IMPORTANT LEGAL NOTICE
 

 Públicos Diferentes. Iguais Oportunidades ascii version

Portugal

 
DP Managing organisation : C.E.S.I.S.-CENTRO DE ESTUDOS PARA A INTERVENÇÃO SOCIAL
Other national partners : Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego
I Q F - INSTITUTO PARA A QUALIDADE NA FORMAÇÃO I P
Instituto da Segurança Social, IP
Regimprensa, CRL
União dos Sindicatos de Lisboa
EQUAL theme :Employability - (Re-)integration to the labour market 
Type of DP :Sectoral - Services 
DP Legal status :Other 
DP identification :PT-2001-310 
Application phase :Approved for action 2 
Selection date :09-09-2002 
Last update :01-06-2007 
Monitoring: 2002  2003   

Rationale

Text available in

Considering the eight "concelhos" of the Great Lisbon area where action 1 has been developed, the registered unemployment in 2001 amounted to 65000 individuals.The registered unemployment figures in these "concelhos" decreased from 1997 to 2000, which is consistent with the decrease in the figures for the whole country. As in other geographic contexts, unemployment among youngsters decreased over the last years in the "concelhos" of the Great Lisbon area (although it has increased in 2001). The proportion of the unemployed aged less than 25 in the total unemployed population decreased from 17.7% in 1997 to 12.9% in 2001. Conversely, the proportion of the unemployed aged over 45 increased from 56.4% in 1997 to 63.9% in 2001. However, a tendency for decrease was registered in 2001. Age is a characteristic commonly presented as a factor either facilitating or, on the contrary, making it difficult for people to enter the labour market. It must be noted that younger unemployed are overrepresented among the unemployed who got a job through the employment centres of the "concelhos" under analysis while older unemployed are underrepresented. According to some opinions, the preference for younger people goes beyond the question of productivity, being connected to the valuation of a young image by society. Along with the evolution of unemployment, and regarding the above mentioned age groups, there was a decrease in the search for a first job and an increase in the search for a new job (90.2% in 1997; 94.6% in 2001). Somewhat in contradiction, long-term unemployment has constantly decreased. This apparent contradiction may reflect a higher rotation between employment and unemployment which indicates a higher precariousness of contracts. Among the 54 interviewees (aged between 16 and 55) in action 1,60% had had more than one professional experience. Each interviewee had had, in average, 3.7 jobs and the most frequent reason to leave a job was the "termination of the contract". Precariousness of labour, especially in terms of low wages and the underground character of a part of the economy helps to understand why Portugal has such high poverty rates together with low unemployment rates. The profile of the working poor has arisen from the analysis of the interviews in action 1. Low wages are the main problem for these people, in terms of professional insertion. This was also mentioned by some of the professionals, who related the issue with strategies from the employers to attract labour. One of the characteristics of the registered unemployed is their low educational level. More than half of the unemployed have not concluded the nine years of compulsory schooling. More than a characteristic, the low educational levels of such a large part of the unemployed constitutes itself as a serious obstacle to their integration in the labour market. As an example, among the unemployed people who have not accomplished the 3rd cycle the proportion of those who entered the labour market is much lower than their proportion in the total registered unemployed population. Such obstacle is expressed in a more unequivocal way by the social intervention workers and by the employers interviewed in action 1 than by the target group among whom there seems to be a weaker consciousness of these kind of obstacles. In 2001, in the Great Lisbon area, women represented 54% of the total registered unemployed population. More than half of the different interviewees in action 1 stated than women have higher difficulties in the labour market than men. Motherhood, pregnancy and care are among the main reasons identified as leading to a higher absenteeism. Along with the handicaps represented by the low educational and professional qualifications, there is the negative image some groups have in society which is sometimes shared by themselves. This image has a negative impact on the access to the labour market and to a full insertion in society. Self-image frequently induces personal devaluation, through the idea that is impossible to accede activities, knowledge and careers which are not usual to the group. Such self-image has a component of victimisation which sometimes leads to self-exclusion. The outer image is defined by stereotypes which sometimes lead to discrimination. Such discrimination, based on "race" or even place of residence, is real, according to social workers and elements of the population interviewed in action 1. Such discrimination contributes to a devalued self-image and to enhance the idea of rejection from society, making harder the possibilities of a successful insertion. There is a strong gap between the speeches of social workers and employers, on the one hand and the population, on the other, regarding the difficulties faced by the most vulnerable groups of population in entering the labour market. Both in terms of the difficulties in searching for a job and in terms of the steadiness of that job, the elements of the population state factors related to the characteristics of the market. Social workers and employers, on the other hand, state factors related to the absence of personal competencies such as motivation, absence of labour habits and difficulties in complying with the rules. However, all interviewees are highly aware of such competencies. Referring to the qualities defining a good worker for the employers, all interviewees mention those personal competencies, instead of scholarship or professional training. That is perhaps the reason why employers still prefer to place an advertisement or activate personal relationships instead of resorting to employment centres or professional schools. A significant part of the job offers arriving to the unemployment centres are not satisfied. On the other hand, a significant part of the unemployed are not in the labour market. Between 1997 and 2000, integration rates have increased in most of the eight employment centres of the geographical area of intervention of action 1. In 2001, however, there has been a decrease, which is probably related with the growth of unemployment, as well as with the compression of the available offers. The different employment centres have different dynamics along the considered series of years. This is surely related to the centre's methodology and to the higher or lower economical dynamism of the "concelhos" they cover. Most of the unfulfilled job offers are for the following categories: office clerks, safety and protection workers; unqualified workers of the services, commerce and building; salespersons; building workers; metallurgy workers. However, these are the main occupations of the registered unemployed, which means that the explanation for the non placement of workers is mainly the result of the non coincidence between the profiles defined on the offer side and the profiles of the job seekers. It must also be stressed that the unfulfilled offers in categories such as the building workers concern occupations with some sort of specialisation. On the other hand, a recent study developed by the National Institute of Statistics (2001) showed that the job offer conditions such as age limits and fixed-term contracts are variables playing for or against job offer satisfaction. This same study also revealed that the "hotels and restaurants", "wholesale and retail commerce" and "building" sectors will continue to have job offer but difficulties in meeting that offer. At a local level, some social needs are usually identified as potential job creators, namely in the area of proximity care services for children, elderly and the sick and disabled. These are also the sectors identified by the interviewed population as those where there are less difficulties in finding a job. Often, it is the keeping of that job that places problems. Having a job in these sectors often implies an occupation which is negatively looked both by the individual and the whole society. The different groups of interviewees have identified a set of five occupations as the ones less valued by the society, thus needing a "social rehabilitation": domestic services; cleaning; bricklayer's assisting; gardening, paving. Curiously, the major handicap of these occupations is not the associated salary but the lack of social prestige they give and the physical conditions of their accomplishment. The access of the most vulnerable groups to training and employment programmes promoted by public entities generates an additional difficulty for their professional insertion. The implementation of the Guaranteed Minimum Income (RMG) and the establishment of the Monitoring Local Committees (CLA) gave a strong visibility to this difficulty. The fact that most beneficiaries are still in active age, although out of the labour market, increases the importance of the role played by the RMG and, especially, the CLA play in their insertion processes. The success of the RMG is largely dependent on the success of the insertion programmes. At this level, a good co-ordination among all the entities composing the CLA seems to be essential as a method both to facilitate the enhancing of the existing resources, but also to promote the rise of integrated answers, more adequate to each individual situation. Yet, the co-ordination between services does not only depend on the existence of legal arrangements. Effective co-ordination will only take place in a context of regular evaluation and planning procedures in which all agents are involved in a permanent process of reflection on results and, consequently, on practices.

