IMPORTANT LEGAL NOTICE
 

 JEMA - JOVENS EMPRESÁRIAS MOVIMENTAM-SE PARA O AUTO-EMPREGO ascii version

Portugal

 
DP Managing organisation : Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Serras de Montemuro Gralheira
Other national partners : ABBAA - Associação de Bordadeiras e Baínhas Abertas de Arouca
Associação Empresarial do concelho de Arouca
CEARTE - Centro de Formação Profissional do Artesanato
Liconsultores - Organização e Gestão de Empresas, Lda
PCOMP - Programação de Computadores, Lda.
EQUAL theme :Entrepreneurship - Business creation 
Type of DP :Geographical - Rural area - NORTE, CENTRO (P) 
DP Legal status :Association without legal form 
DP identification :PT-2001-027 
Application phase :Project ended 
Selection date :10-09-2002 
Last update :09-10-2007 
Monitoring: 2002  2003   

Rationale

Text available in

With the jointure of the two projects (CURA and JEMA), the partnership of the JEMA project and the partnership of the CURA project merged at a national and a transnational level, becoming a more sustainable partnership, more diversificated and more responsible. The merger of both projects also allowed also the possibility of achieving the main and direct objectives through the resolution of problems, in some cases common to both projects. This possibility that has been given to us, was also important because we managed to make similar follow-ups simultaneously with different perspectives. Although the idea aroused from a small group of people which we call nucleus, the same was transmited to the other partners as it was approved, that accepted it in action 1. Nevertheless it wasn´t a pure and simple acceptation, since it was equally important the contribution that those partners gave to the project, the planification of action 2, and the previous assumption of responsabilities by each and everyone of the partners. In this way it is very important to refer that this widened partnership was relevant in the sense that it permitted the identification of problems and the blockades that hadn´t been identified before. It is always important that all partners work and participate in order to obtain a common result. In this sense, during action one we built the diagnosis of needs that had already been started when we applied for the program the first time. In order to deepen the diagnosis of needs there were two important facts: on one hand the experience that ADRIMAG has, that is already a tem year experience, and on the other hand the enquiries made to the target group and that gave us some conclusions. Resuming, the following activities were undertaken: - At the beginning of action 1 we made na enquiry that was sent by postmail to all the parish presidentsof the interlocutor entity intervention zone and they prooved to be extremely interested in the project and indicated immediately possible people to join the target group. - Besides the enquiries several meetings were held with the regional delegations of the Employment and training institute, and these meetings allowed these entities to know what projects we had in hands for the region and they also felt motivated to join the partnership. If more formal links were not built, at least the will to work with the partnership was great, especially in the selection of the trainees.These meetings also allowed us to listen to the opinion of these entities that are very important in the employment issue. - Other enquiries were made in order to obtain more truthful results to be inserted in the diagnosis of needs. On of those enquiries was directed to the women of the intervention zone (with special attention to unemployed and medium scholarship women, the other was directed to the craftsmen(women) of the interlocutor entity intervention zone. About the first one the results obtained were the following: (attending to the limit of characters imposed, we shall refer only the data in relation to some questions. In anex to this form we send the full diagnosis made). __________________________________________________ First part (Equal opportunities) To the question about equal opportunities between men and women: - 53,1% of the women enquired answered that there hasn´t been equal opportunities between men and women - 46,9% of the women enquired think that there exist equal opportunities - 18,8% think that the lack of enterpreneurial spirit constitutes low difficulty in the creation of micro-entreprises; - 28,1% think that the lack of enterpreneurial spirit constitutes no difficulty in the creation of micro-enterprises Second part (Market) The question about the reason why women don´t invest in their own parish: - 67,7% of the enquired women don´t invest in their parish because of financial reasons - 41,9% don´t invest in their parish due to a lack of support - 38,7% don´t invest in their parish due to a lack of technical and specialized information - 29% of women don´t invest because of the complexity of the formalities - 25,8% don´t invest due to lack of initiative - 12,9% don´t invest due to other reasons namely the "jealousy" of neighbours To the question about the area in which the women of the region to which they belong should invest: - 54,8% of the enquired women say that the women of this region should invest in the service enterprises and social welfare; - 32,3% of the enquired women say that the women of this region should invest in small industrial factories; - 22,6% of the enquired women say that the women of this region should invest in handicraft; - 6,5% of the enquired women say that the women of this region should invest in agricultural exploitation - 6,5% of the enquired women say that the women of this region should invest in agro-industrial enterprises - 6,5% of the enquired women say that the women of this region should invest in other areas. In this percentage there were people that answered that women in this region should try investing in restaurants and tourism, namely horse riding. To the question about the creation of their own business: - 83,9% of the enquired already thought about creating their own business; - 12,9% of the enquired answered that they had not thought about creating their own business; - 3,2% hadn´t even given it a thought To the question about the area in which they would like to create a micro-enterprise: - 35,5% of the enquired women answered that they would like to create a micro-enterprise in the area of the social services; - 22,6% answered that they would like to create a micro-enterprise in the tourism area; - 22,6% answered that they would like to create a micro-enterprise in the area of the local commerce - 22,6% answered that they would like to create a micro-enterprise in other areas. Within these enterprises there are several options, being that the creation of enterprises of services mount up to about 10%. To the question in the entrepreneurial management area: - 54,8% of the enquired answered that they have no tarining in the enterpreneurial management area; - 45,2% of the enquired answered that they have no knowledge about the enterpreneurial area; To the question about informatics knowledge: - 83,9% have informatics knowledge and 16,1% don´t To the question about buying through internet - 87,1% said they never buy through internet, and 12,9 % answered afirmatively. Within the shopping made by women on-line we outstand perfumes and clothing. To the question about the intention of each one of them starting up a business given the right training and accompanying of their business: - 83,9% are willing to start their own business with training and accompanying - Only 16% are not willing to start their own business; We conclude with this enquiry, that the women of the intervention zone of ADRIMAG need training in the enterpreneurial management area and are willing to start their own micro-enterprise. In order to diagnosis with precision the reality of handicraft existent in the intervention zone of ADRIMAG, there was made a first enquiry (that we present in anex) to all the craftsmen(women) here present.. This allowed us to determine the exact situation present in all the chain of value of handicraft of our intervention zone, through the analysis of a group of activities developed by them, since the conception of the product to the selling of it. The enquiry had also the goal of determining the receptivity of the artisans to the New Information Technologies, more precisely to the e-comerce, as well as the knowledge detained in this area. Next we present the statistic analysis of the question made to them. 8. When asked about the interest of the artisans in creating their own business, we see that 62% are interested, but 28% answer negatively. To 8% of the enquired this question does not apply and 2% already have their own business. 15. About the way they promote their products we see that the majority do that promotion only through friends (representing 44% of the total artisans enquired), 16% do the promotion by going to fairs and expositions and 24% use both strategies. 2% of the enquired answered that the promotion they do is made through friends but they also use the media. There are also 12% that do this through institutions and 2% manage the promotion through winning prizes and Origin Protected Denomination. Out of al this 4% of the enquired don´t do any kind of publicity. 16. When enquired about whom are their main customers, 46% of the artisans answer that these are only tourists, 32% only sell to their fellow neighbours, and 10% sell to both. 8% of the artisans answer that their main customers are the residents in the region and in the proximities. The artisans that manage to have these three types of clients mount up to only 2% of the enquired. 17. About the difficulties felt by the artisans only 2%of the enquired say that they have none, all the rest say they have several, and so - selling of the products is pointed out by 32% of the enquired - the lack of funding is referred by 26% of the enquired - the unexistance of trading points and promotion is pointed out by 14% 19. When we questioned the artisans if they had heard about e-commerce we see that 62% never heard of such matter, 20% have heard but do not know how to use it and 18% have heard of it and know how to use internet. 20. Of the enquired artisans, 40% consider it very important and na advantage to have a portal for promotion and e-commerce of handicraft, although 34% consider it may not have any advantage. Still 22% consider that it is enough and 10% consider that is has a small amout of advantage.

