IMPORTANT LEGAL NOTICE
 

 Design Inclusivo ascii version

Portugal

 
DP Managing organisation : CPD-CENTRO PORTUGUÊS DE DESIGN
Other national partners : Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal
Câmara Municipal de Lisboa
Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa
EQUAL theme :Adaptability - Adaptation to change and NIT 
Type of DP :Sectoral - Specific discrimination and inequality problems 
DP Legal status :Association without legal form 
DP identification :PT-2001-053 
Application phase :Approved for action 2 
Selection date :21-11-2002 
Last update :11-12-2006 
Monitoring: 2002   

Rationale

Text available in

In the context of this project it is important to check the percentage of the population that finds itself excluded as a result of the built environment and existing products. Bearing in mind that an accessible built environment and products would be advantageous to the entire population in terms of comfort, safety and effective use, it should be said that there are sections of the population, such as the elderly and people with a disability, who can only truly be included socially if the environment is accessible. In regard to the elderly the population has been ageing due to both an increase in life expectancy at birth and a fall in the birth rate. According to the 2001 Census those over 65 constitute 16.44% of the population. The ageing index which was 68.08 in 1991 has risen to 102.56 in just 10 years. As for quantifying the population with a disability we have some difficulty in reaching a conclusion due to the great disparity between the sources consulted. That disparity appears to stem from the different survey methods used and the definition of disability employed by each of the bodies that studied the matter. Thus, according to the National Survey of Disabilities, Impairments and Handicaps conducted by the National Rehabilitation Secretariat in 1996 (SNR; Inquérito Nacional às Incapacidades, Deficiências e Desvantagens - síntese dos resultados globais, Lisboa, Cadernos SNR, n.º 8, 1996), at that time there were 905,488 people with a disability which corresponds to a national rate of 9.16%, whereas the 2001 Census records a figure of 6.13% of the population and the European Households Panel (1996), calculated that 18.4% of the Portuguese population would have a disability (The employment situation of people with disabilities in the European Union, Employment and Social Affairs General-Directorate, European Commission, 2001). It should be said that both the 2001 Census and the European Households Panel employ self-report to evaluate disability and this may distort reality by introducing subjective evaluation factors. Although the National Survey of Disabilities, Impairments and Handicaps used only a sample, it was a more accurate survey as it was conducted in person by interviewers which suggests it more closely reflects the actual situation in Portugal. It has therefore been used as the reference for analysing the situation. The said survey refers to an "upward trend in the relative weight of people with at least one impairment during their lives" which supports the notion that despite improved early prevention and health care the percentage of people with a disability will increase in the future. As to the geographical distribution of people with an impairment/disability the survey reveals a particular incidence in the Lisbon and Oporto areas. In regard to distribution by age group the survey recorded " a persistent and important rate of impairment in the age groups corresponding to compulsory education, vocational training and employment", notwithstanding the high rate of impairment among retired people. (SNR; ibid) Faced by the situation described above there are a number of indicators which reveal inequality of opportunity among the population with a disability/impairment. Employment position At the European level a comparison of the position of people with and without a disability of working age is as follows: People with a disability People without a disability Employed 42.2% 64.5% Unemployed 5.6 % 7.4% Inactive 52.2% 28.1% Source: ECHP, 1996 According to the European Households Panel (1996), the probability of someone aged 16-64 having a job or a business is 66%. This figure falls to 47% in the case of people with a mild disability and to 25% in the case of those with a severe disability. In Portugal a good indicator of the vulnerability of the population with a disability is their position in regard to economic activities as shown in the table below. Disability Employed Employment Rate Cognitive 23 476 27.4 Sensorial 56 729 58.8 Physical 137 492 45.8 Mixed 3 159 27.8 Non-specific 6 629 41.8 Source: QUANTI, SNRIPD, 1996 It should be mentioned that the employment rate in Portugal was close to 70%. Another good indicator of the exclusion felt by people with a disability is the breakdown by level of education. Impairment Total Level of Education None Primary school Com-pulsory Educ. 10th/12th grade Polytech-nique University No Resp. Visual 135 430 44.57% 41.18% 9.23% 2.51% 1.05% 0.87% 0.59% Hearing 115 067 39.42% 41.67% 11.45% 2.34% 1.72% 1.54% 0.85% Walking 357 492 44.31% 44.22% 7.12% 1.77% 0.87% 1.07% 0.65% Source: QUANTI, SNRIPD, 1996 If we take into consideration that 16% of the population has no schooling (1991 Census), it is clear that a rate of between 39.42% and 44.57% for those who have difficulty seeing, hearing or walking shows the true level of exclusion these people face. It must be stressed that, just as it was stated in the "Vulnerability to social exclusion" study conducted by the Ministry of Employment and Solidarity's Department of Studies, Planning and Outlooks, "these values are not just due to people's actual disabilities but rather to the fact that there are innumerable barriers to their schooling, to qualification processes, to their mobility, to access to ordinary goods that are essential to a normal life, to cultural goods, to the adaptation of workplaces (...)". The importance of accessibility and mobility The above data are sufficient to show that people with a disability face social exclusion in regard to employment, training and education. Although there are no studies that allow us to quantify the contribution made by architectural, urban and communicational barriers, there are some indicators that point to their importance. According to the study entitled " Small and medium size businesses and the employment of people with a disability" (CIDEC, Centro Interdisciplinar de Estudos Económicos, 2001, Edição SNRIPD) when businesses were asked what they most feared about hiring a person with a disability, the most important types of fear were related to physical barriers: workplaces were not adapted or there were architectural barriers within the firms. These concerns were deemed very important or important by 71.2% and 69.1% respectively of businesses. Such concerns were shared equally by large and by small and medium size businesses. In the survey "Europeans and people with a disability" (The European opinion research group - EORG, 2001, Eurobarometro 54.2) 88% of Europeans feel that the accessibility of public transport to blind people is difficult, 59% of those interviewed think that the accessibility of universities and schools to deaf people is difficult, 76% of Europeans think that the accessibility of seven selected services and events of a public nature to blind people is difficult (average calculated from the accumulated results of the "very difficult" and "fairly difficult" categories for each of the services and events considered). This figure is 73% for people with a cognitive disability, 71% for those with a physical disability and 54% for deaf people. Given the above situation to ensure the integration of people with a disability at all levels of social participation and, in particular, in terms of the labour market there is a need to adapt and create a built environment and products and services that correspond to the needs of the greatest number of people, in particular the elderly and those with a disability. Since there is a lack of specific technical training, research and knowledge dissemination in this field, which are fundamental to moving professional practices towards inclusion, these will be the core matters to be developed under the project.

