IMPORTANT LEGAL NOTICE
 

 REDE DE ARTESÃOS ascii version

Portugal

 
DP Managing organisation : SERVIÇO DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA TOXICODEPENDENCIA - Direcção Regional do Al
Other national partners : AMBIFARO - Agência para o Desenvolvimento Económico de Faro, S.A.
Fundação António Silva Leal
EQUAL theme :Employability - (Re-)integration to the labour market 
Type of DP :Geographical - Urban area - ALGARVE 
DP Legal status :Other 
DP identification :PT-2001-071 
Application phase :Approved for action 2 
Selection date :09-09-2002 
Last update :10-01-2005 
Monitoring: 2002  2003  2004   

Rationale

Text available in

-em inglês (máximo 10 000 caracteres) In order to work in the field of substance abuse it is essential that the issue be assessed within the context of the battle against social exclusion and the fight for the social reintegration of those people who, for a variety of reasons, have become drug addicts. Social exclusion is one of the most worrying problems for persons and agencies that operate within the European Union´s social environment. Society excludes people from various systems which gives rise to social inequality. Ultimately, the excluded begin to seriously attack the society of the "included". This can be seen as a real crisis of substance in the rule of law in which is settled our social behaving The forces that generate social exclusion provoke the appearance of extremely subjective factors in the definition of concepts such as economic viability and competition, and others. On the other hand, each individual feels he must distinguish himself from his peers, to better himself in order to be competitive, and hence be more successful than his peers. This situation creates the appearance of closed circuits because competition can only occur if other competitors exist. Other members of society only have intrinsic worth if they can also compete. This way of thinking results in the social exclusion of those who cannot compete. Because I have to have competitors, but only can compete with me those who can do it Therefore, there exists a group of people outside this world of competition whose skills aren't recognized. On the other hand, I only exist if I have competitors, because the reason to be of my competition is the competition itself and the resulting challenges. The result of this situation is fear, which is used as a weapon by the excluders. Fear of losing one's job, fear of not being able to find a new job and the fear of being stigmatized. Society tends to leave behind or leave out all those who do not "add value", those who fail to conform to the norm and those who are just different. If we start with this point of view we should ask ourselves the following: what are our values? Do we believe in the equality and the dignity of the individual? Are human rights in danger, particularly in the democratic Western World? We can think that democracy and human rights are a load of waffle. It is often thought that without a democratic system human rights do not exist or are continually violated and the reason for that is the democracy vitiation. A true democratic regime would never call in question the human rights. However, human rights are not only under attack in dictatorial regimes, but also in exemplary democracies, where the incursions are far more subtle. It is difficult identifying human rights violations when they occur in democratic states, because they are annonymously carried out on a daily basis against those most marginalised or against those we don't accept because they are "different". Racism and xenophoby also undermine human rights. When discussing democracies and dictatorships, it is not a question of resistance to the established power, but more in terms of the vigilance and prevention, without discouraging or lowering our guard, because human rights are fragile and rely on the support of all, in order that the dignity of the individual be safeguarded. Human rights fill a void, although it is artificial from our point of view, left by the "end of ideology". During the Cold War it was easier to identify violations, now we must look a fresh at our society and the way it is organised. After disenchantment little or nothing remains. The religious and moral systems that in times past served to structure societies have been reduced to the sphere of the private or individual, which in the end, means a privatisation of the religion. The public space, society and the community have been transformed into a neutral camp. Hence, societies have become incapable of establishing fundamental values that must be shared by all. After WW2, a group of people had the ability and courage to put forward a set of fundamental values. Presently, societies are inward looking, behaving as if everything has already been done, showing a heart-breaking inability to express ideas or ideals for humanity. Ethics do not exist without memory, without a complete vision, but we must not forget that our liberty came at a high price, for us now to act as if our rights are inalienable and that there is no need to do anything, because everything has already been done. But what happens to those individuals who are stuck without a right to anything? Ultimately the "included" end up demanding that there rights are protected by the state, against the excluded and marginalised. As Goethe said:"..what you can do or dream you can do, begin it. Boldness has genius, power and magic in it." What´s important is dare to discuss and fight for the rights of others, because that´s the only way of protecting our own rights. Therefore, treatment for substance abusers is only viable if the environment from whence they came is transformed. From there, to invest in structures and teams without endangering those who construct the dialogue and the social representatives of drugs ("normal" citizens) will fail. Therefore, by standing substance abusers alongside businessmen who can teach them , in order that these persons have rights and duties is to influence the dominant culture, full of prejudices and little solidarity, in order that something changes in terms of the forma and content, that is easier the integration of ex/substance abusers On the other hand, we know that some substance abusers, due to the consequences of taking drugs (decrease in intellectual and cognitive capabilities) as well as due to low levels of education, need to learn an art or skill in order to allow them to become independent in society. This will allow them to leave behind the exploitation, the precariousness that results in them becoming socially excluded in the first place. We know that the daily life of substance abusers is entirely dominated by drugs. Therefore, important though it is to encourage someone to return to work, it is equally important to alter the routine of their daily lives. On the other hand, creating a teacher-student relationship as a base for learning an art or skill where imitation and repetition has a principle role, is the most appropriate method for those substance abusers we seek to assist. Knowing that stabilising substance abusers is an essential condition in order that they adopt different values to those surrounding the taking of drugs., that which could only occur if the environment was very different. By experiencing new experiences without drugs, learning to define aims that step by step integrates the person into the community, recognising and being recognised as having value in everything he does. Many people, inspite of their addiction, have the potential to become functioning members of society, useful to themselves and to society. This is an important step for independence and for a life without drugs. The community increasingly adopts a prime role in the resolution of phenomenas such as the exclusion linked to drugs, that´s why all interventions in these types of problems have to have a base in the community. The business community, and in particular those that produce manufactured goods, is the more available to take part in this Solidarity Network. Because the Artisans Network is essentially this: solidarity. To give a little to those who need it. But we cannot have a discourse that excludes organisations in the private, public and social spheres. We all have a role to play. Substance abusers have the right to be treated in the same way as any other person with an illness, because only in this way will they be able to have a presence in the community and society.