dot Top


Objective

Text available in

For the starting of action 2 we don´t pretend that the objectives announced when we produced the application for action 1, be altered or removed, on the contrarary, what we pretend is to give more enhancement to those and simultaneously study them deeper, indicating others that have outstood during action 1. Action 1 has allowed us to mature the idea of the project we had. The experience is very useful for us to achieve all the objectives we had expected.We would like to outstand another situation, that we intend to be very important, that is the work in partnership, a new model of partnership that was created with EQUAL seems to be very relevant for this process, since the rules that were imposed on the partnership forced the partners to work as a team, since all of them work for common objectives and all have their interests in this project. Now to answer , directly to the question, we referred as main objective, although not being a direct objective, since we won´t be able to gain it directly, it is a transversal objective to all the partners and to all the activities of the project that is the social and economic development of the region in which we are insered. Besides this objective and speaking of more firm objectives, like the promotion of employment, since we pretend to qualify the competences of the target group. More than the qualification of the human resources we also pretend to act at the support level for women and craftsmen(women), so that they can have their business creating opportunities. The support for enterprise creation involves as well the assistance that the partnership wishes to give to the target group. In relation to the craftsmen and craftswomen the support will not only be the enterprise creation, since they have other chances that the individuals don´t have, for example funding, lent spaces, etc.