dot Top


Objective

Text available in

In keeping with the principles that are the basis of the EQUAL initiative, this project is aimed at promoting equal opportunities to exercise fully the right to citizenship by designing products and environments that are accessible to all, particularly in regard to public places. To ensure that the measures proposed have a real impact the partnership will be made up of bodies representing the players most closely involved with changing attitudes, namely NGOs that defend civil rights, regional and municipal bodies and higher education establishments in the fields of urban planning, architecture and design. Thus, the main strategic aim of the Inclusive Design project is: To promote freedom of movement and equality of access to goods and services for people usually at a disadvantage due to their physical, sensorial or intellectual characteristics. To fulfil this mission the following specific aims have been set: To include users usually at a disadvantage, especially children, people with a disability and the elderly, in the search for solutions that are more effective, safer and more comfortable for all. To promote research into concepts, proposals and solutions in the field of Inclusive Design, Universal Design and Design for All. To organise this information and make it available to Architecture and Design professionals and the general public. To raise awareness of Inclusive Design among public institutions, professionals and the general public. To promote the integration of Inclusive Design topics in higher education urban planning, architecture and design syllabuses.

dot Top


Innovation


Nature of the experimental activities to be implemented Rating
Training ***
Training on work place *
Integrated measures (pathway to integration) *
Training of teachers, trainers and staff **
Conception for training programs, certification ***
Anticipation of technical changes **
Work organisation, improvement of access to work places **
Guidance and social services **
Awareness raising, information, publicity **
Studies and analysis of discrimination features **

