IMPORTANT LEGAL NOTICE
 

 NÓS - Iniciativas Integradas e Integradoras de Orientação-Formação-Inserção ascii version

Portugal

 
DP Managing organisation : Associação Nacional de Oficinas de Projecto-Desenvolvimento e Educação
Other national partners : ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PAÇOS DE FERREIRA
COMOIPREL - Cooperativa Mourense de Interesse Público de Responsabilidade Limita
Centro de Formação Profissional da Industria de Calçado
IDIT - Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica
SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SÃO JOÃO DA MADEIRA
Sindicato dos Operarios da Industria de Calçado, Malas e Afins dos Distritos de
EQUAL theme :Employability - (Re-)integration to the labour market 
Type of DP :Geographical - Other - NORTE, ALENTEJO 
DP Legal status :Association without legal form 
DP identification :PT-2004-041 
Application phase :Approved for action 2 
Selection date :08-08-2005 
Last update :09-04-2008 
Monitoring: 2005  2006   

Rationale

Text available in

- Raised demand and necessity of school and professional certification; to the level of the addressees motivation for the installation of the processes of (re)insertion was denoted, wants through the job wants for the small enterprise initiatives; Consciousness of the necessity of correspondence between the professional profile desired and the abilities acquired and recognized Links in the system exists in the diagnoses localities; Availability of the local institutions for the accomplishment of projects in partnership; Existence of two subsystems of certification (school and professional) with proven abilities; straiten partnership with the CFPIC; Accumulated experiences of functioning in equip that it is expressed a Know-how that holds abilities for the intervention next to the individuals and of the community; Potentialities: Creation of structure that allows the " free attended service", facilitating the autonomy of the addressees in the drawing of the proper courses of (re)insertion; to available ways and means that promotes the initiative or the job or enterprise, maintain for the continued support to the long courses OFI; To develop abilities of links of activities and strategically programming of the local development; Chance to draw and to try a reply of double certification; Consolidation of the acquired abilities and development of new abilities implied in the deepening of innovative devices., - Accented growth of the unemployment taxes (sectaries and of territorial concentration) alternative answers are in reduced number and access made it difficult for the incapacity to propagate information; It offers existing is worried more about the professional formation or with school certification, relinquishing the acquisition of basic abilities to the personal and social level; Links in the system exists but the communication between the entities is not guaranteed by this methodology of work, verifying itself many times formal partnerships only in the paper; necessity of bigger interconnection of the processes of support to the Reinsertion with the work market (mediation for the insertion); Extreme division into the compartments of the subsystems acquired certifiers of; Lack of communication between the diverse spaces and alternative courses of learning due to moments of joint reflection; Fracture of the systems of education, formation and job caused for equip of entertainers of formation with techniques abilities to parcel out and little including; Difficulty of the equip of formation to the level of flexibility, pluridisciplined and autonomy; absence of abilities for the communitarian intervention. Threats: Necessity to personalize the answers versus large number of unemployed; Absence of personalized answers that allow the one creation of individuality project of (re)insertion; Inadaptation of the devices of information face to the addressees; Assurance of the autonomy in the done choices over all for the public more weakness, to the level of courses OFI; Risk to perpetuate dependent forms of joint of relations of local power; Risk of not confrontation between personal expectations and real capacities of adaptation the specific labour contexts. Risk of concentration of the processes of double certification in the state structures; limitation of the action field of the centers of RVCC and the freedom of choice of the candidate; Not exploitation of the Know-how of the two subsystems for the common end - double certification; Sub-exploitation of the possible synergies to the level of the interventions techniques and communitarian.