dot Top


Objective

Text available in

- Em inglês (máximo 2000 caracteres) - To provide pre-work skills to 200 substance abusers currently being treated by specialised units of the Regional Government Authority in order that they can support themselves. - To test the value of methadone and buprenofhine on specially selected individuals within the social integration groups. - To create an environment that encourages innovative thought on attacking social exclusion/substance abuse. - To create a specialised service in social reintegration in order to assure that the reintegration takes place under conditions different from the existing ones at the exclusion moment. - To provide substance abusers with tools to improve their lives. - To set up an Association of Entrepreneurs linked to the Artisans Network that creates a single qualification accepted by all companies in the region. - To create an alternative network of purchasers for the products produced by the Artisans Network. - That 87% of the beneficiaries will find work at the end of the project. - That 50% of the beneficiaries restore links with their families and that the rest establish links with other groups in which they will be recognised in a positive manner. - That all beneficiaries establish links with the Solidarity Network and the region´s various support centres, thereby building their levels of self-confidence that reduce the possibility of relapse. - To reduce the number of substance abusers in the region, thereby lowering the amount of crime commited in order to pay for drugs. - To help create a true solidarity platform by ensuring the entire region´s agencies work in unison.

dot Top


Innovation


Nature of the experimental activities to be implemented Rating
Integrated measures (pathway to integration) ****
Employment creation and support ****