dot Top


Innovation


Nature of the experimental activities to be implemented Rating
Guidance, counselling **
Training **
Training on work place **
Work placement **
Employment aids (+ for self-employment) ***
Integrated measures (pathway to integration) *
Employment creation and support ***
Improvement of employment services, Recruitment structures **
Conception for training programs, certification **
Anticipation of technical changes *
Guidance and social services *
Awareness raising, information, publicity *

Type of innovation Rating
Process-oriented **
Goal-oriented *
Context oriented ***

Text available in

Concretamente o grupo alvo definido é constituído por mulheres com idades compreendidas entre os 18 e os 35 anos, com as habilitações literárias médias - 12º ano de escolaridade. São mulheres jovens com dinamismo e espírito empresarial empreendedor. Já foram feitos os contactos com o Instituto de Emprego e Formação Profissional instalado na região de intervenção, deslocando-nos (ADRIMAG e AECA) aos diversos centros, onde foi feita a exposição do programa e imediata colaboração por parte dos centros para o recrutamento das potenciais formandas. As Mulheres inqueridas neste momento já têm conhecimento dos objectivos do programa Jema, tendo sido alvo de tertúlia entre as entidades envolvidas, clarificando-se a adequação ao público alvo e contexto social. A par do diálogo, há o complemento da entrevista individual e realização de psicotécnicos a realizar através de uma comissão representativa das entidades criada para o efeito. A inovação não é um acto isolado, mas sim um processo continuo que obriga a envolvência e conjugação de competências distintas e cooperação interdisciplinar, o que fomenta a razão da existência das parcerias de desenvolvimento. Todos os intervenientes pretendem a boa execução do projecto, por isso todos participam na experiência. Um dado inovador, é a participação de sete concelhos distintos (área de intervenção da Adrimag) de caracteristicas socio económicas homogénias. Cada concelho irá participar com a formação de duas mulheres, totalizando o número de 14 formandas. Numa perspectiva de associativismo, a ADRIMAG, AECA, ANE, CEARTE, PCOMP Lda, ABBAA, desenvolvem uma atitude de parceria de cooperação, juntando os diferentes saberes dentro dos seus domínios. A ADRIMAG possui experiência em projectos de desenvolvimento local e regional. A AECA possui experiência na componente empresarial (constituição das empresas, legislação laboral e investimentos). Desenvolverá a rede de contactos necessários à implementação dos estágios, pois é detentora e representante do tecido empresarial da região, assim como uma relação directa com as diferentes associações empresariais sectoriais com representação a nível nacional. O papel da AECA é fundamental para a concretização deste projecto no que respeita à criação das potenciais empresas que nascerão através desta experiência. É também detentora de um vasto leque de informação que funciona como valor acrescentado, ajudando-nos a definir os nichos de mercado dos diferentes sectores (comércio, serviços e indústria) para a criação das novas empresas. São dados fundamentais para o público alvo e potenciais investidores. A ANE, sendo uma associação especializada no apoio às mulheres estará presente com o contributo da formação, área perfeitamente dominada nas suas actividades. A PCOMP, LDA é uma entidade que apresenta um currículo válido na vertente da programação informática e implementação de portais de informação e comercialização.

dot Top


Budget Action 2

250 000 – 500 000 €

dot Top


Beneficiaries


Assistance to persons 
Unemployed  0.0%  50.0% 
Employed  0.0%  0.0% 
Others (without status, social beneficiaries...)  14.3%  35.7% 
  100.0% 
 
Migrants, ethnic minorities, …  0.0%  0.0% 
Asylum seekers  0.0%  0.0% 
Population not migrant and not asylum seeker  14.3%  85.7% 
  100.0%
 
Physical Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Illness  0.0%  0.0% 
Population not suffering from a disability  14.3%  85.7% 
  100.0% 
 
Substance abusers 0.0%  0.0% 
Homeless  0.0%  0.0% 
(Ex-)prisoners  0.0%  0.0% 
Other discriminated (religion, sexual orientation)  0.0%  0.0% 
Without such specific discriminations  14.3%  85.7% 
  100.0% 
 
< 25 year  0.0%  0.0% 
25 - 50 year  14.3%  85.7% 
> 50 year  0.0%  0.0% 
   100.0% 

Assistance to structures and systems and accompanying measures Rating
Support to entrepreneurship ***
Discrimination and inequality in employment **
Other discriminations **
Low qualification **
Unemployment **

dot Top


Empowerment

 

 With beneficiaries

Participation
Developing collective responsibility and capacity for action
Participation in the project design
Participation in running and evaluating activities
Changing attitudes and behavior of key actors

 

 Between national partners

N.C.

dot Top


Transnationality

 

 Linguistic skills

  • português
  • português
  • English
  • français

 Percentage of the budget for transnational activities

  • 0.3%

 Transnational Co-operation Partnerships

Transnational Co-operation Agreement DPs involved
2696 E.E.C. (EUROPEAN ENTREPRENEUR CO-OPERATION) FR BRG-2001-10667
FR GUA-2001-10808
IT IT-G-CAL-026
IT IT-G-SAR-051
UKgb 52

dot Top


Background

 