dot Top


Objective

Text available in

The NÓS project’s goal consists in the efficient and the sustainable support to the professional integration of particularly disadvantaged social groups in the Portuguese society and in the raise of their employment.The efficiency and the sustainability of these processes settles firstly on the auto-managed participation by the participants in the supporting activities,that is,the search’s must prevail the offer’s logic.The question is to create the conditions that permit the making of professional re-integration and employment courses,based on the selective using of actions of an open system that integrates a diversity of modalities and activities at disposal to the potential users–the AUTONOMUS–an integrated system to support professional re-integration and employment. Its range of availability should facilitate the self-construction of autonomous courses.Its functioning is based on concepts such as an attended free-service of information and counselling;the self-guided training;the self-constructed skills portfolio;the work in a vocational training workshop and the creation of autonomous enterprising activities,among others.The organisation of this system foresees figures like the professional integrating Purveyor and the shared management of courses. The system disposes activities in fundamental areas such as:reception, guidance, training,certification of experience acquired knowledge, employment and self-employment.There is a range of proposals in each of these areas and all of them are marked by the flexibility and a reduced dependency of others in its use. Many of the activities at disposal are assured by a partners net.The synchronisation in the act of the courses management is fundamental.The establishment in the partnership and in the co-operation makes this a risky system but on the other hand this makes it richer because the system settles on the action of truly specialised entities which have several cultures developing the services near the users. In the NÓS project’s field there will be experimented activities that permit to structure three ways for the AUTONUMUS functioning:one generalist, to the disadvantaged public in general,another near women in a particular social fragile situation and the third near specially needed territories that need to adjust professional re-integration processes to its reality. The whole architecture of the system that seeks to favour the personal autonomy and the development of its users settles in a triple strategy:the users autonomy, a strong net and co-operation work of the suppliers and the active complicity of the local political,social,entrepreneurial and cultural community. The NÓS is particularly marked by three innovating challenges:the double certification of experience acquired knowledge,the micro-credit settled on the local community and on the active citizenship and the empowerment with figures like the professional integrating Purveyor and the shared management of courses.

dot Top


Innovation


Nature of the experimental activities to be implemented Rating
Integrated measures (pathway to integration) ****
Training of teachers, trainers and staff ****

Type of innovation Rating
Process-oriented ****
Goal-oriented ****

dot Top


Budget Action 2

500 000 – 1 000 000 €

dot Top


Beneficiaries


Assistance to persons 
Unemployed  55.0%  25.0% 
Employed  5.0%  5.0% 
Others (without status, social beneficiaries...)  10.0%  0.0% 
  100.0% 
 
Migrants, ethnic minorities, …  0.0%  0.0% 
Asylum seekers  0.0%  0.0% 
Population not migrant and not asylum seeker  70.0%  30.0% 
  100.0%
 
Physical Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Illness  0.0%  0.0% 
Population not suffering from a disability  70.0%  30.0% 
  100.0% 
 
Substance abusers 0.0%  1.5% 
Homeless  0.0%  0.0% 
(Ex-)prisoners  0.5%  1.0% 
Other discriminated (religion, sexual orientation)  0.0%  0.0% 
Without such specific discriminations  69.5%  27.5% 
  100.0% 
 
< 25 year  5.0%  4.5% 
25 - 50 year  50.0%  17.5% 
> 50 year  15.0%  8.0% 
   100.0% 

Assistance to structures and systems and accompanying measures Rating
Gender discrimination **
Support to entrepreneurship **
Low qualification **
Unemployment ***

dot Top


Empowerment

 

 With beneficiaries

Participation
Promoting individual empowerment
Developing collective responsibility and capacity for action
Participation in the project design
Participation in running and evaluating activities
Changing attitudes and behavior of key actors

 

 Between national partners

N.C.

dot Top


Transnationality

 

 Linguistic skills

  • português

 Percentage of the budget for transnational activities

  • 0.2%

 Transnational Co-operation Partnerships

Transnational Co-operation Agreement DPs involved
3554 PARCOURS PLURIELS BEfr 59
ES ES20040337
FR LGR-2004-42674
IT IT-G2-CAM-124

dot Top


Background

 

N.C.

dot Top


Networking

 Interest in networking

Text available in

Autonomus Quiosque da Vida Activa RVCC Integrado – Dupla Certificação Balanços Netquiosque VAMOS Entidade com um perfil de agência de desenvolvimento, com uma elevada polivalência de domínios de actuação (informação, aconselhamento e assistência técnica) sendo pré-requisito que seja responsável pelo funcionamento de um CNO e que apresente as condições técnicas e organizativas essenciais para a realização de Balanços de Competências: Importa ainda que dinamize uma plataforma colaborativa e pontos de informação itinerantes. Oficina Trevo VAMOS IPSS ou associação com particular motivação e experiência de trabalho com mulheres particularmente desfavorecidas. Entidades com o perfil da Santa Casa da Misericórdia, Cruz Vermelha ou similares. Oficina Espiga VAMOS Entidades do universo sindical, com particular influência em grupos de desempregados cuja situação de desemprego é resultado de despedimentos colectivos. Federações, uniões e sindicatos. Oficina Micronegocios VAMOS Associações com intervenção junto de grupos de desempregados particularmente descriminados tais como: ex-reclusos. Imigrantes; minorias étnicas, adultos portadores de deficiência, com capacidade e experiência no aoio à criação de empresas e de soluções de auto-emprego.