Type of innovation Rating
Goal-oriented ****

Text available in

O Projecto Rede de Artesãos é o único instrumento de raiz comunitária, (dinamizar o associativismo) concebidos sobre uma filosofia de prevenção das recaídas, atendo à redução de danos. Ou seja, para nós não existem os pressupostos da doença nem da repressão. Entendemos que as pessoas por uma variedade, quantas vezes não identificada, de motivos e motivações, consomem substâncias que as prejudicam, competindo-nos num primeiro momento considerar a pessoa em si e não a condição, nem fazemos juízo de valor ou morais. Neste Projecto a moral é algo do próprio e não se impõem. Temos ética mas uma ética enquanto justiça na acção. Por outro lado, a região onde estamos inseridos mostra uma vitalidade solidária para as questões da toxicodependência, competindo-nos liderar processos agregadores, transversais, sistémicos, que permitam a emergência de actores da sociedade civil, para assumir responsabilidades sobre um problema que a todos diz respeito. Pela primeira vez um projecto de cariz terciário, permite a convergência de outros níveis de intervenção nivelando por cima a actuação dos agentes sociais. Temos de entender e fazermo-nos entender que não faz sentido, em ordem à organização da comunidade actual, separar vertentes e assumir conceitos delineados nos anos sessenta. Os conceitos de prevenção primária, secundária e terciária, fazem sentido no modelo bio-médico, nós defendemos o modelo social, comunitário. Por outro lado, não assumir que os conceitos são construções mentais, é dizer que são imutáveis. Não, para nós os conceitos são dinâmicos e devem acompanhar as mudanças sociais. A inovação na PD é essencialmente qualitativa. Temos de assumir que os dinheiros que utilizamos são de todos, logo devemos ser capazes de dizer às pessoas onde e como os aplicamos e quais são os resultados. Numa base de avaliação técnica-cientifica, valorativa e reproduzível em outras realidades. Será esse o maior contributo da AMBIFARO. A FASL irá construir o instrumento que garantirá a continuidade da Rede de Artesãos, através da Associação de Empresários deste Projecto. Finalmente, não nos podemos esquecer que cada pessoa que retirarmos dos consumos de drogas estamos a recuperar, em média 1.500 ? (mil e quinhentos euros) por dia à economia paralela gerada pelo tráfico, o que significa alguns milhões por ano. Para além da estabilização na família, na comunidade e na sociedade. É sem dúvida um valor acrescentado, por cada pessoa que recuperamos, não apenas por ela em si mesma, mas para o todo comunitário.

dot Top


Budget Action 2

1 500 000 – 2 000 000 €

dot Top


Beneficiaries


Assistance to persons 
Unemployed  25.0%  25.0% 
Employed  25.0%  25.0% 
Others (without status, social beneficiaries...)  0.0%  0.0% 
  100.0% 
 
Migrants, ethnic minorities, …  0.0%  0.0% 
Asylum seekers  0.0%  0.0% 
Population not migrant and not asylum seeker  50.0%  50.0% 
  100.0%
 
Physical Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Illness  0.0%  0.0% 
Population not suffering from a disability  50.0%  50.0% 
  100.0% 
 
Substance abusers 50.0%  50.0% 
Homeless  0.0%  0.0% 
(Ex-)prisoners  0.0%  0.0% 
Other discriminated (religion, sexual orientation)  0.0%  0.0% 
Without such specific discriminations  0.0%  0.0% 
  100.0% 
 
< 25 year  12.5%  12.5% 
25 - 50 year  37.5%  37.5% 
> 50 year  0.0%  0.0% 
   100.0% 

Assistance to structures and systems and accompanying measures Rating
Disabilities ****

dot Top


Empowerment

 

 With beneficiaries

Participation
Promoting individual empowerment
Developing collective responsibility and capacity for action
Participation in the project design
Participation in running and evaluating activities
Changing attitudes and behavior of key actors

 

 Between national partners

N.C.

dot Top


Transnationality

 

 Linguistic skills

  • português
  • português
  • English
  • français

 Percentage of the budget for transnational activities

  • 0.1%

 Transnational Co-operation Partnerships

Transnational Co-operation Agreement DPs involved
1848 The Sapiens Network CZ 17
DE EA-78004
FR NPC-2001-10065
IE 3
UKgb 32

dot Top


Background

 

