IMPORTANT LEGAL NOTICE
 

 F.R.E.E - Formação Reabilitadora em Espaços Extremos ascii version

Portugal

 
DP Managing organisation : KAIRÓS - COOPERATIVA DE INCUBAÇÃO DE INICIATIVAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA CRL
Other national partners : CRESAÇOR - Cooperativa Regional de Economia Solidária
CÁRITAS AÇORES
CÁRITAS DA ILHA TERCEIRA
Direcção-Geral de Reinserção Social - DGRS - Direcção de Serviços de Reinserção
INSTITUTO DE ACÇÃO SOCIAL
EQUAL theme :Employability - (Re-)integration to the labour market 
Type of DP :Geographical - Other - ACORES 
DP Legal status :Association without legal form 
DP identification :PT-2004-013 
Application phase :Approved for action 2 
Selection date :14-09-2005 
Last update :09-04-2008 
Monitoring: 2005  2006   

Rationale

Text available in

- Jails’ level: Prison system receptiveness for the launch of an intervention on the issue at stake. Regular presence of organizations with a social performance in the prison setting. Organized net of educators that allow for an adequate follow up of the formal education in the prison setting. 1st, 2nd, and 3rd school levels and Professional Training Courses in the regional jail of Ponta Delgada. Voluntary work group, with teaching certification, is developing pedagogical and leisure activities in the complementary jail of Horta. Physical infrastructures favorable to the development of sports and leisure activities and Professional Training in the jails of Ponta Delgada and Angra do Heroísmo. Agents and organizations’ level: Professionals reveal to be strongly motivated for specialization. Agents’ recognition of the needs for training, and motivation for special training actions. Necessity to establish multidisciplinary zones for supervision and information sharing. National university system is interested in investing in the study and intervention on the issue. Target population’s level: Motivation revealed by 43% of prisoners to attend Professional Training Courses and continuing formal education, in order to engage in a worthwhile conviction time. Emotional support from the families of the prisoners. Prisoners’ spouses/partners are motivated and available for attending Professional Training. Increased intervention in the family field by specialized organizations in the Azores region. Personal and social skills program, carried out in the GPS project – 1st phase IC EQUAL, is available and easily adaptable to youngsters and adults in prison setting., - Jails’ level: Lack of Formal Education and Professional Training in the complementary jail of Horta and in the regional jail of Angra do Heroísmo. Prevalence of leisure activities lacking in creativity in the two regional jails and in the complementary jail of Horta. Agents’ level: The agents’ lack of technical training regarding the intervention on a population with such behavioral characteristics. Devaluation of the real importance of Professional Training of the imprisoned population originating in the prison officers corps. Insufficient coordination between the several professionals and institutions intervening in the prison setting (guards, instructors, educators, health professionals). Target population’s level: prisoners Prisoners’ inquiries show considerable level of low formal education (22% of illiteracy), conditioning the access to Professional Training Courses for qualified labor. Weak levels of mobilization and motivation to attend formal education and Courses of Professional Training are, at the moment, in Ponta Delgada’s jail, registered with a consequent high rate of drop outs. Unstable labor paths, precarious contract in the labor market, under qualified tasks and seasonal employments. Lack of Formal Education and Professional Training in the jails Horta and Angra do Heroísmo. Prevalence of leisure activities lacking in creativity. High evidence of personality disorders among the prisoners (82%). Prevalence of addictive behavior patterns. Target population’s level: Highly precarious economical situation in the family context of the prisoner. Low formal educational level and lack of professional qualification of spouses/partners, leading to a lack of autonomy of themselves and the family. Negative social and emotional impact on minor children. Community’s level: Low receptiveness of the community and the organizations to intervene in the prison system. Weak mobilization of voluntary work groups in the jails of Ponta Delgada and Angra do Heroísmo. Limited religious assistance.