 Involvment in previous EU programmes

  • Two and more partners involved in A&E

dot Top


National Partners


Partner To be contacted for
Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Serras de Montemuro Gralheira Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
ABBAA - Associação de Bordadeiras e Baínhas Abertas de Arouca
Associação Empresarial do concelho de Arouca
CEARTE - Centro de Formação Profissional do Artesanato
Liconsultores - Organização e Gestão de Empresas, Lda
PCOMP - Programação de Computadores, Lda.

dot Top


Agreement Summary

Text available in

The partnership that was formed for this project, is a partnership that brings added value to the project and on the other hand has elementss of different entities and domains that can for sure be a propellor of development and sucess for EQUAL and for our project specifically. This project is very widened since it pretends to enhance several target groups and different destinataries, and we cannot forget that the project has two distinct activities, although with similar objectives and undergone in the same intervention area. The fact that we managed to join entities of a different nature and destinataries equally distinct in the same project is for us already na innovation.In this partnership agreement, the six partners involved, ADRIMAG as the interlocutor entity, PCOMP ( enterprise specialist in dealing with new technologies), ABBAA ( embroidery association - handicraft), CEARTE ( handicraft training centre), AECA (entrepreneurial association), and ANE (women entrepeneurs national association), pretend all together, to develop a vast project that joins not only craftswomen training but also unemployed women that want and that are interested in being entrepreneurs and interested in starting a business in domains that were identified as priorities and essential in a rural area, as handicraft na a creation of a site for the presentation and the comercialization of the local products.In a shorter way, we refer which are the tasks that each of the partners will have during the project. The interlocutor entity, will have the task of organizing the activities, organizing the meetings with the partners and will be the gathering entity of the project and of all the partnership. In the same way it will be this association that will develop the transnational cooperation, although this doesn´t meen that ADRIMAG is the only entity participating in the transnational activities..

Last update: 09-10-2007 dot Top


Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Serras de Montemuro Gralheira

(ADRIMAG)
Praça Brandão Vasconcelos, 10
-
P-4540-110-AROUCA Arouca

Tel:+351256940350
Fax:256940359
Email:-

 
Responsibility in the DP: Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ENTRE DOURO E VOUGA
Date of joining / leaving:17-12-2004 /

Text available in

A ADRIMAG, Associação de Desenvolvimento Rural das Serras de Montemuro, Arada e Gralheira, é uma associação de direito privado sem fins lucrativos, regulamentada por estatutos. Foi constituída a 27 de Agosto de 1991 e tem a sua sede na vila de Arouca, na Praça Brandão Vasconcelos. OBJECTIVO Segundo os estatutos, a associação tem por fim: “Defender o património endógeno – raças autóctones; desenvolver e incentivar o turismo rural; desenvolver e apoiar iniciativas culturais; incentivar e apoiar o artesanato e a etnografia; ajudar o escoamento de produtos endógenos; contribuir para a animação do espaço rural; promover a formação profissional; desenvolver e apoiar o desenvolvimento de contactos, com organismos e entidades para tal vocacionadas.” OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O projecto definido pela ADRIMAG compatibiliza as perspectivas dos diferentes agentes locais e assenta em três objectivos estratégicos considerados primordiais para o desenvolvimento sustentado de toda a região: Melhorar as condições de vida da população, através de investimento em equipamentos básicos e sociais de apoio; promoção de acções de formação, informação e animação Reforçar o sistema produtivo, valorizar e diversificar a actividade económica local, através do reforço do turismo rural, apoio a actividades tradicionais e valorização dos recursos endógenos, nomeadamente os produtos regionais certificados Conservar o meio ambiente, através da realização de acções de educação ambiental, promoção de actividades de lazer e turísticas e protecção de recursos e paisagem.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
João Carlos da Silva Pinho João +351256940350 adrimag@adrimag.com.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-10-2007 dot Top


ABBAA - Associação de Bordadeiras e Baínhas Abertas de Arouca

(-)
Praça Brandão Vasconcelos, n.º 10
-
P-4540-110-AROUCA Arouca

Tel:+351256944426
Fax:
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ENTRE DOURO E VOUGA
Date of joining / leaving:07-06-2002 /