dot Top


Objective

Text available in

· To promote a comprehensive approach on the difficulties experienced by the most vulnerable groups of the population in entering the labour market. This approach should involve these groups, as well as the different social and economic actors. · To promote the image of the companies with social concerns, by the society, appealing to the media and to the making/diffusion of materials on good practices. · To sensitise the employers to non-discriminatory practices of recruitment and personnel management, on the basis of the previously identified good practices, which enhance at the same time social responsibility and economic success. · To identify, along with the employers, elements of valuation of socially devalued occupations which may offer job opportunities. · To contribute for the establishment of ways of articulation and co-ordination between the entities (education, health, social work, training, employment), present in 5 Monitoring Local Committees (CLA) of the Guaranteed Minimum Income (RMG) of the Great Lisbon area. · To promote the development of skills for the profile of "insertion professionals" among the elements of the CLA, with the final goal of facilitating the integrated trajectories of the beneficiaries of RMG and other users of the services of the CLA. · To contribute for a change on the stereotyped images companies and the whole society in general have of some groups, through the making of slogans, the diffusion of cases of success (from the point of view of the of the integrated trajectories of insertion) in media's news and articles. · To promote a positive image of socially devalued occupations, by both the vulnerable groups and the society as a whole. · To promote the employability of vulnerable groups of the population, through an "integrated training", resorting to the development of personal, social and relational competencies and to at-site professional training and its respective follow-up. · To promote a society fo comunnication.