 Events

Text available in

Autonomus Quiosque da Vida Activa RVCC Integrado – Dupla Certificação Balanços Netquiosque VAMOS Entidade com um perfil de agência de desenvolvimento, com uma elevada polivalência de domínios de actuação (informação, aconselhamento e assistência técnica) sendo pré-requisito que seja responsável pelo funcionamento de um CNO e que apresente as condições técnicas e organizativas essenciais para a realização de Balanços de Competências: Importa ainda que dinamize uma plataforma colaborativa e pontos de informação itinerantes. Oficina Trevo VAMOS IPSS ou associação com particular motivação e experiência de trabalho com mulheres particularmente desfavorecidas. Entidades com o perfil da Santa Casa da Misericórdia, Cruz Vermelha ou similares. Oficina Espiga VAMOS Entidades do universo sindical, com particular influência em grupos de desempregados cuja situação de desemprego é resultado de despedimentos colectivos. Federações, uniões e sindicatos. Oficina Micronegocios VAMOS Associações com intervenção junto de grupos de desempregados particularmente descriminados tais como: ex-reclusos. Imigrantes; minorias étnicas, adultos portadores de deficiência, com capacidade e experiência no aoio à criação de empresas e de soluções de auto-emprego.

 Products

N.C.

Last update: 08-08-2005 dot Top


National Partners


Partner To be contacted for
Associação Nacional de Oficinas de Projecto-Desenvolvimento e Educação Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PAÇOS DE FERREIRA
COMOIPREL - Cooperativa Mourense de Interesse Público de Responsabilidade Limita
Centro de Formação Profissional da Industria de Calçado
IDIT - Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica
SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SÃO JOÃO DA MADEIRA
Sindicato dos Operarios da Industria de Calçado, Malas e Afins dos Distritos de