dot Top


Objective

Text available in

The FREE project (Rehabilitation Training in Extreme Space) focuses on jail reality and its context (global imprisonment issues, family, organizations), and is based on a 3 axes model – vocational guidance/training/employment integration – aiming at the social integration of subjects imprisoned in the two regional jails of the Azores (Ponta Delgada and Angra do Heroísmo) and in the complementary jail of Horta. The main purpose is the prevention of further criminal offence through social and professional readaptation of subjects who suffer from a triple exclusion (social, professional, economical). Its pursue integrates the creation of a readaptation zone which is to be supportive of the process of vocational guidance/training/employment integration; training of the agents involved in dealing with subjects in a prison setting; the process of vocational guidance/training/employment integration is broaden to the ex-convicted and their families, in order to assure a global intervention; further more, a social marketing program is to be implemented as a strategy of professional integration, leading this population to conquer the labor market through the recruitment of an existing Net of Solidarity Economy Firms. The project will be based on a shared structure of management and evaluation, with a large participation component of the target population and the agents involved. The methods imply an integrated intervention that gathers organizations of a various action order (IAS, Kairós, IRS, DGSP, Cáritas), and develop into transnational partnerships. The collaboration of each organization is to be selected regarding its relevance to action, encouraging an enlarged net of support for a sustained mission on the issue. The 3 axes – vocational guidance/training/employment integration – favor the participation and the empowerment of the target group, through the elaboration of integrated individual plans, on one hand, and through professional certification, by validating skills and creating training curricula adapted to the specific characteristics of the population, on the other. The agents are to articulate on a permanent basis with the target group, in order to form working rings, carrying out a global diagnostic of needs and programming the action, which focuses on validation of skills and training. The prevalence of women involved in the prison setting, or in connection with a prisoner, present special needs for autonomy, this fact sets gender equal opportunities as a line of intervention in the process of vocational guidance/training/employment integration.

dot Top


Innovation


Nature of the experimental activities to be implemented Rating
Guidance, counselling **
Training ***
Work placement **
Job rotation and job sharing *
Employment aids (+ for self-employment) **
Integrated measures (pathway to integration) **
Employment creation and support **
Training of teachers, trainers and staff **
Conception for training programs, certification ***
Anticipation of technical changes **
Guidance and social services **
Awareness raising, information, publicity **
Studies and analysis of discrimination features **

Type of innovation Rating
Process-oriented ***
Goal-oriented ***
Context oriented **

dot Top


Budget Action 2

250 000 – 500 000 €

dot Top


Beneficiaries


Assistance to persons 
Unemployed  8.4%  16.7% 
Employed  27.0%  47.9% 
Others (without status, social beneficiaries...)  0.0%  0.0% 
  100.0% 
 
Migrants, ethnic minorities, …  0.0%  0.0% 
Asylum seekers  0.0%  0.0% 
Population not migrant and not asylum seeker  35.3%  64.7% 
  100.0%
 
Physical Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Illness  0.0%  0.0% 
Population not suffering from a disability  35.3%  64.7% 
  100.0% 
 
Substance abusers 0.0%  0.0% 
Homeless  0.0%  0.0% 
(Ex-)prisoners  2.8%  16.7% 
Other discriminated (religion, sexual orientation)  5.6%  0.0% 
Without such specific discriminations  27.0%  47.9% 
  100.0% 
 
< 25 year  2.4%  2.3% 
25 - 50 year  31.6%  56.7% 
> 50 year  1.4%  5.6% 
   100.0% 

Assistance to structures and systems and accompanying measures Rating
Support to entrepreneurship *
Disabilities *
Age **
Low qualification ***
Racial discrimination *
Religion or belief *
Unemployment **

dot Top


Empowerment

 

 With beneficiaries

Participation
Promoting individual empowerment
Developing collective responsibility and capacity for action
Participation in the project design
Participation in running and evaluating activities
Changing attitudes and behavior of key actors

 

 Between national partners

N.C.

dot Top


Transnationality

 

