IMPORTANT LEGAL NOTICE
 

 Organização e Gestão Responsável do Espaço e das Actividades do Sector Agrícola ascii version

Portugal

 
DP Managing organisation : Associação das Mulheres Agricultoras Portuguesas
Other national partners : ADEGA COOPERATIVA DA COVILHÃ, CRL
DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA DA BEIRA INTERIOR
Instituto de Desenvolvimento e Inspecção das Condições de Trabalho
Junta de Freguesia de Alcains
Junta de Freguesia de Louriçal do Campo
Junta de Freguesia de Ninho do Açor
Junta de Freguesia de São Vicente da Beira
MUNICIPIO DE CASTELO BRANCO
OVIBEIRA - Associação de Produtores de Ovinos do Sul da Beira
SUIBEIRA - COOPERATIVA DE SUINICULTORES DA BEIRA INTERIOR, CRL
Universidade Aberta
EQUAL theme :Adaptability - Adaptation to change and NIT 
Type of DP :Sectoral - Agriculture 
DP Legal status :Association without legal form 
DP identification :PT-2001-065 
Application phase :Approved for action 2 
Selection date :11-09-2002 
Last update :02-05-2007 
Monitoring: 2002  2003   

Rationale

Text available in

The designed diagnostics of needs comprised of a 1st stage of bibliographical selection and statistics data aiming at a global description of the Beira Interior region, detaching, in particular, the agricultural area. From the analysis of the basic selection we stress the following features: The Beira Interior region occupies nearly 13% of continental territorial area divided into a total of 24 municipalities. The Regional Agricultural Direction has its headquarters in Castelo Branco and organically reckons upon an agrarian zone for each municipality (ordered in) organised into two agrarian zones, north and south. The active population in the agricultural sector has decreased throughout the last few years, though it is still fairly noteworthy with regard to the national average, standing above 20%.The population has clearly grown old. 48% of the agricultural producers are above 65 years of age. Agricultural producers also reveal low levels of schooling well below the national average. 39.6% cannot read or write and 55.6% possess an educational level equivalent or inferior to the basic schooling. Concerning the legal system, 97% of the exploitation is typically self-directed, due to which the importance of the family design work for the productive methods of agricultural property of the region is highly considerable. It is worthy to note that women's involvement while being the leaders of exploitation, has been increasing over the last 5 years and has gone from 15.4% to 23.2%. In spite of the valuable growth, this figure continues to be inferior to their actual contribution in the growth of exploitations, since in a familiar active agricultural population their performance is around 47.7%. As to the size of the average rural area of exploitation, it lies between 9.76 ha in the north and 17.51 ha in the south, being the land self-exploited for the larger part (80%). The most important exploiting activities concerning the use of EAS (effective agricultural surface) are vineyard, olive yard, pasture and forage and sheep breeding. Nevertheless, it turns out that in terms of exploitation number the family vegetable plot has the advantage as one of the major crop in its rural structure, although being hardly significant in terms of land use. As to the statistics, data in WSSH (work security, sanitation and health) figures for this sector are openly insufficient. This may be explained by the fact that the business structure of the rural sector, being mainly set up by small and average enterprise, which use family workmanship, or with a reduced number of permanent workers, along with the reduced numeral representation of agricultural exploitation organized as enterprises. However, in spite of the scarce information available, we verified a very high range of accident in the third quarter of 2000. The Departamento de Estatística do Trabalho, Emprego e Formação Profissional (DETEFP) - Department of Statistics in Work, Employment and Training has recorded 1477 accidents, 11.9% of which are referred to the rural sector within the total amount of fatal accidents listed in several economical field. Nevertheless, we know this data is certainly far from matching the reality, considering this research has been obtained only based on reports sent in by the insurance companies to the DETEFP. During the 2nd phase of the diagnosis we gathered more specific and guided information through direct contact with the entities concerned with this sector, along with the gathering of information focussed on the workers and technicians of those entities, using questionnaires to that end. By analysing them we have, among other elements, considered the profile of the population/farmers and technicians, assessed their knowledge within the rural WSSH, estimated the number and type of work accidents suffered and gathered elements about their formative requirements. From 250 questionnaires distributed at random to the rural population, through different agricultural zones, we have chosen 193 from which we are going to point out some conclusions: -19.7% have been answered by women and 80.3% by men - prevailing average age is between 51 and 64 years (32.6%) followed by the average age of 41 to 50 (25.4%) and that of > 65 years (23.8%) - 64.2% have attended less than 4 years of schooling and 19.2% only have the basic schooling - 73.1% of those in charge of the exploitations do not have permanent workers at their service - 63.2% have never received any kind of training and only one person declared having received training in the area of security - most of them declare having some knowledge of the risks related to their professional activity (81.9%); 51.8% identified the handling of machine and agricultural implements as factors of major risk - 15.5% have already been victims of work accidents, the main cause being cattle and machine and implements handling. Those accidents gave rise to 13% facing temporary working inability - when inquired about the possibility of introducing in their exploitation standard practices within the scope of WSSH 91.7% answered positively. With this aim 59.6% would rather receive useful formative interventions, whereas 16.1% have chosen sensitisation actions - most of those questioned mentioned regular involvement of their spouses in the exploitation's tasks as well as acknowledge the fact that their families are exposed to the same risks. 61.7% consider relevant their participation in the formation/training actions on this subject. Besides the raising of specific information on the agricultural situation, we have circulated questionnaires among the gardeners and road-menders of Castelo Branco town council. Thus we could assess how they fit within the project and typify their profile and training needs in order to draw the actions to be developed with and together with them. Its analysis stressed the need for an efficient involvement in the related departments, being designed in such a way that in the scope of the project we would act directly only with the gardeners. This has to be the duty of the town hall, after gaining those capacities, to plan other action next to other town hall department. The answers studied were fairly even, which was not unexpected, as their tasks are common. From the results obtained from the questionnaires made to the existing 33 gardeners, all male, we stress the following features: -their age average stands between 51 and 64 years (54.5%) -78% have less than 4 years of formal schooling -24% have already suffered work-related accidents 75% of whom suffered temporary working inability. Technician of the engaged organizations have also been the object of a needing survey in the sense of checking their knowledge and their feeling in WSSH subject, thus allowing us to design their training needs and their openness in involving themselves in distance learning and formative interventions within the scope of the project. From the analysis of the 31 questionnaires circulated we stress that: -48% are between 41 and 50 years old -58% have a degree or bachelorship in agricultural and/or cattle breeding area -87% never took part in a formative intervention in WSSH -they chose preferably to receive formative interventions in the area of the flow of toxic products, the use of machines and individual protection measures. Agricultural activity embraces a set of specifications that set up the need to establish specific attitudes. As a matter of fact: - we are faced with a wide range of activity which meet the requirement of organization and productive cycles considerably different; - the diversity of tasks and the needs for great polyvalence within the scope of their execution is a characteristic of theses activities; - it is known the reduced numerical representation of rural exploitations structured as enterprises. showing clearly a great number of self-sufficient farmers; - it is a sector that shows a low training level and a high ageing rate; - the lack of statistics within the domain of security and health renders it difficult to define specific policies for this sector. The project was designed in dialogue with the involved entities for, as far as their objectives and methodologies are concerned, it is not a position of initial partnership but a common heritage to all available to substantiate and develop the fit proposal to the full satisfaction of the defined objective. All involved organisations recognise the need to intervene near their target community, getting to the point within the scope of Health and Security. Not all the organisation could analytically extend the conditions and scope in that subject, for lack of time. However, the intimacy and the empirical know-how which they have about the real conditions of exploitation, along with their sub-sector, have led them to consider the value of its urgent intervention. Within this scope the activities set-up by the project aim to reveal and to accomplish preventing measures, necessary for an improved rural work security and health, thus contributing to a better quality of life of their intervenient. Rural work specifications and the singularity of rural world demand that the solutions assumed in WSSH area are duly fit, taking into account the following aspects, among others: - professional information and training -organisation and concept of working places -choice, maintenance and use of equipment - choice and proper use of chemical products We are sure that these set of proposal will be converted into the improvement of working condition and we hope into an unceasing dynamic estimation of life in rural region.