Text available in

A associação de Bordadeiras e Bainhas Abertas de Arouca tem como principal objectivo a promoção dos bordados e do linho, e no âmbito deste projecto, pretende intervir nas seguintes áreas: _ Defender os direitos sociais, económicos, profissionais e culturais dos associados; _ Promover o desenvolvimento e aperfeiçoamento técnico, profissional e cultural dos seus associados; _Promover o intercâmbio e cooperação com associações e organismos nacionais ou estrangeiros que prossigam os mesmos objectivos; _ Proporcionar aos eus associados e à população em geral o acesso a objectos com arte e design artesanal; _ Seleccionar, preparar e contratar o pessoal necessário à a manutenção e funcionamento da associação; _ Adquirir em materiais, máquinas e acessórios que se destinem à prossecução do fim social; _ Adquirir, construir ou tomar de arrendamento edifício para oficinas, armazém, etc. _ Negociar, pelas formas e instrumentos que as circunstâncias aconselhem.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Maria de Fatima Martins Gomes Tavares Maria +351256944426 (Unknown) Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-10-2007 dot Top


Associação Empresarial do concelho de Arouca

(AECA)
Praça Brandão Vasconcelos
-
P-4540-110-AROUCA Arouca

Tel:+351256943148
Fax:256941505
Email:-

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ENTRE DOURO E VOUGA
Date of joining / leaving:28-03-2005 /

Text available in

A AECA foi constituída em 1991e tem como objectivo principal defesa dos interesses da classe empresarial do concelho de Arouca, nomeadamente a sua representação institucional. Não sendo uma associação sectorial tem debruçado a sua acção na tentativa da resolução de problemas conjunturais e estruturais no tecido empresarial, procurando ser um interlocutor activo junto das entidades oficiais e/ou outras, na busca de soluções e estratégias comuns, que permitam a prossecução dos objectivos pretendidos. Tem desenvolvido acordos de cooperação, que visam a progresso socio-económico empresarial, integrando-se nestas acções a colaboração com o Ministério da Economia, a Câmara Municipal, Instituto de Emprego, AIDA, AEP, ADREVD, ADRIMAG, CEDV, IAPMEI, EDVEnergia, entre outras. A Aeca actua nos campos da formação profissional, desenvolvimento de estudos sectoriais/seminários, e, implementação de programas estratégicos de desenvolvimento regional.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Célia Maria Campos de Oliveira Célia +35125694314 aeca@aroucanet.com Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-10-2007 dot Top


CEARTE - Centro de Formação Profissional do Artesanato

(-)
Rua Rainha Santa Isabel - Zona Industrial da Pedrulha
-
P-3020-901-SOUSELAS Coimbra

Tel:+351239 497200
Fax:239 492293
Email:geral@cearte.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Education / training organisation
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:BAIXO MONDEGO
Date of joining / leaving:28-03-2005 /

Text available in

O CEARTE é um Centro de Formação Profissional de gestão participada, criado em 1986. Na sua Missão está a resposta às necessidades de formação profissional no sector do artesanato, através da qualificação de novos artesãos, em áreas de forte empregabilidade ou em áreas que permitam inverter o processo de extinção de actividades que apresentam condições de viabilidade económica, ou através da realização de acções de formação de artesãos no activo, contribuindo para a viabilização das iniciativas de emprego e para o desenvolvimento do sector. Consciente que a formação profissional constitui uma importante ferramenta e desenvolve um papel essencial na renovação e valorização dos ofícios tradicionais, o Centro desenvolve em média 80 acções de formação por ano, distribuídas por todo o território nacional, envolvendo cerca de 800 formandos. O resultado das acções traduz-se em 80% de empregabilidade dos formandos, fazendo do artesanato uma actividade económica, cultural e social relevante.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Ana Cristina Gomes da Fonseca Mendes Ana +351239497200 cearte@mail.telepac.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-10-2007 dot Top


Liconsultores - Organização e Gestão de Empresas, Lda

(LICONSULTORES)
Rua Comdte Rocha e Cunha, 15
-
P-3800-135-AVEIRO Aveiro

Tel:+351234380890
Fax:234380899
Email:liconsultores@liconsultores.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:BAIXO VOUGA
Date of joining / leaving:28-03-2005 /