 Linguistic skills

  • português

 Percentage of the budget for transnational activities

  • 0.3%

 Transnational Co-operation Partnerships

Transnational Co-operation Agreement DPs involved
3787 BIP BEfr 57
IT IT-G2-TOS-046

dot Top


Background

 

N.C.

dot Top


Networking

 Interest in networking

Text available in

Em primeira análise, todas as organizações que possuem uma intervenção agregada ao sistema de Justiça, nomeadamente no que concerne ao contexto de reclusão e de reinserção social, constituem-se como potenciais utilizadores do produto em questão (ex: Direcção-Geral dos Serviços Prisionais, Direcção-Geral de Reinserção Social, outras instituições actuantes no contexto da Justiça,…). Numa óptica mais micro, constituir-se-ão como utilizadores do produto todos os funcionários dessas organizações que desempenhem funções de trabalho de proximidade, e consequentemente de potencial influência profícua, junto dos cidadãos em reclusão ou que se encontrem em cumprimento de um percurso de reinserção sócio-profissional. No entanto, atendendo à forma como decorreu o processo de construção e validação final do produto, e considerando as características, mais valias e objectivos do Relação.com, os seus conceptores defendem que a acção do produto pode ser alargada a outras organizações e contextos que intervenham com outros públicos em situação de exclusão social grave, desde que partilhem características e problemáticas típicas da população reclusa.

 Events

Text available in

Em primeira análise, todas as organizações que possuem uma intervenção agregada ao sistema de Justiça, nomeadamente no que concerne ao contexto de reclusão e de reinserção social, constituem-se como potenciais utilizadores do produto em questão (ex: Direcção-Geral dos Serviços Prisionais, Direcção-Geral de Reinserção Social, outras instituições actuantes no contexto da Justiça,…). Numa óptica mais micro, constituir-se-ão como utilizadores do produto todos os funcionários dessas organizações que desempenhem funções de trabalho de proximidade, e consequentemente de potencial influência profícua, junto dos cidadãos em reclusão ou que se encontrem em cumprimento de um percurso de reinserção sócio-profissional. No entanto, atendendo à forma como decorreu o processo de construção e validação final do produto, e considerando as características, mais valias e objectivos do Relação.com, os seus conceptores defendem que a acção do produto pode ser alargada a outras organizações e contextos que intervenham com outros públicos em situação de exclusão social grave, desde que partilhem características e problemáticas típicas da população reclusa.

 Products

N.C.

Last update: 14-09-2005 dot Top


National Partners


Partner To be contacted for
KAIRÓS - COOPERATIVA DE INCUBAÇÃO DE INICIATIVAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA CRL Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
CRESAÇOR - Cooperativa Regional de Economia Solidária
CÁRITAS AÇORES
CÁRITAS DA ILHA TERCEIRA
Direcção-Geral de Reinserção Social - DGRS - Direcção de Serviços de Reinserção
INSTITUTO DE ACÇÃO SOCIAL