dot Top


Objective

Text available in

General objective Promote the development of correct and safe daily attitudes and behaviour fit for the specific agricultural working environment, both at business level and for the workers and agricultural population in general, and for a full implementation of prevention concepts in the organisation and working methods of assorted economical intervention related to the agricultural sector. Specific objectives: 1. Develop and create skilfulness and continuous valuation methodologies aiming to prevent accidents and professional diseases in various agricultural sub-sectors; 2. To create material suitable for long distance training intended for the training of intermediary office staff of PME (small and average companies) who will be responsible for the planning and implementation of skills in the agricultural sector; 3. To certify long distance training procedures; 4. To establish support for continuous assessment of PME working conditions by creating a manual of skills and control checklists to be adapted to the specifically for different intervention work in the agricultural productive process; 5. To create didactic material, simple and objective, to directly make agricultural workers aware of the range of work safety measures; 6. To promote health and safety for the agricultural families by creating awareness, particularly in agricultural women, of the pressing need for reorganising the area in the home/agricultural exploitation; 7. To put in perspective the importance of working organization in the development of agricultural exploitation and to dignify agricultural work; 8. To train and create an awareness among the technicians/workers of the essential role they may play as defenders of labour safety and health in the agriculture sector, while at the same time being the privileged participants who maintain contact with farmers; 9. To incentive the establishment of a network of model companies who may lead in the dissemination of exemplary practices.

dot Top


Innovation


Nature of the experimental activities to be implemented Rating
Guidance, counselling **
Training **
Training on work place ***
Work placement *
Employment creation and support *
Training of teachers, trainers and staff **
Improvement of employment services, Recruitment structures **
Conception for training programs, certification **
Anticipation of technical changes **
Work organisation, improvement of access to work places ***
Guidance and social services **
Awareness raising, information, publicity **
Studies and analysis of discrimination features **

Type of innovation Rating
Process-oriented ***
Goal-oriented **
Context oriented **