Text available in

A Liconsultores - Organização e Gestão de Empresas, Lda., é uma sociedade por quotas de responsabilidade limitada, sedeada na Rua Comandante Rocha e Cunha, nº15, em Aveiro - telefone 234 380 890 e Fax 234 380 899. Deu início da sua actividade em 30 de Abril de 1987, concretizando um projecto de prestação de serviços na área de Recursos Humanos. Face ao trabalho desenvolvido, e de acordo com solicitações do mercado onde se inseria, veio a empresa ao longo dos anos a responder em outras áreas, norteando-se sempre pela consultadoria. Hoje, a Liconsultores é uma empresa solidamente implantada quer em termos comerciais, testado pelo número crescente de clientes e pelo seu volume de facturação, quer em termos económico - financeiros, com um capital social de € 45.000, repartido pelos sócios: Camilo António Soares Lopes Maria Isabel Soares Nogueira de Lemos Como resultado do exposto, a Liconsultores passou para uma fase de maior especialização, assumindo-se actualmente no mercado como uma empresa de consultoria em gestão multidisciplinar: - Talentos Humanos - Economia e Finanças - Marketing - Qualidade - Ambiente - Produção - Turismo - Saúde A Liconsultores - Organização e Gestão de Empresas, Lda. desenvolve a sua actividade com base numa forte qualidade dos seus serviços e grande respeito pela actividade e sucesso dos seus clientes. Os seus colaboradores partilham de uma mesma cultura e ética empresarial, expressa nos sete princípios da Liconsultores: - QUALIDADE - O cliente é o nosso patrão, qualidade é a nossa função e produção de valores para o cliente é o nosso objectivo. - RESPONSABILIDADE - Como indivíduos exigimos total responsabilidade de nós mesmos. Como colegas, apoiamos as responsabilidades dos outros e o desenvolvimento de equipas eficazes e competitivas. - DESENVOLVIMENTO - Estimulamos o espírito criativo e construtivo e a procura constante de soluções mais eficazes e duradouras. - PARTILHA - Um benefício mútuo é um benefício repartido, um benefício repartido manter-se-á ao longo do tempo. - COMPETÊNCIA - Incentivamos um elevado grau de preparação dos funcionários e a sua formação e actualização constante. - EFICIÊNCIA - Nós rentabilizamos todos os recursos, não os desperdiçamos e fazemos aquilo que sabemos fazer melhor. - LIBERDADE - Para planearmos o futuro precisamos de liberdade, para nos mantermos livres precisamos de lucro.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Nuno Gabriel Vaz Ribeiro Nuno +351234380890 Nuno.ribeiro@liconsultores.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-10-2007 dot Top


PCOMP - Programação de Computadores, Lda.

(-)
Avenida Infante D. Henrique, 1193 - I, sala E 7
-
P-4400-179-VILA NOVA DE GAIA Vila Nova de Gaia

Tel:+351223772570
Fax:
Email:-

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE PORTO
Date of joining / leaving:07-06-2002 /

Text available in

A PCOMP é uma empresa de desenvolvimento e implementação de aplicações em plataforma internet. As aplicações poderão trabalhar em internet ou intranet. As aplicações poderão trabalhar em modo ASP ( aluguer ), para além de comércio electrónico.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Sérgio Manuel Teixeira Barbosa Sérgio +351223772570 (Unknown) Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-10-2007 dot Top



 
 
 
 

 
 
 
 

 
 
 
 
Warning! This section is not meant to be read directly, but rather be navigated through from the main page above.
 
 
 
 

