Percurso de navegação

As minhas prioridades

 

Na qualidade de Comissária da Educação, Cultura, Multilinguismo e Juventude, darei prioridade às acções que podem trazer benefícios concretos às pessoas e contribuir para uma Europa melhor.

A educação e a formação são dois elementos centrais da estratégia Europa 2020 da Comissão para uma economia competitiva, sustentável e respeitadora do ambiente.  As minhas prioridades enquadram-se nas orientações políticas gerais da Comissão para os próximos cinco anos:

 

  • melhorar as competências e o acesso àeducação e à formação,tendo em conta as necessidades do mercado;
  • incentivar os jovens a estudar no estrangeiro e aumentar asoportunidades para os jovens;
  • promover a expressão cultural e a criatividade para todos.

Educação

 

É necessário melhorar a educação, a investigação e a inovação para:

  • assegurar a competitividade da Europaà escala mundial;
  • preparar os jovens para o mercado de trabalho actual;
  • fazer face às consequências da crise económica.

Temos de começar pelos mais jovens, mais concretamente, pela formação de professores, que continuam a sero principalfactor determinante do êxito futuro dos seus alunos. O aumento do nível da qualidade do ensino também reforçará o valor intrínseco da educação infantil.

 

Procuraremos ajudar de forma activa:

  • os jovens que abandonam a escola prematuramente (1 em cada 7);
  • os jovens de 15 anos com dificuldades para ler (1 em cada 5);
  • os 80 milhões de pessoas com qualificações insuficientes ou elementares.

 

Procurarei promover políticas destinadas a reduzir o abandono escolar precoce e apresentar propostas que reforcem a avaliação comparativa a fim de melhorar as políticas em matéria de empregabilidade, de mobilidade no domínio da aprendizagem e de aprendizagem de línguas.

 

O ensino superior é outro factor fundamental para elevar os níveis de competências.Apesar dos progressos realizados graças ao processo de Bolonha de reforma do ensino superior, as universidades europeias nem sempre se encontram entre as melhores do mundo.Há que trabalhar para que isso mude.

 

Tenciono trabalhar no sentido de impulsionar e modernizar o ensino superior, a fim de que a Europa se torne o destino favorito de estudantes e investigadores através, nomeadamente, dos seguintes meios:

 

Ajudaremos o IET a tornar-se a figura emblemática da Europa do futuro, baseada no conhecimento.As acções Marie Curie contribuirão para tornar realidade o espaço europeu do ensino superior e da investigação, de forma a que o conhecimento, assim como os investigadores e os estudantes que estão na sua origem, possa circular livremente além-fronteiras, fomentando a inovação em toda a Europa.

 

O programa Erasmus é uma história de sucesso, mas gostaria de o promover ainda mais, melhorando a qualidade e o respectivo financiamento.Ainda estamos longe do objectivo dos 3 milhões de estudantes Erasmus até 2012, e a participação no programa tem diminuído num terço dos países participantes.

 

O programa Erasmus Mundus, que apoia o intercâmbio entre as instituições universitárias da UE e as do resto do mundo, tornou-se um símbolo da integração  e da criação de pontes em todo o planeta.Procurarei promovê-lo  por toda a parte, a fim de reforçar a visibilidade a nível mundial do ensino superior europeu.

 

Para o efeito, trabalharei em estreita colaboração com as autoridades nacionais, a fim de instituir métodos com base nas boas práticas e na avaliação comparativa que nos permitam enfrentarmos juntos os desafios comuns.Procurarei obter mais recursos da UE para esse efeito.

 

Tal como mostram os programas europeus, estudar no estrangeiro é um método muito eficaz para aumentar as competências (nomeadamente a nível das línguas) e a empregabilidade e para favorecer a abertura a outras culturas.Estou a pensar em criar um enquadramento para a iniciativa «Juventude em Movimento» no Verão de 2010 e propor um programa para essa iniciativa o mais brevemente possível,  a fim de promover a diversidade cultural, o diálogo intercultural e a aprendizagem de línguas.

 

Cultura

Desejo criar um ambiente propício à criatividade, à inovação e à expressão cultural.Pretendo fomentar as indústrias culturais e criativas (que representam 2,6% do PIB europeu), a fim de estimular a inovação e o crescimento.A publicação de um Livro Verde em 2010 permitir-nos-á orientar melhor as acções nesta área quer a nível europeu quer nacional.

 

Apresentarei brevemente uma proposta relativa à marca do património europeu , para dar visibilidade aos sítios que encarnam os ideais europeus, promovendo assim um sentimento de identidade e de pertença à Europa.

 

Conto tirar partido do êxito doprograma MEDIA, que ajuda a promover a cultura europeia no mundo, apoiando financeiramente a produção e distribuição de filmes europeus e a formação neste domínio.O nosso objectivo é promover uma indústria líder no mercado mundial, que fomente o emprego e o crescimento.Prestarei também uma atenção especial ao impacto das tecnologias digitais no cinema.