Text available in

Encontrando-se a actividade agrícola até à presente data isenta de um regulamento especifico de segurança, não obstante ser uma das actividades mais perigosas e penosas em toda a economia, torna-se urgente a criação de uma estratégia global envolvente que vise criar uma sinergia entre todos os intervenientes em torno do estabelecimento de prioridades de intervenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho. Tendo este objectivo presente, consideramos como principais elementos inovadores os seguintes: - Criação de competências na área da prevenção de riscos na agricultura - Reforço da capacidade de intervenção dos actores na implementação de boas práticas de prevenção de riscos profissionais, envolvendo Parceiros Sociais e a própria Administração do Estado; - Desenvolvimento de um relacionamento no domínio da segurança e da saúde no trabalho entre as associações e os seus associados e entre todos e a Administração, particularmente o IDICT e o Ministério da Agricultura; - Introdução de novas tecnologias de informação no sector recorrendo a formação a distância; - Disponibilização de um instrumento de informação técnica, adequado à realidade portuguesa; - Incremento do conhecimento da sinistralidade no sector e da consciencialização dos seus problemas. A utilização de metodologias de FaD, apoiada na Internet, no domínio da SHST é também sem dúvida uma inovação no panorama da formação nacional, inovação essa que se reforça quando se trata de formar pessoal que irá actuar no sector da agricultura, sector que como se sabe, é dos mais deficitários em acções de formação profissional, com a agravante que a agricultura é, reconhecidamente, um sector de actividade económica com elevados índices de sinistralidade laboral. Esta modalidade de formação que recorre a materiais multimédia em suportes diversificados, permitirá também aos participantes o contacto diário com novas tecnologias da informação e da comunicação, com todas as vantagens que tal facto constitui quer a nível pessoal, quer a nível profissional. Os parceiros envolvidos são organizações com capacidade de intervenção estratégica sobre os público-alvo carentes de uma abordagem forte e específica. A sinergia obtém-se com o desenvolvimento de uma relação dos actores que potencie a acção de cada um, traduzindo-se a estratégia envolvente na aplicação de metodologias adequadas aos objectivos e aos público-alvo em causa. Perspectiva-se que para a melhoria das condições de trabalho, o projecto tenha como capital contributo, a modernização do sector, colocando o trabalho agrícola no centro da mudança de um mundo rural mais seguro.

dot Top


Budget Action 2

500 000 – 1 000 000 €

dot Top


Beneficiaries


Assistance to persons 
Unemployed  0.0%  0.0% 
Employed  66.7%  33.3% 
Others (without status, social beneficiaries...)  0.0%  0.0% 
  100.0% 
 
Migrants, ethnic minorities, …  0.0%  0.0% 
Asylum seekers  0.0%  0.0% 
Population not migrant and not asylum seeker  66.7%  33.3% 
  100.0%
 
Physical Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Illness  0.0%  0.0% 
Population not suffering from a disability  66.7%  33.3% 
  100.0% 
 
Substance abusers 0.0%  0.0% 
Homeless  0.0%  0.0% 
(Ex-)prisoners  0.0%  0.0% 
Other discriminated (religion, sexual orientation)  0.0%  0.0% 
Without such specific discriminations  66.7%  33.3% 
  100.0% 
 
< 25 year  0.0%  0.0% 
25 - 50 year  26.7%  13.3% 
> 50 year  40.0%  20.0% 
   100.0% 

Assistance to structures and systems and accompanying measures Rating
Gender discrimination **
Support to entrepreneurship **
Discrimination and inequality in employment **
Disabilities *
Other discriminations *
Low qualification ***
Unemployment *

dot Top


Empowerment

 

 With beneficiaries

Participation
Promoting individual empowerment
Developing collective responsibility and capacity for action
Participation in the project design
Participation in running and evaluating activities
Changing attitudes and behavior of key actors

 

 Between national partners

N.C.

dot Top


Transnationality

 

 Linguistic skills

  • português
  • português
  • español (castellano)
  • français

 Percentage of the budget for transnational activities

  • 0.2%

 Transnational Co-operation Partnerships

Transnational Co-operation Agreement DPs involved
532 NEO RURAL ES ES338
FR NAT-2001-10506
1710 AGRO-SECURITE FR PCH-2001-10690

dot Top


Background

 

 Involvment in previous EU programmes

  • Two and more partners involved in A&E

dot Top


National Partners


Partner To be contacted for
Associação das Mulheres Agricultoras Portuguesas Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Monitoring, data collection
ADEGA COOPERATIVA DA COVILHÃ, CRL
DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA DA BEIRA INTERIOR
Instituto de Desenvolvimento e Inspecção das Condições de Trabalho Transnational partnership
Junta de Freguesia de Alcains
Junta de Freguesia de Louriçal do Campo
Junta de Freguesia de Ninho do Açor
Junta de Freguesia de São Vicente da Beira
MUNICIPIO DE CASTELO BRANCO
OVIBEIRA - Associação de Produtores de Ovinos do Sul da Beira
SUIBEIRA - COOPERATIVA DE SUINICULTORES DA BEIRA INTERIOR, CRL
Universidade Aberta Evaluation

dot Top


Agreement Summary

Text available in

The OGREASA Project is a common inheritance for all those who have shown themselves interested in developing the goals and ideas it outlines. It aims to promote daily correct attitudes and behaviour, safe and adequate specifically for the rural work environment and for the real performance of professional risks prevention concept within their organisations and near their target community. Having gathered together a set of multi-institutional partners around a common aim, we assume the dynamics generated around the intervenient will give rise to a set of know-how, information and products that may be transferred, disclosed and made public. A decision in terms of strategy and conflict management must be, whenever possible, taken only with the agreement of the majority of partners involved. This is the duty of the interlocutors/ intermediaries and co-ordinating entity of the project, which in this field is the Associação das Mulheres Agricultoras Portuguesas (Association of Portuguese Agricultural Women), the last decision in case of conflict that may prevent the progress of common activities. By the acknowledgment shown by all parts the implementing strategies will always take into account the specifics and needs of rural women as a way of increasing their participation in the outlined activities. All partners are responsible for the correct use and administration of the assured subsidy, assuming its self-financing and sharing in common planned expenses. They will be also available to participate, when invited by Equal management office, or by other entity it designates, in activities contributing to the diffusion of advanced products and practices.