Type of innovation Rating
Process-oriented ****

Text available in

A característica inovadora do projecto tem a ver com a introdução do conceito de Design Inclusivo, metodologia projectual que se caracteriza pelo facto de ter por objectivo o design de produtos e do meio edificado de modo a poderem ser usados por todos, o mais abrangentemente possível, sem necessidade de adaptações ou soluções especiais. O conceito de Design Inclusivo visa todas as pessoas, de todas as idades, estaturas e capacidades Este conceito pretende combater a situação de discriminação existente e assenta na ideia fundamental que a "deficiência" não existe nas pessoas, mas na relação que estas têm com o ambiente que as rodeia, passando portanto a ser utilizadas a palavra "desvantagem" na sua substituição. Desta forma, o combate à exclusão pela desvantagem tem como ponto fundamental do seu sucesso a construção de todo um ambiente edificado que inclua e respeite as necessidades de pessoas habitualmente excluídas, pelas suas características físicas. Ao assumir que é o espaço físico que provoca essa desvantagem o problema ganha uma dimensão completamente nova, combatendo-se não apenas as barreiras físicas mas também o estigma associado a qualquer diminuição física. Esta abordagem torna a exclusão pelo meio edificado, um problema não apenas de minorias mas de toda a população, visto todos os cidadãos em vários momentos da sua vida terem características físicas de carácter temporário ou permanente que os colocam em desvantagem face ao meio edificado, nomeadamente na infância, em situação de doença, ou na velhice. Embora neste momento já exista legislação relativa à acessibilidade no espaço público e edifícios de utilização pública e se preveja a publicação para breve de legislação sobre habitação, os técnicos apresentam uma quase total ignorância sobre as necessidades específicas de pessoas diferentes da norma e uma tendência para encarar a acessibilidade como uma questão meramente regulamentar não entrando em linha de conta com a diversidade da população para quem projectam. Esta problemática leva-nos à seguinte constatação, é necessário e urgente promover a investigação e disseminação de conhecimentos que habilitem os técnicos a responder de forma mais adequada aos projectos que realizam. Torna-se desta forma fundamental que pessoas que sentem essa desvantagem e que melhor conseguem identificar as situações de inadaptação do meio edificado exponham a sua vivência e ajudem os técnicos a desenvolver soluções para o problema. Inverte-se desta forma a lógica habitual deste tipo de acções, onde as pessoas com "deficiência", que normalmente recebem a formação, passam para o papel de formadores que pode com a sua experiência ajudar os urbanistas, arquitectos e designers a projectarem para a diferença.

dot Top


Budget Action 2

500 000 – 1 000 000 €

dot Top


Beneficiaries


Assistance to persons 
Unemployed  0.0%  0.0% 
Employed  50.0%  50.0% 
Others (without status, social beneficiaries...)  0.0%  0.0% 
  100.0% 
 
Migrants, ethnic minorities, …  0.0%  0.0% 
Asylum seekers  0.0%  0.0% 
Population not migrant and not asylum seeker  50.0%  50.0% 
  100.0%
 
Physical Impairment  9.0%  9.0% 
Mental Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Illness  0.0%  0.0% 
Population not suffering from a disability  41.0%  41.0% 
  100.0% 
 
Substance abusers 0.0%  0.0% 
Homeless  0.0%  0.0% 
(Ex-)prisoners  0.0%  0.0% 
Other discriminated (religion, sexual orientation)  0.0%  0.0% 
Without such specific discriminations  50.0%  50.0% 
  100.0% 
 
< 25 year  11.3%  11.3% 
25 - 50 year  38.7%  38.7% 
> 50 year  0.0%  0.0% 
   100.0% 

Assistance to structures and systems and accompanying measures Rating
Support to entrepreneurship *
Discrimination and inequality in employment *
Disabilities ***
Other discriminations **
Low qualification *

dot Top


Empowerment

 