dot Top


Innovation


Nature of the experimental activities to be implemented Rating
Guidance, counselling **
Training **
Training on work place **
Work placement **
Integrated measures (pathway to integration) ***
Employment creation and support **
Training of teachers, trainers and staff **
Improvement of employment services, Recruitment structures **
Conception for training programs, certification **
Guidance and social services *
Awareness raising, information, publicity **

Type of innovation Rating
Process-oriented ***
Goal-oriented **
Context oriented **

Text available in

Com frequência os projectos de intervenção assumem uma dimensão parcial no que toca aos actores envolvidos, deste modo, pode destacar-se enquanto inovação e principal valor acrescentado do Projecto, o envolvimento de diversos agentes que, de uma forma mais ou menos directa, têm um papel importante na construção dos percursos de inserção dos grupos mais desfavorecidos da população. Outro elemento inovador do Projecto reside, precisamente, na participação de órgãos de comunicação social que terão um papel fundamental nas actividades de marketing social e profissional . O Projecto procura, ainda, introduzir uma nova metodologia (metodologia de projecto onde as componentes de planeamento e avaliação são essenciais) nos serviços que mais directamente se relacionam com os grupos desfavorecidos, e em particular nas estruturas locais de coordenação, favorecendo-se assim, uma vez mais, a multiplicação de resultados. Espera-se que do Projecto resulte, localmente, a definição de perfi(s) de técnico(s) de inserção e que seja criada efectivamente a sua figura, tornando mais eficaz o trabalho de inserção das CLA e alargando-se o seu âmbito a uma forte articulação com os empregadores. Outro elemento inovador do Projecto diz respeito à abordagem feita junto do "público-alvo": a de uma formação quase personalizada que terá em conta as competências já adquiridas pelos indivíduos abrangidos, levando à elaboração dos seus portfólios. A inovação de que o Projecto é portador passa, ainda, pela participação dos diferentes parceiros da PD e pelos seus contributos: CITE - Permite uma abordagem consistente da Igualdade de Oportunidades e a introdução do tema na formação que o Projecto irá providenciar. Para a CITE o projecto representa, ainda, um valor acrescentado já que ele possibilita um maior conhecimento dos públicos mais desfavorecidos e uma intervenção junto dos mesmos. INOFOR - Faculta os elementos para uma reflexão em torno do(s) perfil(s) de técnico(s) de inserção e facilita a inovação do ponto de vista das metodologias de formação. Poderá recolher elementos para a elaboração de novos curricula de formação. União dos Sindicatos de Lisboa - Introduz uma forte componente de empowerment na abordagem aos "públicos-alvo", através de uma (in)formação para o direitos sociais e laborais. Possibilita, ainda, uma abordagem às empresas e a identificação, no seio das mesmas, de elementos chave para a inserção profissional dos "públicos-alvo". Instituto de Solidariedade e Segurança Social - Facilita o acesso às CLA do RMG e, como tal, a uma grande diversidade de actores sociais. Tem um papel fundamental para a continuidade do Projecto para além do seu curto período de desenvolvimento. CESIS - Favorece a articulação entre investigação e a acção. Regimprensa - Assegura a inclusão de uma estratégia de comunicação no projecto.A sua participação contribuirá para fazer o mainstreaming da comunicação e informação.

dot Top


Budget Action 2

500 000 – 1 000 000 €

dot Top


Beneficiaries


Assistance to persons 
Unemployed  4.7%  14.0% 
Employed  15.9%  65.4% 
Others (without status, social beneficiaries...)  0.0%  0.0% 
  100.0% 
 
Migrants, ethnic minorities, …  1.9%  9.3% 
Asylum seekers  0.0%  0.0% 
Population not migrant and not asylum seeker  18.7%  70.1% 
  100.0%
 
Physical Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Illness  0.0%  0.0% 
Population not suffering from a disability  20.6%  79.4% 
  100.0% 
 
Substance abusers 0.0%  0.0% 
Homeless  0.0%  0.0% 
(Ex-)prisoners  0.0%  0.0% 
Other discriminated (religion, sexual orientation)  0.0%  0.0% 
Without such specific discriminations  20.6%  79.4% 
  100.0% 
 
< 25 year  2.8%  7.5% 
25 - 50 year  15.9%  68.2% 
> 50 year  1.9%  3.7% 
   100.0% 

Assistance to structures and systems and accompanying measures Rating
Gender discrimination **
Discrimination and inequality in employment **
Other discriminations **
Low qualification **
Racial discrimination **
Unemployment ***

dot Top


Empowerment

 