 Involvment in previous EU programmes

  • One partner involved in A&E

dot Top


National Partners


Partner To be contacted for
SERVIÇO DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA TOXICODEPENDENCIA - Direcção Regional do Al Design of the project
DP managing organisation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
AMBIFARO - Agência para o Desenvolvimento Económico de Faro, S.A. Evaluation
Fundação António Silva Leal Co-ordination of experimental activities

dot Top


Agreement Summary

Text available in

The presented agreement of partnership involves three partners: the entity manager of project - SPTT -whose mission is the prevention of drugs consumption, treatment of drug addictors and reinsertion in the active life; the AmbiFaro that if deals with an agency of regional economic development, possessing as flowing basic of its actions to incentivate/promote changes in the local productive base, and the FASL, institution that, among others functions, promotes different activities of social share next to childhood, youth and third age. As general objectives of project can be pointed: the community compromise in the acceptance of the difference as it guarantees of the common enrichment; the contribution for one EU more joust for the exclude ones; the response of good practical in the different countries who cooperate and still construction of a referential of good pratices/abilities passible of adoption on different realities. In the scope of the partnership the SPTT has as primordial function the implementation, accompaniment and execution of the project, the joint with the different partners and the managing entity. The AmbiFaro has as basic mission the development of a methodology of evaluation of the project, where if it includes an pre-evaluation, as well as diverse reports and partner FASL that has as function the construction of all the necessary passages to the construction of an Association of the Artisans Network, appointedly the legal initiatives for such end. In management terms, the partnership will function in the base of a protocol in the scope of which if it defines the decision levels; for all the effects, the PD will have the following agencies: Agency of Management, composition for Director of SPTT, President of the FASL and General Director of AmbiFaro; Agency of Technique Coordination, composition for a head of equips of Artisans Network project, for responsible of FASL and an other of AmbiFaro.

Last update: 10-01-2005 dot Top


SERVIÇO DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA TOXICODEPENDENCIA - Direcção Regional do Al

(-)
Av. Columbano Bordalo Pinheiro, n.º 87 - 2.º
-
P-1070-062-LISBOA Lisboa

Tel:+351217235637
Fax:217271599
Email:ariana.menezes@sptt.min-saude.pt

 
Responsibility in the DP: Design of the project
DP managing organisation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:07-06-2002 /

Text available in

A DRA/SPTT é uma entidade do Ministério da Saúde, que tem por missão, prevenir o consumo de drogas, tratar as pessoas portadoras de dependência e reinserir na vida activa todos aqueles que necessitem de instrumentos para esse efeito.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
António Brito Camacho António +351289888351 No mail submited Entity contact person responsable for this project

Last update: 10-01-2005 dot Top


AMBIFARO - Agência para o Desenvolvimento Económico de Faro, S.A.

(-)
Praça José Afonso 22
-
P-8000-173-FARO Faro

Tel:+351289803711
Fax:289803712
Email:-

 
Responsibility in the DP: Evaluation
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:ALGARVE
Date of joining / leaving:07-06-2002 /

Text available in

Tem por missão influenciar mudanças na base produtiva local, apostando na modernização das infraestruturas, enquanto agente dinamizador/incentivador de actividades económicas. A existencia decorre da vontade manifestada por várias associações empresariais, entidades públicas e autarquia no sentido de se desenvolver actividades inovadoras em certos campos da promoção do desenvolvimento económico do concelho de Faro. Grande parte dos projectos realizados têm como quadro de trabalho a organização de actividades em torno de redes de cooperação. As actividades centram-se sobretudo no marketing, relacionadas com a reabilitação urbana e manutenção de espaços verdes, na inserção sócio-profissional em àreas de trabalho em determinados projectos em que a integração de diferentes politicas sectoriais é fundamental. Àreas de intervenção: Marketing da cidade, promoção de empresas, emprego/inserção social, desenvolvimento local sustentável, iniciativas turisticas e urbanismo comercial.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
João Vargues João +351289803711 No mail submited Entity contact person responsable for this project

Last update: 10-01-2005 dot Top


Fundação António Silva Leal

(-)
Praça de Londres, nº 9 - 2º Esq.
-
P-1000-192-LISBOA Lisboa

Tel:+351218470633
Fax:218470632
Email:administracao@fasl.pt

 
Responsibility in the DP: Co-ordination of experimental activities
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:07-06-2002 /