 With beneficiaries

Participation
Developing collective responsibility and capacity for action
Participation in the project design
Participation in running and evaluating activities
Changing attitudes and behavior of key actors

 

 Between national partners

N.C.

dot Top


Transnationality

 

 Linguistic skills

  • português
  • português
  • English
  • español (castellano)

 Percentage of the budget for transnational activities

  • 0.2%

 Transnational Co-operation Partnerships

Transnational Co-operation Agreement DPs involved
1035 ON-LINE NETWORKING FOR CHANGE ES ES69
IT IT-G-LOM-027
UKgb 63

dot Top


Background

 

 Involvment in previous EU programmes

  • One partner involved in A&E

dot Top


National Partners


Partner To be contacted for
CPD-CENTRO PORTUGUÊS DE DESIGN Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal
Câmara Municipal de Lisboa
Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa

dot Top


Agreement Summary

Text available in

The responsabilities of the project's four partners are as follows: 1 - CPD (Portuguese Design Center) will act as co-ordinator and undertake the tecnical e financial control. It will articulate the work of the national and transnational partnerships and liaise with Equal Management Office. CPD will be responsible for the struture of the Specialist in Inclusive Design, as well as monitor and assess its progress. The CPD will also be responsible for the Design Inclusive Prize, will co.ordenate the website and oversee the public space evaluation study. Simialry it will assist in defining contents and methodology and co-ordinating the data collected from the other partners in regard the Observatory to be set up by Faculty of Architecture. 2 - CML (Lisbon Municipal Council) will organize the preparatory workshop on curricular content and teaching strategies for Inclusive Design as well as the International Seminar. It will prepare and give six training courses. Through the Municipal Commiittee for People with disability it will act as a link to organizations of those with disability. 3. ACAPO (Portuguese Association of the Blid and Partially Sighted) will partipate in all the project's activities, in particular, the preparation and teaching of the Specialist Course and the training course to ensure they match the needs of people with a visual impairment. 4 - FAUTL (Lisbon University Faculty of Architecture) will set up the Observatory that should lead to the setting up of a Resources Centre at the end of the project. It will produce a database on Inclusive Design in Portugal and the world as well as collate European and international accessibility standars. I

Last update: 11-12-2006 dot Top


CPD-CENTRO PORTUGUÊS DE DESIGN

(-)
PÓLO TECNOLÓGICO DE LISBOA, LOTE 8
-
P-1600-485-LISBOA Lisboa

Tel:+351217121490
Fax:217165917
Email:-

 
Responsibility in the DP: Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:22-07-2004 /

Text available in

O Centro Portugues de Design é um organismo dinamizador e de interface entre todos os parceirso - profissionais, empresas, escolas de design, ppublicações, lojas instituições públicas ou privadas. O CPD não tem do Design uma visão fechada ou negativa, orientada pela exclusão do que não será verdadeiro Design, e incentiva e faz questão de se associar á criação em Portugal, de outras instituições e projectos nos quais o design seja protagonista.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Isabel Cotrim Isabel +351217121490 icotrim@cpd.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-12-2006 dot Top


Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal

(ACAPO)
Rua São José, 86 - 1º
-
P-1150-324-LISBOA Lisboa

Tel:+351213425542
Fax:213428518
Email:-

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Organisation providing support and guidance for disadvantaged groups
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:12-06-2002 /

Text available in

MISSÃO - defesa dos direitos e promoção dos interesses dos deficientes visuais e sua plena integração socio-profissional na sociedade. ÁREAS DE INTERVENÇÃO - Formação profissional Inserção profissional Produção documental Acção social Desporto Novas tecnologias



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Peter Colwell Peter +351213422001 dn@acapo.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-12-2006 dot Top


Câmara Municipal de Lisboa

(CML)
Edifício dos Paços do ConcelhoPraça do Município
-
P-1149-014-LISBOA Lisboa

Tel:+351213236224
Fax:213236229
Email:ver.mcalado@mail.cm-lisboa.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:12-06-2002 /