 

A nível da protecção dos direitos de autor, colaborarei estreitamente com os outros Comissários no que diz respeito à novaagendadigital procurando conciliar, por um lado, um acesso mais alargado à cultura e, por outro, uma remuneração justa dos artistas (aspecto fundamental para a diversidade cultural).
De um modo mais genérico, esforçar-me-ei por que as prioridades culturais sejam integradas nas restantes políticas europeias.

 

Multilinguismo

 

Saber línguas é útil quer a nível profissional quer social e permite uma abertura à diversidade cultural, que é parte integrante da riqueza da Europa.Devemos apoiar não só as 23 línguas oficiais da UE, mas também as 60 línguas regionais e minoritárias da Europa.

 

Uma das minhas principais tarefas consistirá em promover a aprendizagem de línguas desde muito cedo. O nosso objectivo é que cada cidadão da UE fale pelo menos duas línguas estrangeiras além da sua própria língua.O conhecimento de línguas melhora as perspectivas de emprego, a comunicação e uma melhor compreensão, na Europa e no mundo.

 

 

Desporto

 

Apesar de o desporto não estar incluído no designação oficial do meu pelouro, considero-o parte importante das minhas funções.Tenciono, estudar a forma de tirar pleno partido das novas competências que o Tratado de Lisboa confere à UE no domínio desportivo.O desporto tem uma enorme importância a nível da educação, formação, integração social e saúde,além de um impacto económico considerável.

Trabalharei em conjunto com as organizações profissionais e amadoras para:

•        promover uma competição leal;

•        lutar contra o doping;

•        proteger os jovens desportistas, quer amadores quer profissionais;

•        combater o racismo e a violência;

•        promover o desporto para todos e a prática desportiva ao longo da vida, de forma a que os Europeus tenham uma vida saudável desde a idade pré-escolar até à velhice.

 

Uma nota pessoal…

Tal como muitos europeus, a educação, a cultura, as línguas, a juventude e o desporto são temas que me tocam profundamente.

É por esse motivo que tenciono auscultar cuidadosamente todas as partes interessadas logo numa fase inicial da formulação de políticas. Trabalhando em conjunto, obteremos certamente resultados mais concretos, credíveis e representativos.

 

Androulla Vassiliou

 

Quer comentar as minhas prioridades?

Contacto para jornalistas

 

As minhas prioridades

 

Na qualidade de Comissária da Educação, Cultura, Multilinguismo e Juventude, darei prioridade às acções que podem trazer benefícios concretos às pessoas e contribuir para uma Europa melhor.

A educação e a formação são dois dos elementos centrais da estratégia Europa 2020 da Comissão para uma economia competitiva, sustentável e respeitadora do ambiente. As minhas prioridades enquadram-se nas orientações políticas gerais da Comissão para os próximos cinco anos:

 

  • melhorar as competências e o acesso àeducação e à formação, tendo em conta as necessidades do mercado;
  • melhorar a mobilidade no domínio da aprendizagem e proporcionar mais oportunidades para os jovens;
  • promover a expressão cultural e a criatividade para todos.

 

Education

 

É necessário melhorar a educação, a investigação e a inovação para:

  • assegurar a competitividade da Europaà escalamundial;
  • preparar os jovens para o mercado de trabalho actual;
  • fazer face às consequências da crise económica.

Temos de começar pelos mais jovens, mais concretamente, por melhorar aformação dos professores, que continuam a ser o factor determinante do êxito futuro dos seus alunos. O aumento do nível da qualidade do ensino também reforçará o valor intrínseco da educação infantil.

 

Procuraremos ajudar de forma activa:

  • os jovens que abandonam a escola prematuramente (1 em cada 6);
  • os jovens de 15 anos com dificuldades de leitura (1 em cada 5);
  • os 80 milhões de pessoas com qualificações insuficientes ou elementares.

 

Procurarei promover políticas destinadas a reduzir o abandono escolar precoce e apresentar propostas que reforcem a avaliação comparativa a fim de melhorar as políticas em matéria de empregabilidade, de mobilidade no domínio da aprendizagem e de aprendizagem de línguas.

 

O ensino superior é outro factor fundamental para elevar os níveis de competências. Apesar dos progressos realizados graças ao processo de Bolonha de reforma do ensino superior, as universidades europeias nem sempre se encontram entre as melhores do mundo. Há que trabalhar para que isso mude.

 

Tenciono trabalhar no sentido de impulsionar e modernizar o ensino superior, a fim de que a Europa se torne o destino favorito de estudantes e investigadores através, nomeadamente, dos seguintes meios:

 

Ajudaremos o IET a tornar-se a figura emblemática da Europa do futuro, baseada no conhecimento. As acções Marie Curie contribuirão para tornar realidade o espaço europeu do ensino superior e da investigação, de forma a que o conhecimento, assim como os investigadores e os estudantes que estão na sua origem, possa circular livremente além-fronteiras, fomentando a inovação em toda a Europa.

 

O programa Erasmus é uma história de sucesso, mas gostaria de o promover ainda mais, melhorando a qualidade e o respectivo financiamento. Ainda estamos longe do objectivo dos 3 milhões de estudantes Erasmus até 2012, e a participação no programa tem diminuído num terço dos países participantes.