Text available in

Instituição sem fins lucrativos, com o objectivo de desenvolvimento de actividades no âmbito da Acção Social. Destacam-se os equipamentos sociais: creche, jardim de infância, colónia de férias, centro de dia e lar de idosos, três empresas de inserção. Destaca-se ainda um projecto integrado de desenvolvimento comunitário. Actualmente aponta-se a participação técnica e financeira do projecto de desenvolvimento comunitário "Sol Nascente". A entidade é promotora do plano municipal de prevenção da toxicodependência do concelho de Faro.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Natália Assunção Cardoso Calças Natália +351289888188 No mail submited Entity contact person responsable for this project

Last update: 10-01-2005 dot Top



 
 
 
 

 
 
 
 

 
 
 
 
Warning! This section is not meant to be read directly, but rather be navigated through from the main page above.
 
 
 
 

REDE DE ARTESAOS

Rationale

Text available in

Ao falarmos de trabalho com pessoas toxicodependentes devemos ter em conta os factores condicionantes desta perspectiva. Ou seja, não adianta tentar compreender o fenómeno, problema ou temática, fora do contexto do combate à exclusão e à luta pela inserção ou enquadramento social de pessoas, que por força de um conjunto de variáveis, se encontram em determinada situação. A exclusão é um dos problemas que mais preocupa pessoas e entidades com responsabilidade de pensar a sociedade, num contexto alargado, como é a União Europeia. Sabe-se que a sociedade actual gera excluídos de diferentes sistemas, porque tem por detrás o que se convencionou chamar por assimetria/desigualdade social, gerando moles humanas de excluídos que provocam rupturas marcantes na organização sócio/comunitária, que podemos considerar como autêntica crise de subsistência da organização em Estado de Direito, sobre o qual assenta a nossa vivência social. Os processos que geram exclusão provocam o aparecimento de factores extremamente subjectivos na definição de conceitos como, economicamente viável, competição, etc. Por outro lado, cada indivíduo vê-se obrigado a especializar-se, a ultrapassar-se a si próprio, para poder ser competitivo. Ou seja, ultrapassar os outros. Esta situação provoca o aparecimento de circuitos fechados (pescadinha de rabo na boca), porque eu só posso competir se tiver competidores. O outro só tem validade se poder competir comigo. Nesta situação esquizoide temos um dos mecanismos excluidores. Porque eu tenho de ter competidores, mas só compete comigo quem pode. Assim, existe um conjunto de pessoas que ficam fora da competição, que não vêem reconhecidas as suas habilidades para poderem competir. Por outro lado, eu só existo se tiver competidores, porque a razão de ser da minha competição está na competição em si e os desafios que coloca constantemente. Assim, chegamos à consequência desta situação e que é, o medo. O medo é a arma dos excluidores. Medo de perder o emprego, medo de no caso de perder o emprego não voltar a ter outro, medo porque serei apontado como mais um - estigmatização social - e isso faz-me sentir mal, medo de quem necessita e procura por um emprego e pode não o encontrar, etc. A sociedade tende a deixar para trás ou de fora, todos aqueles que não são um valor acrescentado, ou não se ajustam à maioria normalizada, ou ainda e apenas porque são diferentes. Se tivermos estas ideias como ponto de partida, poderíamos perguntar a nós próprios, o seguinte: então, quais são os nossos valores? Acreditamos na igualdade e dignidade da Pessoas? Os direitos humanos estão em perigo, em particular no chamado "Mundo Ocidental" e democrático? Poderemos pensar que democracia e direitos humanos são uma treta. Muitas vezes temos tendência a pensar que sem um regime democrático os direitos humanos não existem ou são violados garantidamente, porque a razão não seria outra que não fosse a perversão da democracia. Porque, um verdadeiro regime democrático nunca poderá ter, se quer, a veleidade de colocar em causa os direitos humanos. Contudo, o perigo para os direitos humanos não advém apenas de regimes ditatoriais, mas também das mais aprazíveis democracias e nestas é muito mais subtil. A vivência num estado de direito/democracia, dificulta a identificação das violações dos direitos humanos, até porque estas ocorrem sobre os que vivem à margem ou são marginalizados, no dia-a-dia, anonimamente, ou então sobre aqueles que nós não aceitamos, porque são diferentes. Assim, temos fenómenos como o racismo e xenofobia. Na dicotomia democracia/ditadura, não se coloca a questão de luta ou resistência ao poder estabelecido, mas sim em termos de vigilância e prevenção, sem desmorecermos ou baixarmos a guarda, porque os direitos humanos são frágeis e têm de contar com o apoio de todos, para que a dignidade da Pessoa seja uma constante em todo e qualquer lugar. Os direitos humanos vieram preencher um vazio, ainda que artificial do nosso ponto de vista, deixado pelo desaparecimento das ideologias. Porque, se no confronto de dois blocos era mais fácil identificar as violações, agora, esta ausência, obriga-nos a olhar de forma diferente para a nossa sociedade e a sua organização. Depois do desencanto, pouco resta, ou mesmo nada. Os sistemas religiosos e morais que em outras épocas serviam para estruturar as sociedades ficaram