dot Top


Agreement Summary

Text available in

Resumo do Acordo de PD Os parceiros acordam: 1. Objectivos comuns 1.1 Desenvolver em conjunto o projecto acima referenciado, cujo diagnóstico, objectivos, actividades, resultados e processo de avaliação, e plano de financiamento se descrevem no formulário de candidatura à acção 2. 2. Estruturas e processo de funcionamento da Parceria 2.1 Criar à partida as seguintes estruturas de gestão e funcionamento: O Comité de Direcção:representantes das entidades membros da parceria com poder de decisão nos assuntos relacionados com o projecto.Nesta estrutura cada entidade poderá, por opção própria, fazer-se representar por vários dirigentes,até ao máximo de três, sendo que cada entidade disporá de apenas um voto.O CD reunirá trimestralmente sendo obrigatória em cada reunião uma avaliação do desenrolar do projecto face aos objectivos estabelecidos.As opções de reformulação de estratégias, os reajustamentos orçamentais e as decisões de fundo sobre a Parceria Transnacional são do âmbito de decisão do Comité de Direcção. O secretariado da PD:um representante executivo de cada entidade membro da PD. Trata-se de um órgão de coordenação executiva.Deve reunir mensalmente,física ou virtualmente (a distância).Monitoriza o projecto e avalia a execução. Prepara as acções de cooperação e assegura a articulação das actividades entre os parceiros.Estabelece as ligações entre a actividade nacional e o Secretariado Transnacional. Os Grupos de Trabalho temático:estrut/ de cooperação entre os diversos membros da parceria cujo objectivo é a produção colectiva sobre temas que são transversais aos diversos parceiros.A liderança de cada grupo deverá recair sobre a entidade que desempenha o papel central na acção em causa.Os métodos de trabalho poderão ser específicos a cada grupo de trabalho e espera-se que na diversidade se encontrem bases de trabalho criativos e produtivos. Redes de equipas de trabalho:as equipas locais terão uma preocupação de desenvolver localmente as actividades previstas nos planos de acção e de atingir os objectivos.No entanto uma plataforma de cooperação inter-equipas será estabelecida para facilitar e favorecer o trabalho em rede e a cooperação entre os agentes directos do trabalho de terreno.A plataforma em causa ser a de base electrónica mas poderá assumir um quadro de encontro directo e pessoal se os temas em debate ou experimentação,o justificarem. (cont.abaixo) 2.2 Implementar o seguinte processo de tomada decisão (destacar nomeadamente processos de dos parceiros, mecanismos que promovam a igualdade de género, etc.): A tomada de decisão na Parceria de Desenvolvimento obedece a vários processos de organização e de cooperação de níveis muito diferenciados. O primeiro plano reporta à contratualização. Nesta matéria as peças centrais são: - o Acordo de Cooperação que estabelece os compromissos formais na parceria - o Plano de Acção por parceiro, que sistematiza a participação de cada parceiro com os seus objectivos e recursos específicos - os Cadernos de Encargos das acções transversais que clarificam os objectivos e a cooperação esperada de cada parceiro para objectivos comuns a toda a parceria - o Caderno de Encargos da avaliação externa O segundo plano reporta ao sistema de coordenação de actividades que terá a seguinte configuração: - realização de dossiês específicos sobre cada uma das actividades programadas no domínio particular dos processos de investigação - realização de Planos de Acção por actividade no domínio dos processos de Experimentação - realização de relatórios no domino dos processos de avaliação, intercalares e finais O terceiro plano prende-se com os métodos de tomada de decisão. - passo um: consulta aos interessados e formalização das opiniões - passo dois: preparação de dossiê para decisão - passo três: debate das estruturas de direcção/coordenação; decisão colegial. - passo quatro: validação de decisões pelas entidades membros da parceria nos casos de temas de importância estratégica - passo cinco: confirmação das decisões a nível das estruturas executivas - passo seis: divulgação das decisões tomadas. A preocupação central dos processos de decisão em contexto de parceria de cooperação prende-se com a colegiabilidade e com o sentido de consenso ou seja a afirmação de processo unitários e convergentes em detrimento de opções fracturantes. 2.3 Assegurar a transparência da informação interna relativa ao projecto e à parceria, que será disponibilizada a todos os parceiros da seguinte forma ( ex. recurso às TIC...): (cont anterior) Coord/ administrativa e financeira:os responsáveis das áreas administrativas e financeiras articularão directamente as questões da execução física do projecto e as vertentes prestação de contas e elaboração das DMDs. Equipa de Avaliação:os avaliadores externos representarão uma estrutura autónoma da estrutura de gestão e funcionamento. Assegurar a transparência da informação interna relativa ao projecto e à parceria, que será disponibilizada a todos os parceiros de seguinte forma: - quanto ao projecto: através do web site que será estruturado para o efeito, prevendo-se que forneça informações actualizadas sobre a actividade de cada parceiro e sobre cada pólo de actividade, nas diversas vertentes; através dos sites de cada parceiro que passarão a incluir informações e dados sobre o projecto. através de relatórios de actividades que deverão ser apresentados por ocasião das reuniões do Comité de Direcção através dos relatórios específicos dos grupos de trabalho temático através das sessões públicas e das actividades dirigidas à comunicação social e aos potencias futuros disseminadores dos produtos a serem desenvolvidos. - quanto à parceria através das comunicações relativas às reuniões a realizar, com agendas claras, devidamente preparadas e divulgadas com antecedência ( informar os temas da reunião; as decisões que deverão ser tomadas; a duração da reunião; os temas desde já previstos para a reunião seguinte); através das actas das reuniões realizadas com as conclusões e as decisões tomadas e os respectivos responsáveis pela execução. através da informação da participação em acontecimentos e eventos quer a nível nacional quer ainda a nível da parceria ou outros acontecimentos transnacionais. Nesta matéria informar sobre aspectos operacionais mas também sobre conteúdos e estratégias. Não hesitar em divulgar documentos e outros elementos que sirvam para uma informação mais qualitativa dos acontecimentos e das actividades. 2.4 Assegurar que a difusão pública dos resultados do projecto, finais ou provisórios, só será efectuada após anuência do(s) parceiro(s) envolvido(s) na sua concepção. 3. Recursos técnicos 3.1 Assegurar estabilidade nos recursos técnicos afectos ao projecto. 4. Ajustamento da parceria 4.1 Proceder ao ajustamento da parceria, à saída ou entrada de novos parceiros, ou eventual revisão deste Acordo, nomeadamente se a avaliação do projecto o indicar como necessário.

Last update: 09-04-2008 dot Top


Associação Nacional de Oficinas de Projecto-Desenvolvimento e Educação

(ANOP)
RUA DR. ELISIO DE CASTRO, N.º 83
-
P-4520-213-SANTA MARIA DA FEIRA Santa Maria da Feira

Tel:+351256289350
Fax:256289351
Email:-

 
Responsibility in the DP: Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
Type of organisation:Education / training organisation
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ENTRE DOURO E VOUGA
Date of joining / leaving:13-04-2004 /