 With beneficiaries

Participation
Promoting individual empowerment
Participation in the project design
Participation in running and evaluating activities
Changing attitudes and behavior of key actors

 

 Between national partners

N.C.

dot Top


Transnationality

 

 Linguistic skills

  • português
  • português
  • English
  • français

 Percentage of the budget for transnational activities

  • 0.2%

 Transnational Co-operation Partnerships

Transnational Co-operation Agreement DPs involved
864 TyneWear Employability Development UKgb 61

dot Top


Background

 

 Involvment in previous EU programmes

  • Two and more partners involved in A&E

dot Top


National Partners


Partner To be contacted for
C.E.S.I.S.-CENTRO DE ESTUDOS PARA A INTERVENÇÃO SOCIAL Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Transnational partnership
Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego
I Q F - INSTITUTO PARA A QUALIDADE NA FORMAÇÃO I P Evaluation
Monitoring, data collection
Instituto da Segurança Social, IP
Regimprensa, CRL
União dos Sindicatos de Lisboa

dot Top


Agreement Summary

Text available in

Although each partner has its own responsibilities, the decision-making process is shared among all the partners of the DP. Therefore monthly meetings will be organised, with the presence of members of the technical staff of the Project, together with the representatives of each partner (whenever there is no coincidence between those). After each meeting proceedings will be prepared and circulated among the partners via electronic mail. These proceedings will be signed in the following meeting. Regimprensa will be responsible for the animation of the electronic communication network among the partners. Meetings with the presence of every formal and informal partners of the Project (companies, entities which belong to CLA...) will take place twice a year with the purpose of improving the participation of all organisations which, in different ways, will be involved in the Project. These meetings will also be attended by members of the target population. CESIS will be responsible for the financial management of the Project, as a whole, and each partner will be responsible for the management of its own budget, following the distribution among the financial items. CESIS will provide information on the management of the Project to the other partners on a quarterly basis. Any other management mechanism considered necessary will be created within the DP.

Last update: 01-06-2007 dot Top


C.E.S.I.S.-CENTRO DE ESTUDOS PARA A INTERVENÇÃO SOCIAL

(CESIS)
Rua Rodrigues Sampaio, 31 - S/L Dta
-
P-1150-278-LISBOA Lisboa

Tel:+351213845560
Fax:213867225
Email:cesis.geral@cesis.org

 
Responsibility in the DP: Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Transnational partnership
Type of organisation:University / Research organisation
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:25-01-2005 /

Text available in

O CESIS – Centro de Estudos para a Intervenção Social é uma associação sem fins lucrativos, fundada em 1992 que condensa a experiência de trabalho de uma equipa constituída desde 1986. O CESIS tem como principais objectivos: ·Contribuir, através da investigação, para o conhecimento da realidade social, nomeadamente no que se refere a situações de empobrecimento e de exclusão social; ·Concorrer para a formulação e implementação de políticas de desenvolvimento humano e de promoção social; ·Incentivar a participação das/os cidadãs/cidadãos nos seus processos de desenvolvimento e promoção social; ·Promover a realização de acções de formação destinadas a melhorar a capacidade de intervenção social aos vários níveis; ·Fomentar a difusão de estudos e / ou experiências inovadoras no domínio da promoção social. Entre as áreas de trabalho, ao nível da investigação e intervenção, que têm obtido continuidade de programas e projectos, dando lugar à produção de relatórios de pesquisa, comunicações a seminários, artigos e livros, bem como de materiais pedagógicos, merecem destaque as seguintes: ·Pobreza em espaços urbanos degradados; ·Envelhecimento e pessoas idosas; ·Crianças e jovens de meios desfavorecidos; ·Migrantes e minorias étnicas; ·Pessoas sem-abrigo; ·Igualdade entre mulheres e homens; ·Políticas sociais.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Ana Cardoso Ana +351213845560 cesis.geral@cesis.org Entity contact person responsable for this project