reduzidos à esfera privada ou individual, o que no fundo, significa uma privatização da religião. O espaço público, o social e comunitário, transformou-se num campo neutro. Neste sentido, as sociedades tornaram-se incompetentes para enunciar valores fundamentais que deveriam ser partilhados por todos. Depois da II Guerra Mundial, um grupo de pessoas teve a capacidade e coragem para propor ideais para que a humanidade os atingisse. Actualmente as sociedades acomodam-se, conformam-se, estruturam-se numa base egoísta e burguesa, comportando-se como se tudo já estivesse feito, demonstrando uma incompetência confrangedora para delinear ideais, utopias para a humanidade. Não existe ética sem memória, sem uma visão abrangente, mas não nos podemos esquecer que a nossa liberdade custou muito sangue, suor e lágrimas, para agora nos colocarmos como se tudo isto fosse um dado adquirido para sempre e não nos competisse fazer nada, porque tudo já foi feito e tudo está feito, qual supermercado das ideias, dos valores, dos princípios que estão numa qualquer prateleira, que alguns compram sempre que necessitam. E os outros? Os que não têm como aceder, que estão parados, como petrificados sem direito a nada. E que nós, os normalizados, padronizados, vivemos exigindo que os nossos direitos estejam constantemente disponíveis e protegidos pelo Estado, contra a mole humana de excluídos e marginalizados. Como dizia Goethe, "...tudo o que podes fazer ou sonhar, começa-o. A audácia contém génio, poder e magia". O que é importante é ousar discutir, contestar, pugnar pelos direitos dos outros, porque só assim teremos os nossos. Assim, os processos de tratamento de pessoas toxicodependentes só têm viabilidade se existir alguma transformação no meio envolvente do qual essas pessoas são originárias. Daí que, investir em estruturas e equipamentos sem comprometer aqueles que constróem o discurso e as representações sociais das drogas (cidadãos "normais"), é algo que está votado ao fracasso. Assim, ao colocarmos junto de empresários detentores de competências para ensinar a outros, pessoas toxicodependentes, o que sabem, para que estes se tornem pessoas de pleno direito e deveres, é influenciar a cultura predominante, plena de preconceitos e pouco solidária, para que algo mude na forma e conteúdo, que seja mais fácil o enquadramento de forma crítica e criativa das pessoas que foram dependentes, no meio ao qual pertencem. Por outro lado, sabemos da existência de uma percentagem de pessoas toxicodependentes que, por força das consequências do consumo, (diminuição das capacidades intelectuais e cognitivas) bem como pelos baixos níveis de escolarização, carecem de aprender uma arte ou ofício para se tornarem independentes em relação ao meio. Fugindo assim à exploração, à precariedade, que a existir reforça os mecanismos de exclusão, criando no próprio condições que são tidas como inultrapassáveis. Sabemos que a vivência das pessoas que consomem drogas, está circunscrita a histórias de, e apenas relacionadas com as drogas. Ora, tão importante como motivar alguém para o trabalho integrador é igualmente reconstruir o discurso, alterar as rotinas, para que as histórias passem a ser de vida sem substâncias danosas para a saúde e para o meio. Por outro lado, retomar a relação mestre-aprendiz como base da aprendizagem de uma arte ou ofício, onde a imitação e a repetição tem um papel preponderante, é o método mais apropriado para a população que servirmos, em ordem ao que atrás referimos. Sabendo-se que a estabilização das pessoas toxicodependentes é uma condição essencial para que estes interiorizem valores diferentes daqueles que rodeiam o consumo de drogas, tal só pode ocorrer se o ambiente for muito diferente. A experimentação de novas experiências sem drogas, permite que o próprio vá caminhando no sentido da responsabilização e reconhecimento dos limites dos sistemas, aprendendo a definir metas que, passo a passo, se vão cumprindo no sentido da integração na comunidade, reconhecendo-se e sendo reconhecido como mais valia para o todo do qual faz parte. Muitas pessoas, apesar da sua dependência, têm potencial passível de ser transformado em competências, úteis para o próprio e para o meio. Passo importante para a autonomia, para uma vida sem drogas. Cada vez mais a comunidade assume um papel preponderante na resolução de fenómenos como a exclusão ligada às drogas, pelo que todas as intervenções sobre este tipo de problemas têm que ter na base a comunidade. A comunidade empresarial, em particular a que produz produtos manufacturados, é a que mais disponibilidade tem para fazer parte desta Rede Solidária. Porque a Rede de Artesãos é essencialmente isso - solidariedade. Dar um pouco do que nos faz falta. Mas não podemos ter um discurso que exclua seja quem for, pelo que todo o tipo de organização será bem vinda, privada, pública ou social. Todos somos importantes para influenciar um problema que nos diz efectivamente respeito. As pessoas toxicodependentes têm direito a ser tratadas da mesma forma que outro doente qualquer, pelo que face ao conhecimento e levantamento de necessidades já realizado na actividade 1, sabemos que a abordagem tem de ser individualizada, mas simultaneamente abrangente, global e globalizante, porque só assim poderemos ter presente o comunitário e o social.

