do MegaPesca, verifica-se que em termos percentuais, 18% dos profissionais situa-se entre os 20 e 29 anos, enquanto que 25% localiza-se na faixa etária os 40 e os 49 anos. Constatando-se o gradual envelhecimento dos profissionais da pesca, verificamos igualmente o abandono ou troca, dos mais jovens por outras profissões que lhes traga mais estabilidade de rendimentos. O cenário da população dependente da pesca já é bem conhecido, as comunidades piscatórias caracterizam-se por auferirem baixos rendimentos, possuírem baixa formação e níveis de analfabetismo elevado. São particularmente vulneráveis à exclusão social, pois os recursos que retiram da actividade servem uma estratégia de vida de sobrevivência quotidiana, sendo os rendimentos demasiados escassos e instáveis para sustentar processos de mobilidade ascendente. 2.1.1. Níveis de escolaridade Em relação à escolaridade e grau de instrução na pesca, verificou-se que 85% dos indivíduos apenas possuem a 4ª classe, muitas vezes incompleta e que 7% são analfabetos, sendo que a grande maioria são analfabetos funcionais. Estes números são indicativos do pouco sucesso obtido com formação, adaptação e utilização de novas tecnologias, gestão económica e pessoal e nas mudanças de atitudes e modos de vida. Através das estatísticas fornecidos pelo Observatório do Emprego e Formação Profissional referentes à tipificação das situações de abandono escolar nos Açores no ano lectivo de 2000/ 01, verificamos que dos membros das famílias dos jovens que abandonaram a escola, do sexo masculino, 14,8% tinham por actividade económica a pesca e que do sexo feminino 8,4% trabalhavam na Industria transformadora da pesca. O abandono escolar continua a existir, em grande parte, devido à entrada precoce no mundo do trabalho. 2.2. O papel da mulher na estrutura familiar na pesca Nas comunidades mais desfavorecidas o número médio de filhos ronda os 5 embora existam casos de 12 filhos. A mulher da família de pescadores, apenas em algumas comunidades possui uma actividade económica complementar todavia a maior percentagem delas são donas de casa (entre 60% a 80%). No que se refere a mulheres a exercer a actividade profissional da pesca, o estudo da MegaPesca verificou uma média de duas mulheres por ilha. Nestes casos, as mulheres possuem formação e são mestras da embarcação. Registou-se ainda casos de mulheres gameleiras em São Mateus (Terceira), que ao fazerem parte da companha de terra constituem uma forma de irradicação do trabalho infantil. Torna-se cada vez mais notória a falta de mão de obra para esta actividade, o que leva o estudo do MegaPesca a concluir que a formação da mulher na pesca, que incluí a preparação das artes de pesca em terra, pode vir a representar uma importante saída de trabalho e de rendimento suplementar. 2.4. Formação e Pesca A AMA tem vindo a desenvolver acções de formação diversificadas e de curta duração, que abrangem diversas áreas, desde questões do âmbito social, pessoal e cultural até às áreas técnicas e de gestão relacionadas directamente com a pesca. Para efeito de regularização dos marítimos a Direcção Regional das Pescas, com a Lotaçor tem vindo a realizar cursos de Arrais de Pescas, Pescador C e Aptidão Pescas. Estes cursos, que apesar da sua importância, não constituem ainda a resposta adequada às necessidades do sector: exigem habilitações mínimas que a maior parte dos pescadores não detém; são desajustados em termos de organização de horários, conteúdos e dinâmica de formação. De acordo com as características socioculturais do sector, considera-se a necessidade de desenvolver mais métodos não formais de aprendizagem e introduzir a formação profissionalizante no ensino público oficial. Perspectivas Futuras A dimensão da Zona Exclusiva dos Açores e os dados resultantes dos estudos realizados pelo DOP da Universidade dos Açores permitem-nos considerar que: a pesca nos Açores pode crescer de forma sustentada, invertendo-se a tendência para a redução de capturas. Sendo possível valorizar as espécies tradicionais e iniciar com sucesso a captura de novas espécies (como o Espada Preto, o Barroso e crustáceos de profundidade). E de igual modo, encontrar alternativas rentáveis em actividades afins, nomeadamente na área marítimo-turística. Afigura-se de grande importância que a gestão da ZEE dos Açores seja assegurada por parte da Administração Regional. O que na opinião das organizações do sector implica: a) O conhecimento do potencial de captura das principais espécies e a concessão das licenças determinada em função da sustentabilidade da pesca, respeitando o princípio de que as comunidades piscatórias residentes devem ser as primeiras beneficiárias do acesso aos direitos de pesca na Região; b) O efectivo controlo das capturas efectuadas no mar dos Açores pelas embarcações licenciadas, mesmo quando a descarga do pescado se efectue fora da Região. Parece-nos justo que os navios da frota não residente, que pescam ou vendem nos Açores, devem cumprir as obrigações a que estão sujeitos os pescadores açoreanos, incluindo a necessidade de adaptarem os seus equipamentos às características técnicas que vigoram localmente.

dot Top


Objective

Text available in

§ Diagnóstico aprofundado do sector das pescas nos Açores: Caracterização sócio - económica actual do sector; - Levantamento sócio - profissional da população alvo, Levantamento das tendências de evolução do sector e identificação de novos sectores de actividade que desenvolvam oportunidades para profissionais e mulheres no sector; - Levantamento de necessidades de formação; Construção de perfis profissionais para o sector; § Modernizar atitudes e conhecimentos nas áreas da segurança no trabalho, higiene da embarcação e habitação e sensibilidade ambiental § Preparar a comunidade para alternativas profissionais § Fomentar e apoiar a criação de uma unidade de comunicações para apoio à formação e à actividade; § Preservar o património marítimo (cultural, profissional e artesanal) através da criação de circuitos turísticos que valorizem a riqueza cultural do sector, criando um registo da memória da comunidade e formando na actividade de artesanato § Valorizar o produto de pesca e os produtos alternativos (ou complementares) à actividade § Valorizar as capacidades profissionais específicas à actividade artesanal neste sector, à sua relação de proximidade com o meio marítimo e com a natureza § Homenagear elementos da comunidade que se distinguiram pela sua interacção social, bravura, experiência e saber; § Diversificar os produtos associados à actividade § Valorizar o conhecimento de outras formas de pescar através da realização de intercâmbios com as entidades parceiras; § Valorizar e fomentar encontros abertos à análise e discussão de problemáticas do sector § Aumentar a visibilidade do sector § Criar mecanismos de divulgação da Parceria de Desenvolvimento e do património cultural e social do sector § Criar um grupo de agentes de desenvolvimento local § Assegurar mecanismos de avaliação do Projecto "Mudança de Maré" § Dar visibilidade ao papel da mulher das comunidades piscatórias, valorizando-as e potenciando a sua inserção nas diversas vertentes sócio-económicas;

dot Top



Logo EQUAL

Home page
DP Search
TCA Search
Help
Set Language Order
Statistics