Percurso de navegação

Sondagens de opinião

É essencial acompanhar a evolução da opinião do público sobre o euro e compreender os fatores que a influenciam. Desta forma, podem detetar-se eventuais lacunas de informação entre os cidadãos da UE e adaptar as mensagens e os instrumentos de comunicação às suas necessidades reais.

A Direção-Geral dos Assuntos Económicos e Financeiros (DG ECFIN) da Comissão realiza regularmente sondagens de opinião tanto nos países da zona euro como nos outros Estados-Membros que se espera venham a adotar o euro.

Cada Flash Eurobarómetro inclui um relatório sucinto, com abelas de resultados por país a partir de 2006, e um relatório de análise detalhado.

Sondagens de opinião nos países da zona euro

Zona euro

Países que passaram recentemente ao euro

Lituânia

 Letónia

Estónia

Inquéritos anteriores: Sítio Web do Eurobarómetro

Sondagens de opinião nos países da UE ainda não adotaram o euro

Informações gerais sobre as sondagens de opinião

O lançamento das notas e moedas de euro, em 1 de janeiro de 2002, foi precedido e seguido de um acompanhamento intensivo da opinião pública. As sondagens iniciaram-se em 2000, foram realizadas com uma periodicidade quase mensal em 2001 e nos meses subsequentes à passagem para o euro, e assim continuaram, mas mais espaçadas. Desde o final de 2002, a Comissão segue de perto e quantifica o estado da opinião pública na zona euro, com inquéritos realizados pelos menos uma vez por ano. Os resultados, juntamente com os dados de 2000-2002, permitem acompanhar a evolução da opinião dos cidadãos da zona euro sobre a sua nova moeda.

Desde 2004, a Comissão realiza também sondagens de opinião duas vezes por ano nos países que entretanto aderiram à UE e que se preparam para adotar o euro. A frequência dos inquéritos pode ser acelerada nos países que estão prestes a adotar o euro ou que acabam de o fazer, como a Estónia e a Letónia e a Lituânia. Nestes casos, os inquéritos podem ser mais frequentes e levantar outras questões.

A maior parte dos inquéritos são feitos sob a forma de entrevista telefónica e podem ser consultados no sítio Web do Eurobarómetro, onde também são publicados estudos qualitativos menos frequentes, realizados com base em entrevistas diretas e grupos específicos.