Last update: 02-05-2007 dot Top


Associação das Mulheres Agricultoras Portuguesas

(AMAP)
Avenida do Colégio Militar, 1786
-
P-1500-179-LISBOA Lisboa

Tel:+351217100031
Fax:217100074
Email:-

 
Responsibility in the DP: Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Monitoring, data collection
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:24-01-2005 /

Text available in

Entidade de direito privada de âmbito nacional, sem fins lucrativos c/ o objectivo de promover a igualdade de oportunidades e a formação prof. da mulher rural, e a implementação de acções que permitam uma participação mais activa nos vários domínios relacionados c/ a sua actividade prof. Desde a sua criação que pretende dar um contributo fundamental p/ o desenvolv. de competências, desempenho e resultados, através de acções de formação orientadas p/ a resolução das necessidades mais sentidas no mundo rural. C/ o objectivo de assegurar que as inovações, tanto a nível de técnicas de formação c/o de informação, possam beneficiar não só as mulheres, tornando visível e reconhecido o papel e o trabalho das agricultoras, tanto na exploração agrícola c/o na sociedade em geral, mas tb a toda a sociedade rural, nunca esquecendo a importância da disseminação de acções que privilegiem a saúde, a higiene e a segurança no trabalho (SHST), bem c/o a protecção do meio ambiente. Tem desenvolvido projectos que permitam a concepção de novos programas e diferentes metodologias de formação mais adequadas a uma maior participação das agricultoras. É uma entidade formadora acreditada pelo INOFOR, intervindo ao nível do planeamento, organização, promoção e execução de acções formativas em diversas áreas, nomeadamente no âmbito geral da Agricultura, Turismo em Espaço Rural, Informática, e SHST. Nesta área, salientamos o empenho em desenvolver e promover formas de educação não formal que possibilitem, incutir nos destinatários, gestos profissionais correctos e um espírito de segurança permanente, evidenciando a inter-relação existente entre a segurança, o bem-estar e o progresso das empresas agrícolas. Tem dado especial atenção aos riscos e perigos a que a família agrícola e em especial a criança do mundo rural estão sujeitas pela dificuldade em delimitar a área de trabalho agrícola, do espaço familiar. Ao nível da protecção da saúde da mulher agricultora, temos desenvolvido de forma sistemática formação ao nível da prevenção das lesões da coluna vertebral e da segurança na utilização dos pesticidas. A AMAP através de uma parceria c/ o Centro Europeu p/ a Promoção da Formação em Meio Agrícola e Rural, promoveu e organizou 2 acções de formação de formadores de SHST, permitindo a transferência de competências e criado uma 1ª bolsa de formadores. Decorrente do reconhecido trabalho desempenhado em prol das questões da SHST no sector agrícola, a AMAP integrou o núcleo fundador do Observatório dos Riscos Profissionais na Agricultura na qualidade de Presidente da Direcção. No âmbito do Programa EQUAL – Fase 1, desenvolveu o projecto OGREASA que tem c/o área de intervenção a região da Beira Interior, pretende promover a implementação de medidas de prevenção em matéria de Saúde e Segurança no sector agrícola, visando a melhoria da qualidade de vida dos seus intervenientes: empresas; seus trabalhadores; e população agrícola em geral. Reconhecida pelo Minist. da Agricultura, d



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Ana Cristina da Costa Gomes Bragança Ana +351217100031 amap@mail.telepac.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 02-05-2007 dot Top


ADEGA COOPERATIVA DA COVILHÃ, CRL

(ACC)
QUINTA DAS POLDRAS
-
P-6200-001-COVILHÃ Covilhã

Tel:+351275330750
Fax:275330759
Email:adega.c.covlha@mail.telepac.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:COVA DA BEIRA
Date of joining / leaving:20-06-2002 /

Text available in

A Adega Cooperativa da Covilhã pretende ser reconhecida a nível nacional e internacional pela qualidade dos seus vinhos, inovação contínua e evolução tecnológica. Os objectivos da A. C. C. são a procura da satisfação dos seus clientes, colaboradores e associados e também promover a melhoria contínua dos seus produtos e serviços. O número de Associados é aproximadamente de 1000.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Angelo Manuel Pereira de Jesus Angelo +351275330750 adega.c.covilha@mail.telepac.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 02-05-2007 dot Top


DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA DA BEIRA INTERIOR

(DRABI)
RUA AMATO LUSITANO, LOTE 3
-
P-6000-150-CASTELO BRANCO Castelo Branco

Tel:+351272323263
Fax:
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:BEIRA INTERIOR SUL
Date of joining / leaving:20-06-2002 /

Text available in

A DRABI desenvolve a sua acção na Região Agrária da Beira Interior. Ocupa-se do apoio ao sector agro-florestal, a nível regional e local, com vista à sua dinamização e maior aproximação aos agricultores e suas organizações representativas, numa perspectiva integrada e de acordo com a política e os objectivos definidos para o sector agro-florestal nacional. No apoio directo à actividade agrária, foram criadas 24 Zonas Agrárias, uma em cada Concelho, agrupadas em duas estruturas de coordenação: Agrupamento de Zonas Agrárias da Beira Interior Norte e Agrupamento de Zonas Agrárias da Beira Interior Sul. A DRABI, possui um vasto leque de destinatários, onde se inclui a totalidade da população activa agrícola, a população rural em geral, bem como todas as suas organizações de objecto agrícola, pecuário ou florestal.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Maria Eugénia Andrade R. Monteiro Borges Maria +351272348600 drabi@drabi.min-agricultura.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 02-05-2007 dot Top


Instituto de Desenvolvimento e Inspecção das Condições de Trabalho

(IDICT)
Praça de Alvalade, 1
-
P-1700-035-LISBOA Lisboa

Tel:+351217973032
Fax:217930515
Email:

 
Responsibility in the DP: Transnational partnership
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:20-06-2002 /

Text available in

Instituto público cuja missão é promover o desenvolvimento e a implantação de sistemas e metodologias de inovação, prevenção e controlo, com vista à melhoria das condições de trabalho tendo em atenção os contextos sociais, culturais, económicos e tecnológicos da sociedade e das empresas.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Maria Filomena Cabral Teixeira Maria +351217927015 filomena.teixeira@idict.gov.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 02-05-2007 dot Top


Junta de Freguesia de Alcains

(-)
Rua Mestre Pereira Monteiro, nº3 Alcains
-
P-6005-081-ALCAINS Castelo Branco

Tel:+351272906820
Fax:
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:BEIRA INTERIOR SUL
Date of joining / leaving:20-06-2002 /

Text available in

A Junta de Freguesia de Alcains, sendo uma Autarquia Local, visa a prossecução de interesses próprios da sua população ( artigo 238º e 237º, n.º 2 CRP). A sua área de intervenção é essencialmente a gestão da Autarquia. Entre as competências das Juntas de Freguesia é importante realçar o que diz respeito à colaboração com outras entidades em matérias como o desenvolvimento, a saúde, a protecção civil e bem estar da sua população



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Manuel Martins Marujo Manuel +351272906820 (Unknown) Entity contact person responsable for this project

Last update: 02-05-2007 dot Top


Junta de Freguesia de Louriçal do Campo

(-)
Rua Dr. josé Ramos Preto, nº2
-
P-6005-210-LOURIÇAL DO CAMPO Castelo Branco

Tel:+351272419363
Fax:272419454
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:BEIRA INTERIOR SUL
Date of joining / leaving:20-06-2002 /

Text available in

A Junta de Freguesia de Louriçal do Campo, sendo uma Autarquia Local, visa a prossecução de interesses próprios da sua população ( artigo 238º e 237º, n.º 2 CRP). Entre as competências das Juntas de Freguesia é importante realçar a que diz respeito à colaboração com outras entidades em matérias como o desenvolvimento, a saúde, a protecção civil e bem estar da sua população



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Francisco António Sequeira Simão Lino Francisco +351272419766 (Unknown) Entity contact person responsable for this project

Last update: 02-05-2007 dot Top


Junta de Freguesia de Ninho do Açor

(-)
Rua 31 de Dezembro
-
P-6000-590-NINHO DO AÇOR Castelo Branco

Tel:+351272437896
Fax:
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:BEIRA INTERIOR SUL
Date of joining / leaving:20-06-2002 /

Text available in

A Junta de Freguesia de Ninho do Açor, sendo uma Autarquia Local, visa a prossecução de interesses próprios da sua população ( artigo 238º e 237º, n.º 2 CRP). Entre as competências das Juntas de Freguesia é importante realçar a que diz respeito à colaboração com outras entidades em matérias como o desenvolvimento, a saúde, a protecção civil e bem estar da sua população. As sua áreas de intervenção são essencialmente obras de beneficiação, manutenção dos espaços públicos e apoio aos agricultores.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Ludovina Maria Marques Perpétua Marcelino Ludovina +351272437896 (Unknown) Entity contact person responsable for this project

Last update: 02-05-2007 dot Top


Junta de Freguesia de São Vicente da Beira

(-)
Praça Dr. Hipólito Raposo
-
P-6005-270-SÃO VICENTE DA BEIRA Castelo Branco

Tel:+351272487117
Fax:272487577
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:BEIRA INTERIOR SUL
Date of joining / leaving:20-06-2002 /

Text available in

A Junta de Freguesia de São Vicente da Beira, sendo uma Autarquia Local, visa a prossecução de interesses próprios da sua população ( artigo 238º e 237º, n.º 2 CRP). Entre as competências das Juntas de Freguesia é importante realçar a que diz respeito à colaboração com outras entidades em matérias como o desenvolvimento, a saúde, a protecção civil e bem estar da sua população.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
João Benevides Prata João +351272487117 (Unknown) Entity contact person responsable for this project

Last update: 02-05-2007 dot Top


MUNICIPIO DE CASTELO BRANCO

(-)
Praça do Município
-
P-6000-458-CASTELO BRANCO Castelo Branco

Tel:+351272330330
Fax:272330324
Email:-

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:BEIRA INTERIOR SUL
Date of joining / leaving:20-06-2002 /

Text available in

Dado tratar-se de uma Autarquia Local, e conforme a Constituição da República Portuguesa, as Autarquias Locais são pessoas colectivas territoriais dotadas de órgãos representativos, que visam a prossecução de interesses próprios das populações respectivas ( ver artigo 235º ao artigo 265º, inclusive).