Last update: 01-06-2007 dot Top


Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego

(CITE)
Avenida da República, 44 - 2º e 5º
-
P-1069-033-LISBOA Lisboa

Tel:+351217964027
Fax:217960332
Email:-

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:17-02-2005 /

Text available in

A Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE) é uma entidade pública, tutelada pelo Presidência do Conselho de Ministros e pelo Ministério das Actividades Económicas e do Trabalho e tem composição tripartida. A sua missão é promover a igualdade e não discriminação entre homens e mulheres no trabalho, no emprego e na formação profissional, a protecção da maternidade e da paternidade e a conciliação da actividade profissional com vida familiar, no sector público como no sector privado.No âmbito das suas atribuições a CITE:Edita, divulga legislação, estudos e pareceres relativos à igualdade de oportunidades e de tratamento entre mulheres e homens no trabalho, no emprego e na formação profissional;Responde directamente às pessoas e às empresas sobre o direito aplicável e sobre situações concretas (atendimento pessoal, telefone, carta, fax e e-mail);Recebe e trata queixas, procurando mediar as situações entre trabalhador/a e a entidade empregadora;Emite pareceres sobre casos concretos a solicitação de pessoas, de empresas de serviços públicos e de tribunais;Coopera com a Inspecção Geral do Trabalho com vista ao cumprimento das normas aplicáveis à igualdade de oportunidades e de tratamento entre mulheres e homens no trabalho, no emprego e na formação profissional;Emite o parecer que as entidades patronais têm obrigatoriedade que solicitar o caso de intenção de recusa, pelo empregador, de autorização para trabalho a tempo parcial ou com flexibilidade de horário a trabalhadores com filhos menores de 12 anos;Emite o parecer prévio ao despedimento de trabalhadoras grávidas, puérperas e lactantes;Atribui o Prémio «Igualdade é Qualidade» às empresas e entidades empregadoras que pratiquem políticas exemplares no âmbito da igualdade de oportunidades;Desenvolve projectos de formação, promove estudos, acções de informação/sensibilização e outras iniciativas;Coopera com diversas entidades públicas e privadas e propõe medidas com vista à igualdade de facto entre a situação dos homens e das mulheres no mercado de trabalho;Acompanha esta matéria junto das instituições comunitárias e de outras organizações internacionais.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Maria de Fátima Abrantes Duarte Maria +351217803700 cite@cite.gov.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 01-06-2007 dot Top


I Q F - INSTITUTO PARA A QUALIDADE NA FORMAÇÃO I P

(INOFOR)
Av. Almirante Reis, N.º 72
-
P-1150-020-LISBOA Lisboa

Tel:+35121 810 7000
Fax:
Email:

 
Responsibility in the DP: Evaluation
Monitoring, data collection
Type of organisation:Employment services
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:12-06-2002 /

Text available in

A Missão do Inofor é: · Contribuir para a racionalização, estruturação e qualidade do sistema de formação profissional; · Desenvolver uma política de investigação que associa a pesquisa e a inovação à acção; · Multiplicar e difundir modelos, metodologias e soluções organizativas e formativas. Áreas de intervenção/Unidades de projecto: · Evolução das qualificações e Diagnóstico das Necessidades de Formação · Sistema de Acreditação das Entidades Formadoras · Metodologias de Formação e Desenvolvimento Curricular · Sistema de Acreditação das Entidades Formadoras · Metodologias de Formação e Desenvolvimento Curricular · Sistema de Observação e Desenvolvimento Curricular · Sistema de Observação de Percursos de Inserção de Diplomados no Ensino Superior · Inovação Organizacional e Gestão de Recursos Humanos · Centro de Recursos em Conhecimento · Avaliação da Formação · Financiamento da Formação



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Victor Manuel Rodrigues de Almeida Victor +351218107000 victor.almeida@inofor.gov.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 01-06-2007 dot Top


Instituto da Segurança Social, IP

( ISS, IP)
Rua Rosa Araújo, nº 43
-
P-1250-194-LISBOA Lisboa

Tel:+351213507291
Fax:213507290
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:10-02-2005 /

Text available in

O Instituto de Segurança Social (ISS, I.P.) é uma pessoa colectiva de direito público dotada de autonomia administrativa, financeira e patrimonial, com a natureza de instituto público. O ISS,I.P. tem por objecto a gestão das prestações do sistema de solidariedade e segurança social, sem prejuízo das competências atribuídas a outras instituições de segurança social e aos serviços integrados na administração directa do Estado



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Maria Joaquina Ruas Madeira Maria +351213102000 m.joaquina.madeira@seg-social Entity contact person responsable for this project

Last update: 01-06-2007 dot Top


Regimprensa, CRL

(-)
Rua Elias Garcia, 245 - 2º Esq.
-
P-2700-320-AMADORA Amadora

Tel:+351214988120
Fax:214912236
Email:-

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Social economy enterprise
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:12-06-2002 /

Text available in

A Regimprensa é uma entidade privada sem fins lucrativos. Foi constituída em 1987 com o objectivo de assegurar e desenvolver a informação regional, bem como promover acções centradas no desenvolvimento cultural, social e económico. Tem apostado na melhoria do produto jornalístico e aumentar a sua audiência junto de uma população suburbana que, cada vez mais, reclama a requalificação da vida em sociedade. A Regimprensa tem participado em acontecimentos relevantes em diversos domínios, questionando as formas de participação dos media locais e regionais. Beneficiou de um vasto património de reflexão, constituído pela experiência colhida pelo «Notícias da Amadora». Fundado há 43 anos tem, desde sempre, abordado os problemas mais candentes, quer do cidadão quer da comunidade em que se insere.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Orlando César Orlando +351214988120 orlando.cesar@netcabo.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 01-06-2007 dot Top