Text available in

As Autarquias Locais são pessoas colectivas de orgãos representativos que visam a prossecução de interesses próprios das populações respectivas. As atribuições e a organização das autarquias locais, bem como a competência dos seus orgãos são regulados por lei, através da Lei 169/99 de 18 de Setembro, de harmonia com o principio da descentralização administrativa. O Departamento de Acção social desenvolve um conjunto de programas, projectos e actividades que visam promover a inclusão social, o desenvolvimento sócio-cultural e a cidadania de populações vítimas de exclusão social ou mais vulneráveis a processos de estigmatização . Neste âmbito, o combate à pobreza e à exclusão social, a promoção da igualdade de oportunidades, do acesso à saúde, o desenvolvimento comunitário, o apoio à infância, aos idosos, à população portadora de deficiência, aos sem abrigo, aos emigrantes e às comunidades étnicas, são algumas da áreas de intervenção deste Departamento.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Jorge Manuel Torres Falcato Simões Jorge +351217988113 jfalcato@cm-lisboa.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-12-2006 dot Top


Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa

(-)
Rua Sá Nogueira, Polo Universitário da Ajuda - Alto da Ajuda
-
P-1349-055-LISBOA Lisboa

Tel:+351213615000
Fax:213625138
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:University / Research organisation
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:28-09-2004 /

Text available in

A Entidade é uma Instituição Superior de Ensino Público dedicada também aá Investigação nas áreas de Arquitectura e Design



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Fernando Moreira da Silva Fernando +351213625128 dasilva@fa-utl.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-12-2006 dot Top



 
 
 
 

 
 
 
 

 
 
 
 
Warning! This section is not meant to be read directly, but rather be navigated through from the main page above.
 
 
 
 