dot Top


Agreement Summary

Text available in

Resumo do Acordo de PD Os parceiros acordam: 1. Objectivos comuns 1.1 Desenvolver em conjunto o projecto acima referenciado, cujo diagnóstico, objectivos, actividades, resultados e processo de avaliação, e plano de financiamento se descrevem no formulário de candidatura à acção 2. 2. Estruturas e processo de funcionamento da Parceria 2.1 Criar à partida as seguintes estruturas de gestão e funcionamento: Conselho de Cooperação – Reúne semanalmente (1 em Ponta Delgada, 1 em Angra do Heroísmo e 1 na Horta) visando a participação e a tomada de decisões relativas à operacionalização do FREE envolvendo o grupo alvo, agentes e coordenadores; Unidade de Gestão Técnica - Reúne semanalmente (1 por Centro de Apoio à Reabilitação ) visando o estudo de casos, avaliação da acção, preparar a execução de acções do Projecto, organizar circuitos de formação de agentes, etc. Agrega todos os profissionais associados ao FREE e cordenadores/dirigentes das organizações da PD Unidade de Gestão Global – Reúne mensalmente (uma única estrutura) Agrega os dirigentes máximos de cada organização agregada à PD (em funções nos Açores) e representantes dos agentes. Compete-lhe a interligação com a EQUAL, a ligação transnacional, acompanhar o plano de execução financeiro, divulgar resultados, etc. 2.2 Implementar o seguinte processo de tomada decisão (destacar nomeadamente processos de dos parceiros, mecanismos que promovam a igualdade de género, etc.): As estruturas a criar terão um funcionamento colegial. e deverão assegurar a tomada de decisão por consenso, pese embora o facto de poderem recorrer á votação de decisões. No caso específico dos Conselhos de Cooperação, os mesmos serão coordenados de forma rotativa por representantes do grupo alvo. As unidades a criar serão coordenadas pela KAIROS ou pela Caritas da Ilha Terceira, de acordo com o espaço onde a mesma reúne. Por força da actual estrutura humana das organizações envolvidas a representação das mulheres nos órgãos em causa (inclusive nos Conselhos de Cooperação) está assegurada. Todas as organizações da PD apoiarão a participação dos seus trabalhadores nos espaços de decisão . 2.3 Assegurar a transparência da informação interna relativa ao projecto e à parceria, que será disponibilizada a todos os parceiros da seguinte forma ( ex. recurso às TIC...): Constituição de um boletim electrónico para circulação intra e extra PD; Organização trimestral de um “seminário de partilha”, para divulgação de resultados e validação de estratégias; Participação activa da PD em actividades do Projecto Transnacional BIP; Participação activa de toda a PD nas estruturas a criar 2.4 Assegurar que a difusão pública dos resultados do projecto, finais ou provisórios, só será efectuada após anuência do(s) parceiro(s) envolvido(s) na sua concepção. 3. Recursos técnicos 3.1 Assegurar estabilidade nos recursos técnicos afectos ao projecto. 4. Ajustamento da parceria 4.1 Proceder ao ajustamento da parceria, à saída ou entrada de novos parceiros, ou eventual revisão deste Acordo, nomeadamente se a avaliação do projecto o indicar como necessário.

Last update: 09-04-2008 dot Top


KAIRÓS - COOPERATIVA DE INCUBAÇÃO DE INICIATIVAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA CRL

(KAIRÓS)
Rua João Melo Abreu,74
-
P-9500-034-PONTA DELGADA Ponta Delgada

Tel:+351296628278
Fax:296281266
Email:-

 
Responsibility in the DP: Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ACORES
Date of joining / leaving:28-04-2004 /

Text available in

A Cooperativa Kairós tem por objecto principal a pretação de serviços de serços de assistência técnica e de solidariedade social, com vista, à incubação de iniacitivas de economia solidária ou de empresas de economia social. A cooperativa KAIRÓS rege-se pelos príncipios da solidariedade e da Economia Solidária. Ao longo destes anos, a KAIRÓS pautou-se pela formação profissional e social do seu publico-alvo, na sua maioria das pessoas em situação de exclusão social. Após a formação, são negociadas integrações no mercado de trabalho normal de trabalho; as situações de maior fragilidade são encaminhadas para o mercado social de emprego. O principal objectivo da KAIRÓS é fazer da formação uma ferramenta de integração sócio-profissional. Há três anos atrás, a KAIRÓS iniciou um trabalho de Marketing Social junto da comunidade e das empresas locais reforçando, positivamente, a imagem dos formandos, facilitando assim os processos de integração do público-alvo. Este é constituído por homens e mulheres com pouca ou nenhuma formação sócio-profissional e/ou escolar, jovens desempregados, toxicodependentes, reclusos e ex-reclusos, jovens institucionalizados ou sob a alçada da Justiça. Uma das metodologias adoptadas pela KAIRÓS tem sido o apostar numa rede de suporte social que melhor se ajuste a cada indivíduo e a cada situação específica. Daí que os parceiros, entidades públicas e privadas, têm vindo a constituir-se como um todo, equiparando-se a uma parceria de desenvolvimento. A KAIRÓS tem sido promotora de projectos candidatdos ao Fundo Social Europeu: HORIZON/INTEGRA e também Luta Contra a Pobreza.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Ana Isabel Ferreira Martins Ana +351296281148 anaisamar8@hotmail.com Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-04-2008 dot Top