União dos Sindicatos de Lisboa

(USL/CGTP-IN)
Rua de S. Pedro de Alcântara, 63, 2º
-
P-1250-238-LISBOA Lisboa

Tel:+351213474964
Fax:213424140
Email:usl.cgtp@mail.telepac.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Trade Union
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:10-02-2005 /

Text available in

A União dos Sindicatos de Lisboa, abreviadamente designada pela sigla USL/CGTP-IN, é uma associação sindical constituída pelos sindicatos nela filiados que exercem a sua actividade no distrito de Lisboa.Faz parte da estrutura da CGTP - IN, como associação sindical intermédia de direcção e coordenação da actividade sindical a nível do distrito.A União dos Sindicatos de Lisboa orienta a sua acção pelos princípios da liberdade, unidade, democracia e independência sindicais e da solidariedade entre todos os trabalhadores.Tem como grandes prioridades de intervenção a promoção, organização e apoio de acções conducentes à satisfação das reivindicações dos trabalhadores do distrito, não só na sua vivência laboral, mas também nas questões sociais e culturais que contribuem para a melhoria das suas condições de vida e das suas famílias, enquanto parte integrante da população do distrito.Neste sentido, a USL participa em representação da CGTP-IN no Conselho Regional da CCDR Lisboa Vale Tejo e dinamiza acções e planos regionais tendo como preocupação as áreas: emprego, segurança social, saúde, ensino, cultura, habitação, transportes, tempos livres e meio ambiente.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
João Reganha Torrado João +351213474964 torrado@uniaolisboa-cgtp Entity contact person responsable for this project

Last update: 01-06-2007 dot Top



 
 
 
 

 
 
 
 

 
 
 
 
Warning! This section is not meant to be read directly, but rather be navigated through from the main page above.
 
 
 
 