Text available in

A Associação Nacional de Oficinas de Projectos foi constituída em Março de 1999 tendo como sócios fundadores a Associação Comercial e Industrial de Amarante, a Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca, a FEDESPAB – Fundação para o Ensino e Desenvolvimento de Paços de Brandão, a PROBARROSO – Associação para o Desenvolvimento do Barroso, a TECMINHO, Associação Universidade-Empresa para o Desenvolvimento, o CISAVE, Escola Profissional para o Comércio, Indústria e Serviços do Vale do Ave, a Escola Profissional de Agricultura de Vagos, a CEAL, Confederação dos Empresários do Algarve e associados individuais, técnicos com comprovada experiência de trabalho no âmbito da educação e formação de adultos, nomeadamente na concepção, implementação e desenvolvimento do modelo formativo “Oficina de Projectos”, designação esta constituída como marca registada para o contexto nacional publicada no boletim do INPI em Dezembro de 2001. MISSÃO:Agir em favor do desenvolvimento das comunidades locais e das pessoas por forma a contribuir para uma cidadania mais activa, a solidariedade e a coesão social e para novas perspectivas para o desenvolvimento integrado e sustentável na sociedade contemporânea. ACTIVIDADE:Promove e apoia iniciativas de desenvolvimento local e regional, actividades de educação e formação profissional da população activa, empregada, desempregada ou em risco de desemprego e a iniciativa empresarial através do recurso a vários dispositivos tais como: Oficinas de Projectos e Casas da Iniciativa Local, Agência de Balanço de Competências e o Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Fernanda Maria Parente de Oliveira Marques Fernanda +351256289350 fmarques.anop@mail.telepac.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-04-2008 dot Top


ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PAÇOS DE FERREIRA

(AEPF)
PARQUE EXPOSIÇÕES CAPITAL MÓVEL, AP. 132
-
P-4590-000-(Desconhecida) Paços de Ferreira

Tel:+351255862116
Fax:255862115
Email:dfp@capitalmovel.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Chamber of commerce/industry/crafts
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:TAMEGA
Date of joining / leaving:27-04-2004 /

Text available in

A Associação Empresarial de Paços de Ferreira, entidade sem fins lucrativos, nasceu da necessidade de apoio sentida pelas indústrias da região, que se caracterizam sobretudo pela sua reduzida dimensão. Em 1992 iniciou-se a construção de uma instalação polivalente, designada por “Parque de Exposições da Capital do Móvel”, constituída por um auditório com capacidade para 187 pessoas sentadas, 9 salas de formação, cave e nave de exposições com aproximadamente 3.200 m2 e diversas salas destinadas aos serviços administrativos. Desde a sua criação a AEPFdesenvolve várias actividades, tais como: • Realização das feiras onde participam anualmente cerca de 250 expositores, sendo o número de visitantes de cerca de 100.000, donde se destacam os certames direccionados para o mobiliário de madeira, tais como: a “Capital do Móvel” e a “Promóvel”; • Realização de concursos de Design de Mobiliário; • Cursos de Formação Profissional, Seminários e Acções não especificadas destinadas a Empresários, Quadros Médios e Superiores, Operários Indiferenciados e Pessoal Administrativo; • Participação frequente em eventos internacionais (missões empresariais, participação em feiras, show-rooms,...); • Apoio técnico às empresas nas mais diversas áreas mediante consultores de reconhecido mérito.” Missão Criar, participar e promover o desenvolvimento integrado das empresas, de forma a sustentar o crescimento sócio-económico de toda a região, reforçando o espírito associativo. Valores • Competência; • Profissionalismo; • Ética e Transparência; • Relação de parceria/confiança; • Aposta no indivíduo, sem esquecer a melhoria das condições do meio sócio-económico e cultural.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
José Paulo Ribeiro Dinis da Costa José +351252859114 pdinis@profisousa.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-04-2008 dot Top


COMOIPREL - Cooperativa Mourense de Interesse Público de Responsabilidade Limita

(COMOIPREL)
Praça Sacadura Cabral - Edificio Paços Concelho
-
P-7860-121-MOURA Moura

Tel:+351285251240
Fax:285251774
Email:comoiprel@comoiprel.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Education / training organisation
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:BAIXO ALENTEJO
Date of joining / leaving:19-04-2004 /