dot Top


Objective

Text available in

- Habilitar com competências pré-laborais 200 pessoas toxicodependentes, inseridas em processos de tratamento e que necessitem de apreender instrumentos, que gerem meios para a sua subsistência; - Testar através de grupo caso-controle a eficácia da metadona e da buprenorfina em utentes em integração social; - Gerar dinâmicas inovadoras que comprometam através do projecto a comunidade para o problema da exclusão/toxicodependência - Criar um serviço especializado em enquadramento social, por forma a que o regresso estruturado à comunidade, crítico e criativo por parte dos beneficiários, se processe num meio e cultura diferentes das existentes no início da desinserção; - Fornecer ferramentas que possibilitem às pessoas beneficiárias, transformar o seu potencial em competências a certificar; - Criar a Associação de Empresários da Rede de Artesãos, por forma a conseguir-se a aceitação das competências adquiridas pelos beneficiários, por todo o tecido produtivo da região; - Contribuir para a construção de um circuito alternativo à comercialização dos produtos da Rede de Artesãos e por acréscimo, daqueles enquadrados na definição de artesanato; - Conseguir vincular 87% dos beneficiários a um posto de trabalho, no final do projecto; - Conseguir que 50% dos beneficiários retomem os laços de ligação familiar e os restantes se integrem em espaços ou grupos, com os quais se identifiquem e sejam reconhecidos positivamente; - Que todos os beneficiários reconheçam e se revejam na Rede Solidária, pontos de apoio existentes na região, criando de forma gradual e sustentada níveis de confiança que previnam possíveis recaídas; - Contribuir para a redução do nº de pessoas toxicodependentes na região, influenciando variáveis como a segurança colectiva, baixando os índices de criminalidade ligada ao consumo de drogas; - Contribuir para a criação de uma verdadeira plataforma solidária, através da articulação com todos os projectos e entidades, que trabalham "o social" na região.

dot Top



Logo EQUAL

Home page
DP Search
TCA Search
Help
Set Language Order
Statistics