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Pedro Jorge Loureiro Moreira Pedro +351272330330 moreiracmcb@mail.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 02-05-2007 dot Top


OVIBEIRA - Associação de Produtores de Ovinos do Sul da Beira

(OVIBEIRA)
R. José Cifuentes nº11E/D
-
P-6000-244-CASTELO BRANCO Castelo Branco

Tel:+351272347564
Fax:272344586
Email:alsg.ovibeira@mail.telepac.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:BEIRA INTERIOR SUL
Date of joining / leaving:20-06-2002 /

Text available in

Promover as acções necessárias à elevação do nível de rentabilidade das explorações. Promover a melhoria das condições higio-sanitárias das explorações. Promover e apoiar o melhoramento animal. Participar no estudo, delineamento, implementação e avaliação das medidas de política económica respeitante à agricultura, ovinicultura, caprinicultura e bovinicultura. Apoiar os agricultores na orientação das suas explorações, promovendo e divulgando as medidas de Política Agrícola.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Ana Luísa Lopes Ferreira Sanches da Gama Ana +351272347564 alsg.ovibeira@mail.telepac.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 02-05-2007 dot Top


SUIBEIRA - COOPERATIVA DE SUINICULTORES DA BEIRA INTERIOR, CRL

(Suibeira)
ZONA INDUSTRIAL - APARTADO 1100 - FUNDÃO
-
P-6230-483-FUNDÃO Fundão

Tel:+351275776289
Fax:275774488
Email:suibeira@clix.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:COVA DA BEIRA
Date of joining / leaving:20-06-2002 /

Text available in

A Suibeira tem por finalidade, definir e aplicar regras comuns de produção, maneio e sanidade, visando a melhoria de qualidade dos produtos dos seus associados. Promove ainda a concentração e colocação no mercado dos produtos dos suinicultores, procurando seleccionar e eleger os meios de produção, técnica e economicamente mais adaptados à realidade das explorações, de forma a contribuírem para a redução, uniformização e competitividade dos custos de produção do Agrupamento. Actualmente a Suibeira possui 70 Associados. Dispõe de um Departamento Técnico que apoia o maneio das explorações e a produção de Alimentos Compostos para Animais. Possui ainda um Centro de Inseminação Artificial para Suínos, a funcionar desde 2001, localizado na Freguesia de Alcains, que tem como principal objectivo, possibilitar aos produtores o melhoramento genético do seu efectivo, melhorando a qualidade do produto final e diminuindo o risco sanitário das explorações dos seus Associados.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Cristina Alexandra dos Santos Cristina +351275776289 suibeira@clix.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 02-05-2007 dot Top


Universidade Aberta

(UAB)
Rua da Escola Politécnica,147
-
P-1269-001-LISBOA Lisboa

Tel:+351213916433
Fax:213969293
Email:creis@univ-ab.pt

 
Responsibility in the DP: Evaluation
Type of organisation:University / Research organisation
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:25-01-2005 /

Text available in

A Universidade Aberta é a universidade pública de ensino a distância, criada pelo Decreto-Lei nº444/88, de 2 de Dezembro. Teve os seus Estatutos, ao abrigo da Lei da Autonomia Universitária, aprovados em 25 de Março de 1994. Fez a primeira revisão estatutária em 2000/2001, a qual foi publicada no Despacho Normativo nº 9/2002, de 14 de Fevereiro. Em Portugal é membro: • Do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) • Da Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP) • Da Associação das Universidades Portuguesas para a Educação Contínua (AUPEC), e, no plano internacional, • da European Association of Distance Teaching Universities (EADTU), • do European Distance Eduction Network (EDEN), • do Internacional Council for Distance Education (ICDE), não governamental da UNESCO, de que deteve a presidência de 1997 a 1999, • da European Universities Association (EUA) e • da European Continuing Education Network (EUCEN) Tem desenvolvido parcerias de colaboração vária com Instituições de Ensino Superior Concordatário e Privado, com o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), Instituto Camões, Instituto Nacional de Administração (INA), Autarquias de Lisboa, Seixal, Sintra e Cascais, entre outras, Escolas dos Ensinos Básico e Secundário, etc. Integra redes internacionais para concepção e produção de materiais interactivos em formato CD-Rom e online. A Universidade Aberta desenvolveu competências • na formação científica e pedagógica de professores; • nas novas tecnologias, aplicadas ao ensino; • na comunicação educacional multimédia; • nos estudos multiculturais e sobre as migrações de povos; • nos estudos sobre as mulheres; • na mediação escolar; • na concepção de conteúdos pedagógicos para ensino superior a distância; • na concepção de guiões para videogramas didácticos; • na concepção de conteúdos para CD-Roms interactivos para o ensino do Português, integrados no quadro europeu das línguas, com especialidades várias (ex.: português para empresários); • na concepção de conteúdos em hipertexto para e-learning, quer para cursos de formação profissional, quer de pós-graduação; • na concepção de uma plataforma interactiva em ambiente amigável (a ser testada e resultado de um projecto de investigação conducente a doutoramento); • na tutoria online assíncrona, suportada em conteúdos multimédia; • na tutoria online síncrona ou aula virtual, em contexto de e-learning, assente numa plataforma interactiva adquirida pela Universidade; • na produção de materiais didácticos em suporte papel, audio e video; • na produção em suporte digital. A Universidade é ainda parceira em redes europeias para • a produção de conteúdos de pós-graduação para e-learning; • a produção de conteúdos para formação profissional em e-learning; • a avaliação de conteúdos para e-learning; • as parcerias universidades/empresas; • a concepção de conteúdos interactivos para o ensino das línguas online; •



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Paula Bacelar Nicolau Paula +351213916393 pnicolau@univ-ab.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 02-05-2007 dot Top



 
 
 
 

 
 
 
 

 
 
 
 
Warning! This section is not meant to be read directly, but rather be navigated through from the main page above.
 