PUBLICOS DIFERENTES. IGUAIS OPORTUNIDADES

Rationale

Text available in

Tendo em conta os oito concelhos da Grande Lisboa, área de geográfica na qual se circunscreveu o Projecto durante a Acção 1, o desemprego registado, em 2001, era de 65 000 indivíduos. À semelhança do que aconteceu noutros contextos geográficos, também nos concelhos da Grande Lisboa o desemprego jovem diminuiu nos últimos anos (subindo ligeiramente em 2001), passando o peso dos desempregados com menos de 25 anos a representar 12.9% em 2001, contra os 17.7% em 97. Ao contrário, o desemprego dos maiores de 45 anos aumenta de 56.4% para 63.9% naqueles anos, embora no último ano tenha havido tendência para uma certa descida. A idade é um elemento frequentemente apresentado como factor facilitador ou obstaculizante de uma entrada (ou re-entrada) no mercado de trabalho. Note-se que os mais novos estão sobre-representandos entre os/as desempregados/as que encontraram colocação através dos Centros de Emprego dos concelhos em questão; os mais velhos estão sub-representados. A preferência por "gente mais nova", de acordo com algumas opiniões, ultrapassa as questões da produtividade radicando nos pressupostos de uma sociedade que valoriza uma imagem jovem. Algo contraditoriamente, porém, o desemprego de longa duração decresceu constantemente, enquanto que o desemprego registado há menos de um ano vai subindo. Esta aparente contradição poderá ser um reflexo de uma maior rotatividade entre emprego e desemprego e, como tal, de uma maior precarização dos vínculos contratuais. Entre as 54 pessoas entrevistadas (com idades compreendidas entre os 16 e os 55 anos), durante o processo de diagnóstico da Acção 1,60% já tinha tido mais do que uma experiência profissional: a média de empregos, foi de 3.7, por pessoa e a razão mais frequente para a saída do emprego foi "o fim do contrato de trabalho". A precariedade do trabalho, e muito particularmente os baixos salários auferidos por uma parte da população, bem como a informalidade de uma parte da economia, explica que Portugal apresente as taxas de pobreza já mencionadas num contexto de baixos níveis do desemprego registado. Os "working poor" emergem do discurso dos elementos da "população alvo", contactados na Acção 1. Com efeito, os baixos salários constituem, para estas pessoas, o principal problema a quando de uma inserção profissional. Também alguns técnicos/as se referiram a esta questão, associando-a a algumas estratégias de atracção de mão-de-obra, por parte das entidades empregadoras Uma das características do desemprego registado é o baixo nível de instrução. Mais de metade dos/as desempregados/as possui níveis de instrução inferiores ao 3º ciclo do ensino básico, isto é, não concluíram, sequer a escolaridade obrigatória. Mais do que uma característica, o baixo nível de instrução apresentado por uma tão larga percentagem de desempregados/as constitui-se como um obstáculo à sua inserção profissional. Com efeito, a percentagem dos/as desempregados/as colocados/as que têm menos do que o 3º ciclo é bastante mais baixa do que a que se verifica no total de desemprego registado. Este obstáculo é, contudo, expresso de uma forma mais inequívoca pelos/as técnicos/as de intervenção social e pelos empregadores, auscultados durante a Acção 1, do que propriamente pela população alvo que parece, assim, revelar uma fraca consciência do mesmo. Na Grande Lisboa, a presença das mulheres, no desemprego registado, chega aos 54% (em 2001). Para mais de metade dos diferentes tipos de pessoas entrevistadas na Acção 1, as mulheres têm mais dificuldades de inserção no mercado de trabalho do que os homens. As razões que explicam tais dificuldades acrescidas prendem-se, essencialmente, com a maternidade: gravidez e cuidados aos filhos o que, por vezes, leva a uma menor assiduidade. Associadas aos "handicaps" de uma baixa qualificação escolar e profissional, está a imagem que determinados grupos têm de si próprios bem como a imagem que gozam junto da sociedade em geral, constituindo-se estas, como dificuldades de acesso ao mercado de trabalho e a uma inserção plena na sociedade. A auto-imagem é frequentemente indutora de uma desvalorização pessoal, decorrendo esta da ideia de uma impossibilidade de aceder a actividades ou carreiras profissionais e conhecimentos que não são a regra no seu grupo de origem; uma auto-imagem onde há lugar para uma certa vitimização que conduz, por vezes, à auto-exclusão. A imagem exterior é marcada pela presença de estereótipos que levam, por vezes, à discriminação. Esta discriminação baseada em factores como a "raça", ou até o local de residência, existe, na opinião de técnicos/as sociais e de elementos da população, entrevistados na Acção1. Esta discriminação contribui para criar uma imagem desvalorizada de si próprio e para acentuar a noção de uma rejeição por parte da sociedade dificultando, assim, as possibilidades de uma inserção bem sucedida. No discurso sobre as dificuldades de inserção no mercado de trabalho dos grupos mais desfavorecidos da população, existe uma clivagem nítida entre técnicos/as e empregadores, por um lado, e população, pelo outro. Enquanto que os últimos se referem, tanto no que diz respeito às dificuldades na busca de emprego, como nas dificuldades para a estabilidade no mesmo, a factores que se prendem, essencialmente, com as características do próprio mercado (poucas oportunidades; oferta de salários baixos; frequência de contratos a prazo?), os primeiros acentuam particularmente a ausência de competências pessoais tais como: motivação para o trabalho; ausência de hábitos de trabalho; dificuldade no cumprimento das regras? A importância destas competências é, no entanto, percepcionada por todos. Com efeito, quando interpelados/as sobre as qualidades que, para os empregadores, definem um bom/boa trabalhador/a, aquelas competências pessoais surgem, quer por uns, quer por outros, muito mais valorizadas do que as questões ligadas à formação escolar ou profissional. Talvez por isso os empregadores continuem a preferir recorrer à publicação de anúncios ou a conhecimentos próprios para preencher as suas ofertas de trabalho, em detrimento de recurso aos Centros de Emprego ou às Escolas Profissionais. Uma boa parte das ofertas de emprego chegadas aos Centros de Emprego fica por satisfazer; por outro lado, parte significativa dos/as desempregados/as fica por colocar. As taxas de colocação aumentaram, para a generalidade dos oito Centros de Emprego que correspondem à área geográfica de intervenção da Acção 1, de 1997 até 2000, descendo no ano seguinte, o que estará relacionado não só com o crescimento do desemprego mas também com uma compressão das ofertas disponíveis no mercado. Ao longo da série temporal considerada há, no entanto, diferentes dinamismos apresentados pelos diversos CE, certamente relacionados com a sua própria metodologia de trabalho e também com o maior ou menor dinamismo económico dos concelhos em que se inserem. A maior parte das ofertas não satisfeitas correspondem aos seguintes grupos de profissões: empregados/as de escritório; serviços de protecção e segurança; trabalhadores/as não qualificados/as dos serviços e comércio; trabalhadores/as não qualificados/as da construção civil; vendedores/as; operários/as da construção civil; trabalhadores/as da metalurgia. Estas são, no entanto, as profissões mais representadas entre o desemprego registado, o que significa que a explicação do desemprego não colocado se situa, sobretudo, numa desadequação entre o perfil definido pela oferta e aquele que é apresentado por quem procura emprego. Num estudo realizado pelo IEFP (2001) revelava-se, ainda, que as condições apresentadas pela oferta, tais como restrições quanto à idade máxima e o tempo de duração do contrato, são variáveis que jogam a favor, ou em detrimento, da satisfação das ofertas. O mesmo estudo revelava, ainda, os sectores de "hotéis e restaurantes"; "comércio por grosso e a retalho" e "construção civil" como os que, num futuro imediato, irão continuar a ter capacidade de oferta e dificuldades em satisfazê-la. Para além disso, a nível local, é frequente a identificação de certas necessidades sociais como potenciais criadoras de emprego, sobretudo na área dos cuidados de proximidade dirigidos a pessoas idosas, doentes e acamados, crianças. Estes são também os sectores nos quais a população entrevistada afirma ter menos dificuldades de encontrar emprego desempenhando, na maior parte dos casos, profissões que, porém, não são bem vistas pelos próprios, nem pela sociedade em geral. Solicitando-se aos diferentes grupos de entrevistados que identificassem as profissões que consideram ser as menos valorizadas pela sociedade, foi possível chegar a um conjunto de cinco cuja necessidade de "reabilitação social" parece clara: empregada/o doméstica/o; servente da construção civil; empregado/a de limpeza; calceteiro/a; jardineiro/a. Curiosamente, o factor que mais joga em desfavor destas profissões não é tanto a remuneração a elas associada mas sim o prestígio social (por si só) que elas não conferem, bem como as condições físicas de exercício das mesmas. Outra das dificuldades de inserção dos grupos mais desfavorecidos tem-se situado no seu acesso a programas de formação e de emprego da responsabilidade de organismos públicos. A implementação do Rendimento Mínimo Garantido (RMG) e a criação das Comissões Locais de Acompanhamento (CLA) vieram dar uma forte visibilidade a esta dificuldade. Abrangendo, em grande percentagem, uma população em idade activa mas que se encontra fora do mercado de trabalho, o RMG, e em particular as CLA, têm um papel fundamental nos processos de inserção dos beneficiários. No entanto, a coordenação entre serviços não é ainda efectiva e falta às CLAs a figura de um "técnico de inserção" que assegure um acompanhamento mais eficaz dos programas de inserção, em particular no que respeito a uma inserção no mercado de trabalho.