CRESAÇOR - Cooperativa Regional de Economia Solidária

(CRESAÇOR)
Rua João de Deus, Casa de Saúde de São Miguel, Fajã de Baixo
-
P-9500-455-PONTA DELGADA Ponta Delgada

Tel:+351296281554
Fax:296281542
Email:ruineves@cresacor.org

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ACORES
Date of joining / leaving:22-03-2005 /

Text available in

A Cresaçor é uma Cooperativa Regional de Economia Solidária CRL. Tem como objectivos gerais apoiar instituições com centros de economia solidária e/ou empresas de inserção, e pessoas ou grupos desfavorecidos na criação de auto-emprego; apoiar a criação de micro-empresas de inserção social; incrementar o acesso à educação e formação; certificar com selo de origem de economia solidária iniciativas, instituições, empresas, produtos e serviços; promover, valorizar, comercializar e distribuir produtos das iniciativa de economia solidária; prestar serviços de consultoria economico-financeira e de recrutamento e selecção de recursos humanos. Tem como principais áreas de intervenção o Centro de Formação Transregional (Centro de Formação e Observação Social; Centro de Formação à Distância) e a Agência CORES (Consultoria de Economia Solidária e Gabinete de Projectos Transregional)



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Carlos Faias Carlos +351296281554 carlosfaiais@cresacor.org Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-04-2008 dot Top


CÁRITAS AÇORES

(CÁRITAS)
Rua do Barcelos, nº23
-
P-9700-026-ANGRA DO HEROÍSMO Angra do Heroísmo

Tel:+351295212795
Fax:295218877
Email:caritasdailhaterceira@sapo.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ACORES
Date of joining / leaving:23-03-2005 /

Text available in

A Cáritas Diocesana dos Açores, . foi fundada em 1956, tendo a sua sede em Angra do Heroísmo e delegações em Ponta Delgada e Horta e coordena todas as Cáritas de Ilha. No inicio da década de 80, na sequência do sismo, desenvolveu e geriu vários programas de apoio aos mais atingidos: Programa de Emergência, Programa de Apoio à Actividade Económica Familiar, Programa de Apoio à Auto-Construção, Programa de Apoio à Construção de Habitação para Idosos dos Meios Rurais, um Centro para Idosos, Programa de Apoio à Construção de Instalações para Infância e Juventude Desviadas e um Jardim-de-infância. Em meados dos anos 80 a Cáritas dos Açores foi-se organizando em outras ilhas, passando a ter cada vez mais impacto na região, nomeadamente através da organização de actividades de promoção, de formação profissional, acções de sensibilização, denunciando situações graves de injustiça e de violação dos direitos da pessoa, criando um Centro de Apoio Familiar, um Centro de Promoção da Infância (creche e jardim de infância), uma Associação de Pais e Amigos de Crianças Deficientes e desenvolve um projecto de prevenção primária da toxicodependência.  Nos ano 90 celebra Acordos de Cooperação, que resultam na criação de dois Centros de Acolhimento, um Lar de Transição, um Centro de Actividades de Tempos Livres e um albergue “O Amigo”, e adere a iniciativas comunitárias.  Para além de todas estas actividades, continua a desenvolver acções nomeadamente Campanhas; Peditórios; mantém um Fundo de Emergência; Um serviço de voluntariado; Diversas acções de formação, palestras e seminários, etc



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Anabela Ferreira Rafael Silveira Borba Anabela +351295212795 caritasdailhaterceira@sapo.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-04-2008 dot Top


CÁRITAS DA ILHA TERCEIRA

(CARITAS DA ILHA TERCEIRA)
Rua do Barcelos, nº 23
-
P-9700-026-ANGRA DO HEROÍSMO Angra do Heroísmo
-