Text available in

A Comoiprel – Cooperativa Mourense de Interesse Público de Responsabilidade Limitada foi criada em 1986, por iniciativa autárquica com o envolvimento de alguns particulares sendo assim uma régie–cooperativa. O seu objectivo é “o desenvolvimento sócio-económico e cultural do concelho de Moura”, e o seu objecto social o “ Principais Áreas de Intervenção e Actividades Desenvolvidas Escola Profissional de Moura Curso de Hotelaria/Restauração Curso de Técnico de Gestão do Ambiente Técnicos de Turismo/Profissionais de Informação e Animação Turística Técnicos Mecânica - Energias Alternativas Técnico Auxiliar de Infância; Dinamizadora a nível local do Projecto “Margens de Desenvolvimento”, da Iniciativa Comunitária EQUAL. 6 Acções de Formação no âmbito do Programa Escola-Oficina; Empresa de Inserção; Realização de diversos Colóquios e Seminários Parceria da Comoiprel com o Instituto Superior de Serviço Social de Beja na Pós-Graduação Académica em Projectação Social; Realização de 4 acções de formação Inicial Pedagógica de Formadores; Parceria de desenvolvimento do Projecto EQUAL; Projecto “Rota das Memórias”, no âmbito do Leader+; Aprovação Centro de Recursos em Conhecimento (no âmbito do POEFDS); Certificação Homologação e aprovação para ministrar acção Inicial Pedagógica de Formadores Acreditada pelo INOFOR, desde 16 de Março de 2004 Participações Externas Membro da CLA’S do RSI do Concelho de Moura e Barrancos Membro da Rede Social do Concelho de Moura Membro do Conselho Municipal de Educação (CME); Membro da Unidade de Gestão do Leader+ Contactos: Sede Social: Praça Sacadura Cabral 7860 Telefone:285251240| Fax:285251774 E-mail: comoiprel@netc.pt



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
ANTÓNIA DE JESUS VILAR BAIÃO ANTÓNIA +351285251240 comoiprel@netc.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-04-2008 dot Top


Centro de Formação Profissional da Industria de Calçado

(CFPIC)
Rua da Devessa Velha
-
P-3700-099-SÃO JOÃO DA MADEIRA São João da Madeira

Tel:+351256830300
Fax:256830368
Email:director@cfpic.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Education / training organisation
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ENTRE DOURO E VOUGA
Date of joining / leaving:22-04-2004 /

Text available in

O CFPIC é o Centro de Formação Profissional da Indústria de Calçado, criado em 23 de Dezembro de 1965 ao abrigo de um protocolo assinado entre os actuais Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), a Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes e artigos de pele e seus sucedâneos (APICCAPS) e o Sindicato dos Operários da Indústria de Calçado, Malas e Afins do Distrito de Aveiro (SOICA). Nasceu fruto da necessidade sentida pela Indústria de mão de obra especializada para o sector. No ano de 2003 tiveram formação neste Centro 639 pessoas distribuídas por várias modalidades de formação: Qualificação inicial e reconversão ……………… 61 Formação de activos ……………………………. 179 Aprendizagem ……………………………………312 Formação à medida das empresas ………………. 72 Formação de Formadores ……………………….. 15 E distribuídos por vários domínios tais como: Encarregados, Manutenção, Operadores polivalentes de Calçado, Costura, Modelação de Calçado, Estilistas de Calçado, Técnicos de Informática, Afinador de Máquinas, Técnico de Electrónica, Técnico Comercial, Informática, Operadores de CAD/CAM, Formação de Formadores. O volume de formação foi no mesmo ano de 380 964 horas. A oferta formativa do Centro é de mais de 30 cursos diferentes para além da formação à medida feita para as empresas.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Eduardo Manuel Simões da Costa Eduardo +351224647564 director@cfpic.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-04-2008 dot Top


IDIT - Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica

(IDIT)
Rua do IDIT, Espargo
-
P-4520-102-ESPARGO Santa Maria da Feira
-

Tel:+351256370100
Fax:256370183
Email:info@idit.up.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:University / Research organisation
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ENTRE DOURO E VOUGA
Date of joining / leaving:12-11-2007 /

Text available in

O objectivo do IDIT é promoção do desenvolvimento e da inovação tecnológica no tecido empresarial envolvente através da introdução de novas tecnologias, nomeadamente as da produção, da informação e do ambiente. Actividades: -O conhecimento da realidade industrial envolvente e dos seus problemas, e nomeadamente das estratégias sectoriais e globais de desenvolvimento, -O domínio das tecnologias alvo e a demonstração da capacidade de as utilizar, -O funcionamento em rede com as instituições nacionais e estrangeiras mais relevantes, -A realização de actividades de formação e treino, -A prestação de serviços com recurso às tecnologias existentes, -A participação em projectos de I&DT, nomadamente internacionais, tendo se possível como parceiros empresas nacionais interessadas nos objectivos desses projectos, -A participação e organização de parcerias orientadas para a resolução de problemas concretos de D&IT ao nível das empresas, -A disseminação da informação.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Francisco José de Oliveira Restivo Francisco +351256370100 fjr@fe.up.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-04-2008 dot Top


SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SÃO JOÃO DA MADEIRA

(SCMSJM)
RUA MANUEL LUIS LEITE JUNIOR
-
P-3700-183-SÃO JOÃO DA MADEIRA São João da Madeira
-

Tel:+351256837240
Fax:256837299
Email:vitor@misericordiasjm.org

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Social services
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ENTRE DOURO E VOUGA
Date of joining / leaving:12-11-2007 /