JEMA - JOVENS EMPRESARIAS MOVIMENTAM-SE PARA O AUTO-EMPREGO

Rationale

Text available in

om a união dos dois projectos ( CURA e JEMA ), a parceria do projecto JEMA e a parceira do projecto CURA fundiram-se, quer a nível nacional quer a nível transnacional, tornando-se a parceria mais sustentável, mais diversificada e mais responsável. A fusão dos dois projectos, permitiu também a possibilidade de se atingirem objectivos concretos e directos através da resolução de problemas, nalguns casos comuns aos dois projectos. Esta possibilidade que nos foi facultada, foi importante também, porque conseguimos fazer abordagens semelhantes e simultaneamente com perspectivas diferentes. Apesar da ideia do projecto ter saído de um núcleo duro, a mesma foi transmitida tal qual foi aprovada aos outros parceiros que a aceitaram na acção 1. No entanto, não se tratou apenas de uma aceitação pura e simples, pois foi igualmente importante os contributos que esses parceiros deixaram ao projecto, a planificação de toda a acção 2 e a assunção prévia de responsabilidades por cada um dos parceiros. Desta forma, é muito importante referir que esta parceria alargada foi relevante na medida em que permitiu identificarem-se problemas e entraves que anteriormente não foram identificados. É sempre importante que todos os parceiros trabalhem para a obtenção de um resultado comum. Neste pressuposto durante a acção um, concretizou-se e aprofundou-se o diagnóstico de necessidades já "alinhavado" aquando da realização da candidatura. Para o aprofundamento deste diagnóstico de necessidades foram muito importantes dois factos: por um lado a experiência que a ADRIMAG tem no terreno, que é já uma experiência que se estende por dez anos de existência, e por outro lado os inquéritos realizados sobretudo ao publico- alvo que ditaram algumas conclusões. Em resumo, realizaram-se as seguintes actividades: _ No arranque da acção 1, elaborou-se um inquérito que se enviou via correio a todos os presidentes de junta de freguesia da zona de intervenção da entidade interlocutora, os mesmos mostraram-se muito interessados no projecto e indicaram logo pessoas para integrarem o grupo - alvo. Para além dos primeiros inquéritos agendaram-se reuniões com as univas e com as delegações regionais do IEFP, esta reuniões permitiram por um lado que estas entidades ficassem a conhecer quais os projectos que tínhamos em mãos para a região e por outro lado, incentivá-los para entrar na parceria. Se daqui não resultaram elos formais de ligação, ficou pelo menos a vontade de trabalhar em conjunto com a parceria, como por exemplo para a selecção de formandas. Estas reuniões permitiram também auscultar as opiniões destas entidades, que são muito importantes na questão do emprego. Outros inquéritos foram elaborados com vista à obtenção de resultados mais fidedignos a serem inseridos neste diagnóstico de necessidades. Um desses inquéritos foi dirigido ás mulheres da zona de intervenção ( com especial atenção e relevo para as mulheres desempregadas e com habilitações médias da zona de intervenção ), o outro dirigiu-se essencialmente aos artesãos da zona de intervenção da entidade interlocutora. Quanto ao primeiro os resultados obtidos foram os seguintes: ( tendo em conta o limite de caracteres impostos, apenas serão referidos os dados em relação a algumas questões. Em anexo a este formulário seguirá a totalidade do diagnóstico elaborado ). Primeira parte ( Igualdade de Oportunidades) À Pergunta sobre a igualdade de oportunidade entre homens e mulheres:- 53,1% das mulheres inquiridas responderam que não se tem verificado igualdade de oportunidades entre homens e mulheres-46,9% responderam que se tem verificado igualdade de oportunidades.-18,8% acha que a falta de espírito empresariam constitui pouca dificuldade na criação de micro-empresas;-Para 28,1% a falta de espírito empresarial constitui nenhuma dificuldade à criação de micro-empresas;Segunda parte (Mercado)À Pergunta sobre a razão pela qual as mulheres não investem na sua freguesia:Para 67,7% das inquiridas as mulheres não investem na sua freguesia por razões financeiras;Para 41,9% as mulheres não investem na sua freguesia por falta de incentivos;Para 38,7% as mulheres não investem na sua freguesia por falta de informação técnica e especializada;Para 29% as mulheres não investem por causa da complexidade das formalidades;Para 25,8% as mulheres não investem por falta de iniciativa;12,9% apontaram outras razões para este motivo dentro das quais se destaca a "cobiça" dos vizinhos ...À pergunta sobre a área em que deveriam investir as mulheres da região a que pertencem:54,8% das mulheres inquiridas acha que as mulheres da sua região deveriam investir em empresas de serviços e/ou apoio social;32,3% das mulheres inquiridas acha que as mulheres da sua região deveriam investir em pequenas fábricas industriais;22,6% das mulheres inquiridas acha que as mulheres da sua região deveriam investir no artesanato;6,5% das mulheres inquiridas acha que as mulheres da sua região deveriam investir na exploração agrícola6,5% das mulheres inquiridas acha que as mulheres da sua região deveriam investir em empresas agro-industriais;6,5% das mulheres inquiridas acha que as mulheres da sua região deveriam investir em outras áreas. Dentro desta percentagem houve pessoas que responderam que as mulheres da sua região deveriam apostar na restauração e no turismo, nomeadamente em passeios equestres.À pergunta sobre a criação do seu próprio negócio:83,9% das inquiridas já pensou em criar o seu próprio negócio;12,9% das inquiridas responderam que não pensaram em criar o seu próprio negócioApenas 3,2% nunca pensou nisso.À Pergunta sobre a área em que gostaria de vir a criar uma mucro-empresa:35,5% das mulheres inquiridas respondeu que gostaria de vir a criar uma micro-empresa na área dos serviços sociais;22,6% responderam que gostariam de vir a criar uma micro empresa na área do turismo;22,6% responderam que gostariam de vir a criar uma empresa na área do comércio local;22,6% responderam que gostariam de vir a criar uma empresa noutras áreas.Dentro destas empresas encontram-se várias opções sendo as que mais se destacam a criação empresas de serviços com uma percentagem de mais ou menos 10%.Em relação à pergunta sobre a formação na área da gestão empresarial:54,8% das inquiridas responderam que não têm formação na área de gestão empresarial;45,2% das inquiridas responderam que têm conhecimentos na área empresarial;À pergunta sobre conhecimentos de informática:83,9 % tem conhecimentos de informática e 16,1 % não tem.Em relação à pergunta sobre as compras pela Internet:87,1% respondeu que não fez compras pela internet12,9 respondeu afirmativamente. Dentro das compras feitas por estas mulheres destacam-se os perfumes e roupas.À pergunta sobre a intenção de cada uma em estabelecer-se por conta própria com o apoio em formação e acompanhamento no negócio:83,9% das inquiridas estão dispostas a estabelecer-se por conta própria com o apoio em formação e acompanhamento no seu negócio;Apenas 16% não estão dispostas a estabelecer-se por conta própria com o apoio em formação e acompanhamento no seu negócio;Conclui-se, através deste inquérito, que as mulheres da Zona de Intervenção da ADRIMAG necessitam de formação na área da gestão empresarial e que estão dispostas a criar a sua micro - empresa. No intuito de diagnosticar com precisão a realidade do artesanato existente na Zona de Intervenção da ADRIMAG, foi efectuado um inquérito (que se apresenta em anexo) a todos os artesãos aqui presentes. Este permitiu determinar com rigor a situação patente em toda a Cadeia de Valor do artesanato da nossa zona de intervenção, através da análise do conjunto das actividades desenvolvidas por estes, desde a concepção do produto até à venda do mesmo. O inquérito teve ainda a finalidade de determinar a receptividade dos artesãos relativamente às Novas Tecnologias da Informação, mais concretamente ao comércio electrónico, bem como os conhecimentos que detém nesta área. Em seguida apresenta-se a análise estatística das questões efectuadas. 8. Da indagação sobre o interesse dos artesãos em criar o seu próprio negócio, constata-se que 62% estão interessados, mas 28% responde negativamente. Em 8% dos inquiridos tal questão não se aplica e em 2% já constitui o próprio negócio. 15. Relativamente ao modo como divulgam os seus produtos constata-se que a maioria o faz apenas através dos amigos (representam 44% do total dos artesãos inquiridos), 16% realiza-a por meio de feiras/exposições e 24% utiliza ambas as estratégias. Ainda 2% dos inquiridos respondem que a divulgação que efectuam é feita através dos amigos mas também utilizam os média. Há ainda 12% que o fazem através de instituições e 2% consegue tal através de prémios ou da Denominação de Origem Protegida. Contudo 4% dos inquiridos não pratica qualquer publicidade. 16. Quando inquiridos sobre quais são os seus principais clientes, 46% dos artesãos responde que estes são apenas os turistas, 32% apenas vende aos seus conterrâneos, e 10% vende a ambos. 8% dos artesãos responde que os seus principais clientes são os residentes na região e na proximidade desta. Os artesãos que conseguem ter estes três tipos de clientes correspondem apenas a 2% dos inquiridos. 17. Quanto às dificuldades sentidas pelos artesãos, só 2% dos inquiridos diz que não apresenta nenhumas, os restantes referem quase sempre inúmeras, assim relativamente ao - Escoamento dos produtos- este é apontado por 32% dos inquiridos; - A Falta de financiamento- é referida por 26% dos inquiridos, - A Inexistência de postos de comercialização e divulgação dos produtos- por 14% dos inquiridos; 20. Dos artesãos inquiridos, 40% considera ter muita vantagem a existência de um portal de divulgação e o comércio electrónico de artesanato contudo 34% entende que tal não tem nenhuma vantagem. Ainda 22% afirma que esta é suficiente e 10% que tem pouca vantagem.