Tel:+351295212795
Fax:295218877
Email:caritasdailhaterceira@sapo.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ACORES
Date of joining / leaving:26-10-2007 /

Text available in

A Cáritas da Ilha Terceira é uma instituição da Igreja Católica criada com as finalidades da pessoa humana, lutando pela defesa dos seus direitos e contribuindo para a sua promoção, dignificação e desenvolvimento integrado. Para a percussão desta filosofia promove a acção social da Igreja assumindo e estimulando a comunidade a fazê-lo também. Neste sentido, empenha-se em desenvolver na comunidade a opção preferencial pelos pobres e encoraja-a a transformar as suas estruturas sociais, económicas e culturais, no sentido de um desenvolvimento capaz de ser promotor de justiça, igualdade, solidariedade e paz. Distinguiu-se, na década de 90, pelas seguintes novidades: projecto Informa, com o intuito de proporcionar à população um aumento de conhecimento sobre a temática da toxicodependência; Centro de Acolhimento “A Nossa Casa” para apoiar jovens ex-presidiários após a sua libertação; Lar de Transição. Aos ocupantes destas valências foram-lhes oferecidas actividades laborais, escolares e cursos de formação profissional. Mantém ainda em funcionamento dois Jardins-de-infância com Creche, e dois Centros de Competências Pessoais e Sociais e um Serviço de Voluntariado. Esta instituição tem desde sempre uma estreita ligação com o EPRAH dando apoio socio-caritativo aos reclusos. Na vertente da opção preferencial da Igreja pelos mais pobres, desenvolve serviço de atendimento sócio-caritativo, proporcionando apoio material e psicossocial. Desenvolve ainda a sua acção no apoio a grupos especificos como: vitimas de abuso, imigrantes e presta socorro em situações de calamidade pública. A Cáritas Diocesana da Ilha Terceira aceita os princípios e orientações da Cáritas dos Açores mantendo a sua plena autonomia de acção.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Anabela Ferreira Rafael Silveira Borba Anabela +351295212795 caritasdailhaterceira@sapo.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-04-2008 dot Top


Direcção-Geral de Reinserção Social - DGRS - Direcção de Serviços de Reinserção

(DGRS-DSRSA)
Avenida Almirante Reis Nº101
-
P-1150-013-LISBOA Lisboa
-

Tel:+351213176100
Fax:213176171
Email:carla.matos@dgrs.mj.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:25-10-2007 /

Text available in

Enquanto orgão auxiliar da Adminstração da Justiça, a Direcção Geral de Reinserção Social é responsavel pelas politicas, designadamente nos dominios da prevenção da delinquência juvenil, das medidas tutelares educativas (e da promoção de medidas penais alternativas à pena de prisão), sendo algumas das suas atribuições participar em programas e acções de prevenção do crime, integrar projectos de inserção sócio-profissional e aumento da empregabilidade, de qualificação profissional sustentada e de desenvolvimento de competências pessoais e sociais. Sendo um dos objectivos da Direcção Geral assegurar apoio técnico aos tribunais, no âmbito das jurisdições penal, tutelar e educativa, a recente reforma do direito de menores permitiu recentrar a intervenção com menores e jovens ao nivel da Lei Tutelar Educativa, propiciando condições para a execução das medidas tutelares a agentes do crime, quer em meio comunitário, quer em meio institucional. Por outro lado, é competência orgânica da Direcção Geral, a intervenção sobre meio prisional, numa aposta centrada na criação de condições sociais que permitam evitar a incidência criminal.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Nuno Manuel Matias da Silva Ferreira Nuno +351296285116 Nuno.Ferreira@dgrs.mj.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-04-2008 dot Top


INSTITUTO DE ACÇÃO SOCIAL

(IAS)
Rua Almirante Botelho Sousa - Edificio da Segurança Social 6º andar
-
P-9500-342-PONTA DELGADA Ponta Delgada
-

