A vida de um euro

As notas e as moedas não duram para sempre. Elas têm uma vida limitada desde o seu desenho e produção até à sua utilização e eliminação. É aqui explicada a gestão deste ciclo de vida e quem é responsável por isso.

Euro: uma moeda com muitos desenhos

Que tipos de notas e moedas de euro existem e quem as produz?
Bem, o Banco Central Europeu, juntamente com os Bancos Centrais nos países da zona euro, decidem quando serão impressas mais notas.
As autoridades nacionais são responsáveis pelas moedas.




MOEDAS E PAÍSES
De que país é originário cada desenho da moeda de euro? Pensa rápido e reage depressa.

Notas

Como irás ver, todas as notas de euro com o mesmo valor têm o mesmo desenho em todos os países.

Assim, uma nota de 10 euros tem o mesmo desenho, independentemente de ser impressa em Espanha, Itália ou na Eslovénia.

Os desenhos nas notas de euros foram escolhidos após uma competição na altura de lançamento do euro. Se olhares para os desenhos, poderás ver que representam os diferentes estilos arquitectónicos na Europa ao longo dos tempos, principalmente em pontes e janelas.

As notas também incluem vários elementos de segurança para evitar que sejam copiadas ou falsificadas. Estes elementos de segurança incluem, entre outras coisas, uma faixa metálica e um holograma.


Moedas

As moedas de euro não são iguais em toda a Europa.

O lado comum das moedas de euro

Um dos lados das moedas de euro é igual em todos os países – este é designado por lado comum. O lado comum das moedas de euro e cêntimos mostra diferentes mapas da União Europeia.

O outro lado tem um desenho diferente dependendo do país que emitiu a moeda – este é designado por lado nacional.
Os desenhos nos lados nacionais são muito diferentes mas, geralmente, representam algum aspecto da história, arte ou natureza do país, entre outros temas.

Euro: impressão e cunhagem

Notas



PUZZLE DAS NOTAS
Junta as peças de cada nota de euro.

O Banco Central Europeu decide quando são impressas mais notas.

As autoridades nacionais são responsáveis pela cunhagem das moedas. Têm de ser impressas regularmente novas notas de euro para cumprir a necessidade crescente de dinheiro e para substituir notas desgastadas ou danificadas que são retiradas de circulação. É atribuída uma parte da produção de novas notas a cada banco nacional da zona euro. Como tal, independentemente do banco nacional que produz as notas de euro, estas são exactamente iguais, excepto os números de série; apenas as moedas têm desenhos nacionais.

Em dezembro de 2011, estavam em circulação quase 15 mil milhões de notas, cujo valor total excedia 880 mil milhões de euros.


Moedas

O BCE aprova a quantidade de moedas que cada país da zona euro pode produzir, em função das suas necessidades. Cada país é responsável pela cunhagem das suas próprias moedas com símbolos nacionais numa das faces.

Para produzir moedas de euro, é primeiro cunhada uma rodela vazia a partir de uma folha de metal. Esta rodela vazia é aquecida até amolecer – e as moedas de 1, 2 e 5 cêntimos são revestidas com cobre. As rodelas vazias são apertadas entre dois 'moldes de cunhagem' que marcam o desenho da moeda de euro na superfície da rodela. Para as moedas de um e dois euros, que são compostas por dois metais de cor diferente, estes dois metais são ligados ao mesmo tempo que o desenho é marcado na superfície. As moedas estão agora prontas a ser utilizadas. A produção das moedas é designada 'cunhagem'.

O que acontece às notas e moedas de euro antigas?

As notas e as moedas não duram para sempre. Elas podem ficar danificadas, desgastadas ou ser perdidas. Assim, as notas e moedas desgastadas e danificadas têm de ser identificadas e substituídas.

As notas desgastam-se muito mais depressa do que as moedas por serem feitas de materiais mais maleáveis e não de metais duros. Geralmente, uma nota dura apenas entre um ano e meio a dois anos.

As notas desgastadas e danificadas são devolvidas aos bancos centrais nacionais de cada país da UE por parte de organizações que trabalham frequentemente com dinheiro, como, por exemplo, os bancos. As quantidades e denominações destas notas são comunicadas ao Banco Central Europeu, que trata da impressão de notas de substituição, conforme necessário. As moedas duram mais tempo, geralmente várias décadas.

Quando são encontradas moedas danificadas, estas são devolvidas ao banco central nacional ou às Casas da Moeda nacionais, onde são tratadas em máquinas especiais que as marcam como danificadas. Desta forma, elas não podem ser novamente utilizadas e são vendidas como pedaços de metal. Com a aprovação do Banco Central Europeu, os bancos nacionais emitem novas moedas de substituição, se necessário.