dot Top


Objective

Text available in

Para o arranque desta acção 2, não se pretende que os objectivos já anunciados, aquando da realização da candidatura à acção 1, sejam alterados e demovidos, muito pelo contrário, o que se pretende é dar mais ênfase a esses e simultaneamente aprofundá-los, indicando - se outros que foram realçados ao longo da acção 1. A acção 1, permitiu-nos amadurecer de uma forma mais acentuada a ideia de projecto que tínhamos. A experiência é muito útil para que se consiga realizar os objectivos esperados. Gostávamos de realçar outra situação, que entendemos ser muito importante, que é o trabalho em parceria, um novo modelo de parceria que se criou com o EQUAL parece-nos ser de todo relevante para este processo, pois as regras impostas em relação à parceria, obrigou mesmo que os parceiros trabalhassem em equipa, pois todos trabalham para objectivos comuns e todos têm os seus interesses neste projecto. Agora parar responder directamente à questão, referíamos como principal objectivo, embora não sendo um objectivo directo, uma vez que não é aquele que se atingirá directamente, é um objectivo transversal a todos os parceiros e todas as actividades do projecto que é o desenvolvimento económico e social da região onde nos inserimos. Para além deste objectivo, falando de objectivos mais concretos, como a promoção do emprego, pois pretende -se qualificar as competências do grupo alvo quer numa vertente quer noutra. pretende-se igualmente actuar ao nível de incentivo para as mulheres e artesãos constituírem as suas próprias oportunidades de negócios. O incentivo à criação de empresas, engloba igualmente, a assistência que a parceria pretende dar ao publico- alvo. Já em relação ás artesãs e aos artesãos o apoio passará não só pela criação de empresas ou outras formas jurídicas, pois os grupos de artesanato conseguem outras regalias que os individuais não têm, como por exemplo subsídios, cedência de espaços, etc.

dot Top



Logo EQUAL

Home page
DP Search
TCA Search
Help
Set Language Order
Statistics