 

O programa Erasmus Mundus, que apoia o intercâmbio entre as instituições universitárias da UE e as do resto do mundo, tornou-se um símbolo da integração e da criação de pontes em todo o planeta. Procurarei promovê-lo  por toda a parte, a fim de reforçar a visibilidade a nível mundial do ensino superior europeu.

 

Para o efeito, trabalharei em estreita colaboração com as autoridades nacionais, a fim de instituir métodos com base nas boas práticas e na avaliação comparativa que nos permitam enfrentarmos juntos os desafios comuns. Procurarei ainda obter mais recursos da UE para esse efeito.

 

Tal como mostram os programas europeus, estudar no estrangeiro é um método muito eficaz para aumentar as competências (nomeadamente a nível das línguas) e a empregabilidade e para favorecer a abertura a outras culturas. Tenciono criar um enquadramento para a iniciativa «Juventude em Movimento» no Verão de 2010 e propor um programa para essa iniciativa o mais brevemente possível,   a fim de promover a diversidade cultural, o diálogo intercultural e a aprendizagem de línguas.

 

Culture

Desejo criar um ambiente propício à criatividade, à inovação e à expressão cultural. Pretendo fomentar as indústrias culturais e criativas (que representam 2,6% do PIB europeu), a fim de estimular a inovação e o crescimento.  A publicação de um Livro Verde em 2010 permitir-nos-á orientar melhor as acções nesta área quer a nível europeu quer nacional

 

Apresentarei brevemente uma proposta relativa à marca do património europeu , para dar visibilidade aos sítios que encarnam os ideais europeus, promovendo assim um sentimento de identidade e de pertença à Europa.

 

Conto tirar partido do êxito do programa MEDIA, que ajuda a promover a cultura europeia no mundo, apoiando financeiramente a produção e distribuição de filmes europeus e a formação neste domínio. O nosso objectivo é promover uma indústria líder no mercado mundial, que fomente o emprego e o crescimento. Prestarei também uma atenção especial ao impacto das tecnologias digitais no cinema.

 

A nível da protecção dos direitos de autor, colaborarei estreitamente com os outros Comissários no que diz respeito à nova agenda digital procurando conciliar, por um lado, um acesso mais alargado à cultura e, por outro, uma remuneração justa dos artistas (aspecto fundamental para a diversidade cultural).
De um modo mais geral, esforçar-me-ei por que as prioridades culturais sejam integradas nas restantes políticas europeias.

 

Multilingualism

 

Saber línguas é útil quer a nível profissional quer social e permite uma abertura à diversidade cultural, que é parte integrante da riqueza da Europa. Devemos apoiar não só as 23 línguas oficiais da UE, mas também as 60 línguas regionais e minoritárias da Europa.

 

Uma das minhas principais tarefas consistirá em promover a aprendizagem de línguas desde muito cedo.  O nosso objectivo é que cada cidadão da UE fale pelo menos duas línguas estrangeiras além da sua própria língua.O conhecimento de línguas melhora as perspectivas de emprego, a comunicação e uma melhor compreensão, na Europa e no mundo.

Youth

A política europeia da juventude procura corresponder às expectativas dos jovens, em constante evolução, incentivando-os simultaneamente a ter um papel activo na sociedade. Para esse efeito, foi instituído o programa «Juventude em acção» inteiramente consagrado aos jovens, com os seguintes objectivos:

  • promover um sentimento de cidadania europeia activa e a tolerância entre os jovens europeus;
  • implicar os jovens na construção do futuro da UE.

Continuarei a promover e a apoiar a aprendizagem não formal e o diálogo intercultural entre os jovens europeus, bem como a integração de todos os jovens, em especial daqueles oriundos de contextos socioeconómicos mais desfavorecidos.

Procurarei incentivar os jovens a tentar a experiência de viver e trabalhar noutros países a fim de alargar os horizontes e de melhorar as perspectivas de emprego.

 

Sport

 

Apesar de o desporto não estar incluído na designação oficial do meu pelouro, considero-o parte importante das minhas funções. Tenciono estudar a forma de tirar pleno partido das novas competências que o Tratado de Lisboa confere à UE no domínio desportivo. O desporto tem enorme importância a nível da educação, formação, integração social e saúde, além de um impacto económico considerável.

Trabalharei em conjunto com as organizações profissionais e amadoras para:

  • promover uma competição leal;
  • lutar contra odoping;
  • proteger os jovens desportistas, quer amadores quer profissionais;
  • combater o racismo e a violência;
  • promover o desporto para todos e a prática desportiva ao longo da vida, de forma a que os Europeus tenham uma vida saudável desde a idade pré-escolar até à velhice.

 

Uma nota pessoal…

Tal como para muitos europeus, a educação, a cultura, as línguas, a juventude e o desporto são temas que me tocam profundamente.

É por esse motivo que tenciono auscultar cuidadosamente todas as partes interessadas logo numa fase inicial da formulação das políticas. Trabalhando em conjunto, obteremos certamente resultados mais concretos, credíveis e representativos.

 

Androulla Vassiliou

 

Quer comentar as minhas prioridades?

Contacto para jornalistas

Última actualização: 13/06/2012 |  Topo