Text available in

A Misericórdia é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, com estatutos reconhecidos pela jurisdição civil e canónica, fundada em 1921 para assumir a propriedade e gestão de um hospital. A partir de 1975 a Misericórdia orienta as suas actividades para sectores tradicionais da Acção Social sendo concluído em 1981 o Lar de Idosos. A área da Infância e Juventude é outra das vertentes de intervenção da Misericórdia. O antigo “Asilo-Escola” e o serviço de Creche posteriormente aberto dão lugar em 1984 ao Abrigo Infantil das Laranjeiras, capaz de albergar 150 menores, entre frequentadores da Creche e do ensino Pré-Escolar. Em 1990 acrescenta-se a gestão do Centro Infantil, antiga dependência do Instituto de Obras Sociais, com outras 210 crianças. Em 1992 a Misericórdia abre um Centro de Acolhimento dirigido a menores em risco de desenvolvimento psico-social condicionado e em 1999 entrou em funções uma Equipa de Intervenção Directa – Equipas de Rua - para referenciação e caracterização de toxicodependentes bem assim induzindo à mudança de comportamentos, com vista ao tratamento. Iniciou funções, também, um Gabinete de Apoio Psicossocial a Seropositivos que pretende identificar e encaminhar casos, apoiar situações de carência económica e debilidade psicossocial, extravasando a ajuda às famílias dos assistidos. Estas duas valências enformam “O Trilho” que deverá receber brevemente um Centro de Dia para indivíduos abstinentes de consumo.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Vitor Manuel Simões Gonçalves Vitor +351256837243 vitor@misericordiasmj.or Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-04-2008 dot Top


Sindicato dos Operarios da Industria de Calçado, Malas e Afins dos Distritos de

(SOICMADAC)
Av. Benjamin Araújo nº 113
-
P-3700-060-SÃO JOÃO DA MADEIRA São João da Madeira
-

Tel:+351256835831
Fax:256835842
Email:sindcalc@mail.telepac.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Trade Union
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ENTRE DOURO E VOUGA
Date of joining / leaving:12-11-2007 /

Text available in

O Sindicato dos Operarios da Industria de Calçado, Malas e Afins dos Distritos de Aveiro e Coimbra constituiu-se em Setembro de 1975 fruto da democratização do país e do movimento de organização sindical dos trabalhadores portugueses iniciadas com o 25 de Abril de 1974. Desde a sua fundação até hoje o Sindicato tem desenvolvido, em paralelo com as actividades que constituem o centro da sua missão e objecto, e que são a defesa dos interesses dos trabalhadores do calçado, um intenso trabalho de apoio às mulheres operárias do sector que constituem a larga maioria dos seus associados.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Maria Fernanda Alves Santos Moreira Felix Maria +35156835831 sindcalc@mail.telepac.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-04-2008 dot Top



 
 
 
 

 
 
 
 

 
 
 
 
Warning! This section is not meant to be read directly, but rather be navigated through from the main page above.
 
 
 
 