Tel:+351296629816
Fax:296629817
Email:-

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:ACORES
Date of joining / leaving:25-10-2007 /

Text available in

O IAS tem como objectivo o desenvolvimento social dos individuos, suas familias e comunidade envolvente, privilegiando uma abordagem global das necessidades sociais na base da coordenação inter serviços, numa actuação integrada e participativa das populações. Desenvolve a sua actividade no apoio individual e familiar visando a capacitação dos individuos e familias na sua própria promoção social; Apoio e acompanhamento às IPSS's; Participação e cooperação em parcerias de trabalho como as comissões de protecção de crianças e jovens, equipas multidisciplinares das areas escolares, nucleos locais de inserção do RSI, concelhos municipais, etc. Concepção, execução, acompanhamento e avaliação de projectos de intervenção social e de desenvolvimento local; Aplicação, acompanhamento e avaliação da medida de protecção social activa do Rendimento Social de Inserção; Nas suas actividades, o IAS conta com a participação de um corpo técnico diversificado: técnicos de serviço social, sociólogos, psicólogos, economistas, educadores de infância, tecnicos de educação e reabilitação, auxiliares sócio-familiares que intervêm nas áreas da infância/juventude/população idosa/ pessoas com deficiência/familias e intervenção comunitária.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Artur Filipe Veiga Martins Artur +351296282984 Artur.F.Martins@seg-social.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 09-04-2008 dot Top



 
 
 
 

 
 
 
 

 
 
 
 
Warning! This section is not meant to be read directly, but rather be navigated through from the main page above.
 
 
 
 

F.R.E.E - FORMACAO REABILITADORA EM ESPACOS EXTREMOS

Rationale

Text available in

- Ao nível dos Estabelecimentos Prisionais: Abertura do sistema prisional para o lançamento de uma intervenção sobre a problemática em causa; Presença regular em meio prisional de organizações com desempenho social; Rede organizada de docentes que permite um adequado acompanhamento da escolarização cooperada em meio prisional; Existência de Escola 1º, 2º e 3º ciclo e de Cursos de Formação Profissional ministrados intra-muros no EPRPD; Existência de grupo de voluntários com formação na área do ensino que têm vindo a desenvolver actividades ludico-pedagógicas na Cadeia de Apoio da Horta; Existência de espaços físicos propícios ao desenvolvimento de actividades lúdico-desportivas e de formação profissional no EPRPD e EPRAH. Ao nível dos agentes e organizações: Presença elevada de profissionais revelando forte apetência por um investimento na respectiva especialização; Reconhecimento por parte dos agentes da necessidade de formação e motivação para a frequência de acções formativas específicas; Necessidade sentida de criação de espaços multidisciplinares de supervisão e de partilha de informação; Forte interesse do meio universitário nacional , em investir no estudo e intervenção sobre o fenómeno. Ao nível do público-alvo: Motivação revelada por 43% dos reclusos em frequentar cursos de Formação Profissional e em prosseguir estudos de forma a rentabilizar o tempo de reclusão; Suporte emocional aos reclusos por parte das famílias; Motivação e disponibilidade revelada pelas esposas/companheiras dos reclusos para frequentar formação profissionalIntervenção crescente no domínio família, organizações especializadas sediadas na região Açores; Programa de competências pessoais e sociais construído no âmbito do projecto GPS-1º fase da IC EQUAL que pode ser facilmente adaptável à realidade jovens e adultos em meio prisional., - Ao nível dos Estabelecimentos Prisionais: Ausência de Formação Escolar/Profissional na Cadeia de Apoio da Horta, EP de Angra do Heroísmo;Prevalência actividades lúdicas pouco criativas nos dois Estabelecimentos; Prisionais e na Cadeia de Apoio da HortaAo nível dos agentes:Ausência de formação técnica dos agentes para intervenção junto da população com estas características comportamentais;Desvalorização da real importância da Formação Profissional p/população reclusa por parte do Corpo da Guarda Prisional;Défices na articulação entre vários profissionais/instituições intervenientes em meio prisional (guardas, formadores, professores, técnicos de saúde).Ao nível do público-alvo: reclusos(as):População reclusa inquirida apresenta nível considerável debaixa escolaridade (22% de iletracia), condicionando acesso a cursos de Formação Profissional desejados para o exercício de trabalho qualificado; Fraca mobilização e motivação da frequência do ensino escolar e dos Cursos de Formação Profissional actualmente em funcionamento do EPRPD, associando-se uma elevada taxa de desistência;Percurso laboral instável, vínculo precário ao mercado de trabalho, actividades indiferenciadas e empregos caracter sazonal; Ausência de Cursos de Formação Escolar e Profissional nos EP’s Horta e Angra do Heroísmo;Prevalência de actividades lúdicas pouco criativas;Elevados índices de distúrbios de personalidade na população reclusa (82%);Prevalência de padrões de comportamentos aditivos.Ao nível do público-alvo:Elevada precariedade económica no contexto familiar do recluso;Baixas habilitações literárias e ausência de qualificação profissional das esposas / companheiras, que conduz à falta de autonomização das próprias e destas famílias;Impacto sócio-emocional negativo nos filhos menores. Ao nível da comunidade:Baixa receptividade da comunidade e das organizações em intervir no sistema prisional;Fraca mobilização do voluntariado no EPRPD e no EP de Angra do HeroismoAssistência religiosa restrita.

