Porquê uma política neste domínio?

Nas escolas de toda a Europa, observa-se um aumento do número de crianças nascidas e criadas num país diferente. Esta situação pode originar uma sobrecarga ao nível das capacidades de ensino de línguas

български (bg) čeština (cs) dansk (da) Deutsch (de) eesti keel (et) ελληνικά (el) English (en) español (es) français (fr) Gaeilge (ga) hrvatski (hr) italiano (it) latviešu valoda (lv) lietuvių kalba (lt) magyar (hu) Malti (mt) Nederlands (nl) polski (pl) português (pt) română (ro) slovenčina (sk) slovenščina (sl) suomi (fi) svenska (sv) e muitas crianças imigrantes apresentam resultados escolares inferiores aos das outras crianças. Com efeito, a probabilidade de abandono escolar é duas vezes superior entre os estudantes nascidos fora da UE. Ao mesmo tempo, a maior diversidade constitui uma oportunidade para as escolas se tornarem mais inclusivas, criativas e abertas.

O que foi feito até agora?

  • A Comissão estabeleceu a rede Sirius, constituída por investigadores, decisores políticos e ONG, com o objetivo de melhorar a execução das políticas sobre migração e educação na UE.
  • A Comissão monitoriza as diferenças de resultados escolares entre alunos migrantes e locais nos sistemas educativos da UE: Progressos no sentido da realização dos objetivos comuns da UE em matéria de educação e formação — migrantes

    pdf

    (1.6 Mb)

    English (en)

 

Saiba mais