NOS - INICIATIVAS INTEGRADAS E INTEGRADORAS DE ORIENTACAO-FORMACAO-INSERCAO

Rationale

Text available in

- Elevada procura/necessidade de certificação escolar e profissional; ao nível dos destinatários denotou-se motivação para a assunção dos processos de (re)inserção, quer através do emprego quer pelas pequenas iniciativas empresariais;consciencialização da necessidade de correspondência entre o perfil profissional desejado e as competências adquiridas/reconhecidas;existe articulação em rede nas localidades diagnosticadas;disponibilidade das instituições locais para a realização de projectos em parceria;existência de dois sub-sistemas de certificação (escolar/profissional) com competências comprovadas; parceria estreita com o CFPIC; experiências acumuladas de funcionamento em equipa que se traduz num know-how que comporta competências para a intervenção junto dos indivíduos e da comunidade;- oportunidades: Criação de estrutura que permita o “livre serviço assistido”, facilitando a autonomia dos destinatários no desenho dos próprios percursos de (re)inserção ;Disponibilizar meios que promovam a iniciativa empresarial ou o emprego, sustentado pelo apoio continuado ao longo dos percursos OFI; desenvolver competências de articulação de actividades e de programação estratégica do desenvolvimento local;oportunidade de desenhar/experimentar uma resposta de dupla certificação. , - Acentuado crescimento das taxas de desemprego (sectoriais e de concentração territorial); respostas alternativas são em número reduzido e acesso dificultado pela incapacidade de veicular informação;oferta existente preocupa-se mais com a formação profissional ou com a certificação escolar, descurando a aquisição de competências básicas ao nível pessoal e social; articulação em rede existe mas a comunicação entre as entidades não é garantida por esta metodologia de trabalho, verificando-se muitas vezes parcerias formais apenas no papel; necessidade de maior interligação dos processos de apoio à reinserção com o mercado de trabalho (mediação para a inserção);excessiva compartimentação dos sub-sistemas certificadores de adquiridos; falta de comunicação entre os diversos espaços e percursos alternativos de aprendizagem por falta de momentos de reflexão conjunta;fractura dos sistemas de educação, formação e emprego ocasionada por equipas de animadores da formação com competências técnicas parcelares e pouco abrangentes;dificuldade das equipas de formação ao nível da flexibilidade, pluridisciplinaridade e autonomia ; ausência de competências para a intervenção comunitária; AMEAÇAS - Necessidade de personalizar as respostas vs. grande número de desempregados;ausência de respostas personalizadas que permitam a criação de um projecto individualizado de (re)inserção;inadequação dos dispositivos de informação face aos destinatários;comprometimento da autonomia nas escolhas feitas sobretudo pelos públicos mais fragilizados, ao nível dos percursos OFI; risco de perpetuar formas de articulação dependentes de relações de poder local; risco de não confrontação entre expectativas pessoais e reais capacidades de adaptação a contextos laborais específicos; risco de concentração dos processos de dupla certificação nas estruturas estatais; limitação do campo de acção dos centros de RVCC e da liberdade de escolha do candidato; não aproveitamento do know-how dos dois sub-sistemas para o fim comum – dupla certificação;Sub-aproveitamento das sinergias possíveis ao nível das intervenções técnicas e comunitárias.

dot Top


Objective

Text available in

A finalidade do projecto NÓS consiste no apoio eficaz e sustentável à re-inserção profissional e ao aumento da empregabilidade de grupos sociais particularmente desfavorecidos da sociedade portuguesa. A eficácia e a sustentabilidade dos processos radica em primeiro lugar na participação auto-gerida pelos participantes nas actividades de apoio, ou seja a lógica da procura deve prevalecer sobre a da oferta. Trata-se de criar condições para a realização de percursos de reinserção e empregabilidade (PRE) baseados em utilizações selectivas de acções num sistema aberto que integra várias modalidades e diversas actividades, que são colocadas à disposição de potenciais utilizadores. Trata-se do AUTONOMUS - Sistema Integrado de Apoio à Reinserção e Empregabilidade cuja “oferta de disponibilidades” deve facilitar a auto-construção de percursos autónomos. O seu funcionamento baseia-se, entre outros, em conceitos como: livre-serviço assistido de informação e aconselhamento; auto-formação tutoriada; portefólio de competências auto-construído; trabalho em oficina de formação; criação de actividades empresariais autónomas e a sua organização prevê figuras como o “Provedor de Inserção” e a gestão partilhada de percursos. O sistema disponibiliza actividades em áreas fundamentais como: acolhimento; orientação; formação; certificação de adquiridos pela experiência; emprego e auto-emprego. Em cada um destes campos apresenta uma efectiva diversidade de propostas, todas elas marcadas pela flexibilidade e por uma reduzida taxa de dependência de terceiros na sua utilização. Naturalmente que muitas das propostas de actividade disponíveis serão asseguradas por uma rede de parceiros cuja sincronização na actuação de apoio à gestão dos percursos é fundamental. O sistema é portanto um sistema de risco por assentar na partilha e na cooperação, mas surge como potencialmente mais rico por assentar na acção de entidades verdadeiramente especializadas e com culturas diversificadas na forma de desenvolver os serviços aos utilizadores. No quadro do projecto NÒS vão ser experimentadas actividades de forma a estruturar três modalidades de funcionamento do AUTONOMUS: uma generalista para públicos desfavorecidos em geral; uma segunda para mulheres socialmente fragilizadas e uma terceira para territórios em perda acentuada que precisam de ajustar à sua realidade os processos de reinserção profissional. Toda a arquitectura do sistema que pretende favorecer a autonomia e o desenvolvimento pessoal dos seus utilizadores assenta numa tripla estratégia: autonomia dos utilizadores, forte trabalho em rede e de cooperação dos fornecedores e cumplicidade activa da comunidade local, política, social, empresarial e cultural. Três desafios inovadores marcam particularmente o NÓS: dupla certificação dos adquiridos pela experiência; microcrédito assente na comunidade local e cidadania activa e empowerment com figuras como o Provedor de Inserção e a gestão partilhada de percursos.

dot Top



Logo EQUAL

Home page
DP Search
TCA Search
Help
Set Language Order
Statistics