dot Top


Objective

Text available in

O projecto FREE – Formação Reabilitadora em Espaços Extremos – centra-se sobre a realidade prisional e respectiva envolvente (problemática global de reclusos,ex-reclusos, famílias e organizações) e assenta num modelo de orientação/formação/inserção que visa a reinserção social dos indivíduos reclusos e ex-reclusos, dos dois estabelecimentos regionais dos Açores (de Ponta Delgada e de Angra do Heroísmo) e da Cadeia de Apoio da Horta. Tem como finalidade a prevenção da reincidência criminal por via da reestruturação socio-profissional de indivíduos em situação de tripla exclusão (social, laboral, económica). A prossecução desta, passa pela criação de um espaço de reabilitação como suporte à orientação/formação/inserção; aposta-se também na formação dos agentes envolvidos para o trabalho com púbicos em contexto de reclusão; alarga-se este processo de orientação/formação e reabilitação aos ex-reclusos e suas famílias garantido uma intervenção global; e segue-se um programa de marketing social como estratégia de inserção laboral e conquista do mercado de trabalho por parte destes públicos agregando uma Rede de Empresas de Economia solidária existente. O projecto irá organizar-se sobre uma estrutura partilhada de gestão e avaliação, com uma forte componente de participação envolvendo o grupo alvo e agentes. Assume-se uma metodologia de intervenção integrada, que envolve organizações de diferentes áreas de actuação (IAS, Kairós, IRS, DGSP, Cáritas), agregando-se parcerias transnacionais. As organizações serão cooptadas segundo a respectiva mais valia para a acção, constituindo uma rede alargada de suporte com uma missão que se pretende continuada sob a problemática abrangida. Nas três vertentes – orientação/formação/inserção – promove-se a participação e empowerment do público-alvo, pela elaboração de planos individuais integrados, pela certificação profissional através da validação de competências e criação de currículos formativos adequados às características dos mesmos. Os agentes, articulando de forma permanente com o grupo alvo, irão constituir-se em anéis de trabalho para efectivar um diagnóstico global de necessidades e a programação da acção a desenvolver, que irá agregar a validação de competências, e a formação. A prevalência de situações de mulheres, no contexto de reclusão ou no contexto familiar do recluso, com necessidades de autonomização, colocam a igualdade de oportunidades como uma linha de intervenção presente nos objectivos de orientação/formação e inserção.

dot Top



Logo EQUAL

Home page
DP Search
TCA Search
Help
Set Language Order
Statistics