 
 
 

ORGANIZACAO E GESTAO RESPONSAVEL DO ESPACO E DAS ACTIVIDADES DO SECTOR AGRICOLA

Rationale

Text available in

O diagnóstico de necessidades elaborado compreendeu uma 1ª fase de recolha de informação bibliográfica e dados estatísticos visando uma caracterização global da Região da Beira Interior, dando particular destaque ao sector agrícola. Da análise dos elementos recolhidos salientamos os seguintes aspectos: A região da Beira Interior ocupa cerca 13% da área territorial do continente, distribuída por um total de 24 concelhos. A Direcção Regional de Agricultura tem sede em Castelo Branco e conta organicamente com uma zona agrária por cada concelho organizadas em dois agrupamentos de zonas agrárias, Norte e Sul. A população activa no sector primário tem vindo a decrescer ao longo dos últimos anos mas é ainda bastante significativa em relação à média nacional situando-se acima dos 20%. A população está claramente envelhecida com 48% dos produtores agrícolas a apresentarem idades > a 65 anos. Os produtores agrícolas também apresentam níveis de instrução muito abaixo da média nacional, sendo que 39,6% destes não sabe ler nem escrever e 55,6% tem somente instrução igual ou inferior ao ensino básico. Respeitante à forma jurídica, 97% das explorações são do tipo autónomo, pelo que a importância do trabalho do tecido familiar para os processos de produção do património agrícola da região é altamente significativa. Convém ressalvar que a representatividade das mulheres enquanto chefes de exploração, tem aumentado nos últimos 5 anos, tendo nesse período passado dos 15,4% para os 23,2%. Não obstante este significativo incremento, o seu valor continua muito aquém da sua efectiva contribuição para o desenvolvimento das actividades das explorações já que como população agrícola familiar activa o seu desempenho ronda os 47,7%. Em termos de dimensão, a área média agrícola das explorações situa-se entre os 9,76 ha a Norte e os 17,51 ha a Sul sendo a forma de exploração da terra maioritariamente feita por conta própria (80%). As actividades de exploração mais importantes no que se refere à ocupação da SAU são a vinha, olival, prados, pastagens e forragens, e a ovinicultura. No entanto, verifica-se que em termos de nº de explorações a horta familiar prevalece como uma das culturas com maior peso na sua estrutura agrícola, tendo no entanto uma baixa expressão em termos de ocupação da terra. No que se prende com dados estatísticos no domínio de SHST para o sector, os elementos são francamente escassos, o que se explica pelo facto da estrutura empresarial do sector agrícola ser predominantemente constituída por pequenas e médias empresas que utilizam mão de obra familiar, ou com reduzido número de trabalhadores permanentes, a par da reduzida expressão numérica das explorações agrícolas estruturadas como organizações empresariais. No entanto, apesar da pouca informação disponível, constatámos uma elevada incidência de acidentes no 3º trimestre de 2000, tendo sido registados pelo Departamento de Estatística do Trabalho, Emprego e Formação Profissional (DETEFP) 1477 acidentes, sendo que do total dos acidentes mortais registados nos vários sectores da economia 11,9% reportam-se ao sector agrícola. Não obstante, sabemos que estes dados estão seguramente longe de corresponderem à realidade, visto que este apuramento foi obtido apenas com base nas participações enviadas ao DETEFP pelas entidades seguradoras. Na 2ª fase de diagnóstico, procedemos à recolha de informação mais especifica e direccionada, através do contacto directo com as entidades locais envolvidas no sector, a par de uma recolha de informação dirigida aos trabalhadores e técnicos dessas entidades, utilizando para o efeito questionários. A análise dos mesmos permitiu-nos entre outros elementos, caracterizar o perfil da população/agricultores e técnicos, avaliar os seus conhecimentos no âmbito da SHST agrícola, quantificar o nº e tipo de acidentes de trabalho sofridos e reunir elementos sobre as suas necessidades de formação. Dos 250 questionários distribuídos aleatoriamente à população agrícola, através das diferentes zonas agrárias foram recolhidos 193, dos quais passamos a destacar algumas conclusões: - 19,7% foram respondidos por mulheres e 80,3% por homens; - A faixa etária predominante situa-se nos 51 a 64 anos (32,6%), seguindo-se a faixa dos 41 a 50 (25,4%), e a dos > 65 anos (23,8%); - 64,2% têm menos de 4 anos de escolaridade e 19,2% apenas o ensino básico; - 73,1% dos responsáveis das explorações não têm trabalhadores permanentes ao serviço; - 63,2 % nunca receberam qualquer tipo de acção, e apenas um indivíduo declarou ter recebido formação na área da segurança; - A maior parte afirma ter conhecimento dos riscos associados à sua actividade profissional (81,9%), tendo 51,8% identificado o manuseamento de máquinas e alfaias como factor de maior risco; - 15,5% já sofreram acidentes de trabalho, tendo sido as principais causas apontadas o maneio animal e o manuseamento de maquinas e alfaias. Destes acidentes 13% resultaram em incapacidade temporária para o trabalho; - Inquiridos sobre a disponibilidade de introduzirem normas de boas práticas em matéria de SHST nas suas explorações, 91,7% manifestaram-se positivamente. Para tal, 59,6% tem preferência por receber acções de formação de carácter prático, tendo 16,1% optado por acções de sensibilização; - A maior parte dos inquiridos mencionam a participação regular do cônjuge nas tarefas da exploração bem como reconhecem que os seus agregados familiares estão sujeitos aos mesmos riscos, sendo que 61,7% consideram pertinente a sua participação nas acções de formação/informação sobre a matéria. Para além do levantamento de informação especifica ao tecido agrícola, foram ainda aplicados questionários aos jardineiros e cantoneiros da Câmara M. de Castelo Branco, que possibilitaram averiguar o seu enquadramento no projecto e caracterizar o seu perfil e necessidades de formação de forma a delinear as acções a desenvolver junto e em conjunto com eles. A sua análise salientou a necessidade de uma efectiva intervenção nos departamentos respectivos, tendo sido delineado que no âmbito do projecto se interviria directamente apenas junto dos jardineiros, cabendo à Câmara, após a aquisição de competências na matéria, planear outras acções junto dos restantes departamentos da edilidade. As respostas observadas foram bastante uniformes, facto que não surpreendeu visto as tarefas por eles executadas serem comuns. Dos resultados obtidos nos questionários aos 33 jardineiros existentes, todos do sexo masculino destacamos os seguintes aspectos: - A faixa etária predominante situa-se nos 51 a 64 anos (54,5%) - 78 % tem menos de 4 anos de escolaridade - 24% já sofreram acidentes de trabalho dos quais 75% resultaram em incapacidade temporária para o trabalho. Os técnicos das organizações envolvidas foram também alvo de levantamento de necessidades no sentido de averiguar os seus conhecimentos e a sua sensibilidade em matéria de SHST, de forma a delinear as suas necessidades formativas e disponibilidade em participarem nas acções de formação a distância previstas no âmbito do projecto. Da análise dos 31 questionários distribuídos, salientamos que: - 48% possuem 41 a 50 anos - 58 % têm licenciatura ou bacharelato na área agrícola e/ou pecuária - 87% nunca participaram em acções de formação de SHST - riscos de emissão de produtos tóxicos e de utilização de máquinas e medidas de protecção individual foram as áreas mais solicitadas para receber formação. A actividade agrícola possui um conjunto de especificidades que determinam a necessidade do estabelecimento de metodologias específicas, com efeito: - Estamos perante uma considerável diversidade de actividades a que correspondem organizações e ciclos produtivos substancialmente diferentes; - É característico destas actividades a diversidade de tarefas e a necessidade de grande polivalência no domínio da sua execução; - É reconhecida a reduzida expressão numérica das explorações agrícolas estruturadas enquanto organizações empresariais, evidenciando-se um grande número de agricultores autónomos; - É um sector que evidencia um baixo nível de instrução e um alto índice de envelhecimento; - A falta de dados estatísticos no domínio de segurança e saúde no trabalho dificulta a definição de estratégias especificas para o sector. Foi através do diálogo com as entidades envolvidas que o projecto se desenhou, pelo que os seus objectivos e suas metodologias, não são uma posição da parceria inicial, mas sim um património comum a todos que se mostraram disponíveis para garantir e desenvolver as iniciativas pertinentes para a plena satisfação dos objectivos definidos. Todas as organizações envolvidas reconhecem a necessidade de intervir junto do seu público alvo em matéria de Saúde e Segurança embora não tenha sido possível a todas elas pelo tempo que dispunham aprofundar analiticamente as condições e incidências nessa matéria. No entanto a convivência próxima e o conhecimento empírico que detêm sobre as reais condições das explorações associadas ao seu sub-sector leva-as a considerar a relevância da sua urgente intervenção. Neste contexto, as actividades delineadas no projecto, visam determinar e tornar efectivas as medidas de prevenção, indispensáveis para uma maior saúde e segurança no trabalho agrícola, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida dos seus intervenientes. As especificidades do trabalho agrícola e particularidades do meio rural exigem que as soluções a adoptar no domínio da SHST sejam devidamente ajustadas tendo em conta, entre outros, os seguintes aspectos: - informação e formação dos profissionais - organização e concepção dos locais de trabalho - selecção, manutenção e utilização dos equipamentos - escolha e utilização correcta dos produtos químicos Do conjunto de iniciativas, resultarão, estamos certos, efeitos positivos na melhoria das condições de trabalho e, esperamos, uma dinâmica sustentada de valorização da vida das regiões rurais.