DESIGN INCLUSIVO

Rationale

Text available in

No âmbito deste projecto importa verificar qual a percentagem da população que se encontra numa situação de exclusão provocada pelo meio edificado e produtos existentes. Sabendo-se que a existência de um meio edificado e de produtos acessíveis será vantajosa para toda a população em termos do conforto, segurança e da eficácia é de referir que há sectores da população como os idosos e as pessoas com deficiência que só através da existência de ambientes acessíveis poderão ter hipóteses de uma verdadeira inclusão social. No que diz respeito à população idosa assiste-se a um progressivo envelhecimento do conjunto da população devido à conjugação de um aumento da esperança de vida à nascença com uma diminuição da taxa de natalidade de acordo com o Censo de 2001 as pessoas com mais de 65 anos são já 16,44% do total da população. O índice de envelhecimento que era de 68,08 em 1991 passou para 102,56 em 10 anos. Quanto à quantificação da população com deficiência, deparamo-nos com alguma dificuldade no seu apuramento dado registarem-se grandes disparidades consoante as fontes de informação consultadas. Estas disparidades parecem decorrer das diferentes metodologias de inquérito bem como do conceito de pessoa com deficiência estabelecido por cada uma das entidades que promoveram o estudo desta problemática. Assim, de acordo com o Inquérito Nacional às Incapacidades, Deficiências e Desvantagens, realizado pelo Secretariado Nacional de Reabilitação em 1996 (SNR; Inquérito Nacional às Incapacidades, Deficiências e Desvantagens - síntese dos resultados globais, Lisboa, Cadernos SNR, n.º 8, 1996), existiam à data 905.488 pessoas com deficiência, o que representa uma taxa nacional de 9,16%, já o Censo de 2001 regista uma percentagem de 6,13% da população e de acordo com o Painel Europeu dos Agregados Familiares (1996), 18,4 % da população portuguesa teria uma deficiência ( The employement situation of people with disabilities in the European Union, Direcção- Geral para o Emprego e Assuntos Sociais, Comissão Europeia, 2001). É de referir que tanto o Censo de 2001 como o Painel Europeu dos Agregados Familiares utilizam a auto avaliação para caracterizar a situação de deficiência podendo assim provocar uma distorção da realidade através da introdução de factores subjectivos de avaliação. O Inquérito Nacional às Incapacidades, Deficiências e Desvantagens, embora tenha sido realizado por amostragem teve por base um inquérito mais rigoroso realizado presencialmente por inquiridores o que indiciará uma maior aproximação á realidade da situação em Portugal, sendo, assim, considerado como referência para efeito desta caracterização da situação. No referido inquérito constata-se uma "tendência crescente do peso relativo de pessoas com, pelo menos, uma incapacidade ao longo da vida" reforçando a ideia de que mesmo havendo uma melhoria da prevenção precoce e dos cuidados de saúde será maior a percentagem de pessoas com deficiência no futuro. No que respeita a distribuição geográfica das pessoas com alguma incapacidade/deficiência, este inquérito revela-nos uma especial incidência nos distritos de Lisboa e Porto. Relativamente à distribuição de incapacidades por grupos etários, este inquérito permite registar "uma taxa persistente e importante de incapacidade nos grupos etários correspondentes à escolaridade obrigatória, formação profissional e emprego", não obstante a elevada taxa de incapacidade no período relativo à idade de reforma. (SNR; ibidem) Perante uma realidade com os contornos atrás descritos são vários os indicadores reveladores de uma desigualdade de oportunidades no seio da população com deficiência/incapacidade. Situação face ao emprego A nível europeu a comparação da situação face ao emprego das pessoas com deficiência e sem deficiência em idade activa é a seguinte: Pessoas com deficiência Pessoas sem deficiência Empregados 42,2% 64,5% Desempregados 5,6 % 7,4% Inactivos 52,2% 28,1% Fonte: ECHP, 1996 Segundo o Painel Europeu dos Agregados Familiares (1996), relativamente ao escalão etário 16-64 anos, a probabilidade de ter um emprego ou uma empresa é de 66% , taxa que diminui para 47% no caso dos indivíduos serem portadores de uma deficiência ligeira, e para 25% no caso de deficiências graves. No caso de Portugal, um bom indicador da vulnerabilidade da população com deficiência é a sua situação perante a actividade económica evidenciada no quadro seguinte, Deficiências Empregados Taxa de Emprego Psíquicas 23 476 27,4 Sensoriais 56 729 58,8 Físicas 137 492 45,8 Mistas 3 159 27,8 Nenhuma especial 6 629 41,8 Fonte: QUANTI, SNRIPD,1996 É de realçar que à data a taxa de emprego em Portugal era próxima dos 70%. Outro bom indicador das condições de exclusão vividas pelas pessoas com deficiência é o da distribuição percentual de pessoas por incapacidade e por nível de instrução Incapacidade Total Nível de Instrução Nenhum 1º CicloEnsino Básico 2º e 3º CicloEnsino Básico 10º/12º Anos Politécnico Universidade NS/NR Para Ver 135.430 44,57% 41,18% 9,23% 2,51% 1,05% 0,87% 0,59% Para Ouvir 115.067 39,42% 41,67% 11,45% 2,34% 1,72% 1,54% 0,85 Na Locomoção 357.492 44,31% 44,22% 7,12% 1,77% 0,87% 1,07% 0,65 Fonte: QUANTI, SNRIPD,1996 Se tivermos em consideração que, era de 16% a percentagem da população sem qualquer grau de instrução (Censo de 1991), é evidente que a variação entre 39,42% e 44,57% que se verifica para as pessoas que têm incapacidade para ver, ouvir ou de locomoção, dá a verdadeira dimensão da exclusão a que estão votadas estas pessoas. É de sublinhar, tal como é referido no estudo "Vulnerabilidade à exclusão social" do Departamento de Estudos, Planeamento e Prospectiva do Ministério do Trabalho e Solidariedade, "que estes valores não se devem às próprias incapacidades das pessoas mas antes ao facto de existirem inúmeras barreiras que se levantam à sua formação escolar, aos processos de qualificação, à mobilidade, ao acesso a bens de uso quotidiano indispensável para uma vida normal, aos bens de cultura, à adaptação aos postos de trabalho(...)". Importância da acessibilidade e mobilidade Os dados expostos são suficientes para verificar a situação de exclusão face ao emprego, à formação e à educação vivida pelas pessoas com deficiência. Embora não existam estudos que permitam quantificar a contribuição das barreiras arquitectónicas, urbanísticas e comunicacionais para a referida exclusão, existem alguns indicadores que nos permitem afirmar a sua relevância. De acordo com o estudo " As pequenas e médias empresas e o emprego de pessoas com deficiência" (CIDEC, Centro interdisciplinar de Estudos Económicos, 2001, Edição SNRIPD) quando perguntado a empresários o que mais receavam na eventualidade da contratação de uma pessoa com deficiência, o tipo de receios mais importantes foram os relacionados com as barreiras físicas: não estarem os postos de trabalho adaptados ou existirem barreiras arquitectónicas nas empresas. Estas preocupações foram consideradas muito importantes ou importantes por, respectivamente, 71,2% e 69,1% das empresas, sendo receios partilhados, igualmente, tanto por grandes como pequenas e médias empresas. No inquérito "Os europeus face às pessoas com deficiência" ( The european opinion research group - EORG, 2001, Eurobarometro 54.2) 88% dos europeus consideram que a acessibilidade dos cegos ao transporte público é difícil, 59% dos entrevistados pensa que a cessibilidade dos surdos às universidades e escolas é difícil, 76% dos europeus considera que a acessibilidade dos cegos a uma selecção de sete serviços e eventos tipo de caracter público é difícil ( média calculada sobre os resultados acumulados "muito difícil" e "bastante difícil" para cada um dos serviços e eventos considerados) este resultado situa-se nos 73% para as pessoas com deficiências psíquicas, em 71% para as pessoas com deficiências físicas e em 54% para as pessoas surdas. Face à situação exposta, para que seja possível a integração das pessoas com deficiência a todos os níveis da participação social e particularmente no acesso ao mercados de trabalho há que intervir na adaptação e construção de um ambiente edificado, de produtos e serviços que correspondam às necessidades do maior número de pessoas, nomeadamente os idosos e as pessoas com deficiência. Sabendo-se da inexistência de formação técnica específica e investigação nesta área e sua disseminação, fundamental para a alteração de práticas profissionais favoráveis à inclusão, serão estas as questões fulcrais de desenvolvimento do projecto.