dot Top


Objective

Text available in

* Promover uma abordagem compreensiva das dificuldades de acesso ao mercado de trabalho por parte dos grupos mais desfavorecidos da população, envolvendo os próprios, bem como diferentes actores sociais e económicos. * Promover a imagem das empresas com preocupações sociais, junto da sociedade em geral, recorrendo-se a órgãos de comunicação social e à criação / divulgação de materiais sobre boas práticas. * Sensibilizar empregadores para práticas de recrutamento e de gestão de pessoal não discriminatórias, utilizando-se, para o efeito, as boas práticas identificadas onde à responsabilidade social se associa, também, o êxito económico. * Identificar, juntamente com os empregadores, elementos de valorização de profissões com boa capacidade de oferta de emprego mas socialmente desvalorizadas. * Contribuir para a criação de "pontes" de articulação e coordenação efectivas entre as diferentes entidades (educação - saúde - acção social - formação - emprego), presentes em 5 Comissões Locais de Acompanhamento (CLA) do Rendimento Mínimo Garantido da área da Grande Lisboa. * Promover o desenvolvimento de competências para a função de "técnicos de inserção" entre os elementos das CLA. * Contribuir para alterar imagens estereotipadas em relação a certos grupos, junto do tecido empresarial e da sociedade em geral; Promover uma imagem positiva de profissões socialmente desvalorizadas e com boa capacidade de oferta de emprego, através da criação de slogans e da divulgação de casos de sucesso. * Promover a empregabilidade de grupos desfavorecidos da população, através de uma "formação integrada" com recurso ao desenvolvimento de competências pessoais, sociais e relacionais e a uma formação profissional em contexto real de trabalho com o respectivo "follow up". - Promover a sociedade da comunicação enquanto cultura informacional, mediante acções de «motivação activa para procurar a informação e a competência para aplicar a informação às situações sociais».

dot Top



Logo EQUAL

Home page
DP Search
TCA Search
Help
Set Language Order
Statistics