dot Top


Objective

Text available in

Objectivo Global Promover o desenvolvimento de atitudes e comportamentos quotidianos correctos, seguros e adequados à especificidade do ambiente do trabalho agrícola, tanto ao nível das empresas e seus trabalhadores, como ao nível da população agrícola em geral, e para uma efectiva implementação dos conceitos de prevenção na organização e funcionamento dos diferentes intervenientes económicos relacionados com o sector agrícola. Objectivos específicos: 1. Formar e criar metodologias de boas praticas e de avaliação contínua para a prevenção de acidentes e doenças profissionais nos diversos sub-sectores da agricultura; 2. Criar materiais adequados a ensino a distância, destinados à formação dos quadros intermédios das PME's responsáveis pela planificação e implementação de boas práticas no sector agrícola; 3. Certificar a formação ministrada a distância; 4. Estabelecer suportes de avaliação contínua das condições de trabalho das PME´s desenvolvendo manual de boas práticas e "check-lists" de controlo adaptadas à especificidade do trabalho dos diferentes intervenientes nos processos de produção agrícola; 5. Conceber materiais didácticos simples e objectivos, de sensibilização directa a agricultores/trabalhadores para as questões da prevenção de acidentes de trabalho; 6. Promover a saúde e segurança da família agrícola sensibilizando, em especial as mulheres agricultoras, para a urgente necessidade da reorganização dos espaços lar/exploração agrícola; 7. Perspectivar a relevância da organização do trabalho no desenvolvimento das explorações agrícolas e na dignificação do trabalho agrícola; 8. Formar e sensibilizar trabalhadores/técnicos das empresas para o importante papel que podem desempenhar como promotores da segurança e saúde no local de trabalho e como agentes privilegiados de contacto com o agricultor; 9. Incentivar o estabelecimento de uma rede de empresas modelo conducentes à disseminação de exemplos de boas práticas.

dot Top



Logo EQUAL

Home page
DP Search
TCA Search
Help
Set Language Order
Statistics