dot Top


Objective

Text available in

De acordo com os princípios que estão na base da iniciativa EQUAL, a presente candidatura destina-se a promover a igualdade de oportunidades no exercício pleno do direito de cidadania, através da concepção de produtos e ambientes acessíveis para todos, em particular na sua expressão em serviços públicos. Para assegurar o efeito disseminador das actividades a implementar a parceria será composta por elementos que representam os vários agentes mais directamente implicados neste processo de mudança de mentalidades, nomeadamente organizações não governamentais de defesa de direitos cívicos, administração regional e autárquica e instituições de ensino superior das áreas do urbanismo, arquitectura e design, ficando a coordenação a cargo do Centro Português de Design, entidade reguladora de critérios de qualidade para a profissão de designer e com potencial disseminador de boas práticas. Desta forma, o projecto Design Inclusivo tem como principal objectivo estratégico: A promoção do direito de livre circulação e de igualdade de acesso a bens e serviços por parte de pessoas em situação de desvantagem pelas suas características físicas, sensoriais ou intelectuais. Para a realização desta missão estabeleceram-se os seguintes objectivos específicos: Integrar utilizadores habitualmente em situação desvantagem, nomeadamente crianças, deficientes e idosos, na procura de soluções mais eficazes, seguras e confortáveis para todos. Promover a investigação de conceitos, propostas e soluções na área do Design Inclusivo, do Design Universal e do Design for All. Organizar e disponibilizar esta informação aos técnicos de Arquitectura e Design e à população em geral Sensibilizar as instituições públicas, técnicos e público em geral para os conceitos de Design Inclusivo Promover a integração de conteúdos relacionados com o Design Inclusivo nos currículos dos cursos superiores de urbanismo, arquitectura e design.

dot Top



Logo EQUAL

Home page
DP Search
TCA Search
Help
Set Language Order
Statistics