Este sítio foi arquivado em 18/07/2014
18/07/2014

Percurso de navegação

Indústria e empreendedorismo

Educação para o empreendedorismo

A educação para o empreendedorismo é um fator fundamental para a retoma económica

O que fazer para que o desemprego juvenil se torne uma lembrança do passado? Em vez de procurarem convencer as empresas a dar emprego aos jovens, os países europeus deveriam consagrar mais recursos a ensiná-los a criar uma empresa e a tornar-se o seu próprio patrão.

O ensino desempenha um papel fundamental nesta verdadeira revolução cultural. É verdade que algumas pessoas nascem com um espírito empresarial. Mas, na maioria dos casos, é necessário aprender a ser empresário. Uma prova disso é o facto de entre 15% e 20% dos alunos que participam num projeto de criação de miniempresas durante o ensino secundário criarem mais tarde a sua própria empresa e de esta percentagem ser cerca de três a cinco vezes superior à da população em geral.

«É ilusório pensar que poderão ser criados postos de trabalho através da expansão de serviços públicos já de si desproporcionados ou de incentivos ao recrutamento de pessoal por parte das grandes empresas. A maioria dos novos postos de trabalho serão criados por microempresas ou pequenas e médias empresas, lançadas, na sua maioria, por jovens. Este é o verdadeiro potencial que devemos explorar. Uma vez que a vontade e a capacidade para criar uma empresa não é apenas uma questão de temperamento pessoal, apresentámos uma proposta para incluir o ensino do empreendedorismo e programas de promoção do espírito empresarial nos programas do ensino obrigatório. Este aspeto é fundamental para combater o desemprego na Europa, especialmente entre os jovens.»

Apesar disso, os sistemas de ensino europeus não ensinam aos alunos as competências necessárias a qualquer empreendedor. É preciso alterar esta situação a todos os níveis. Assim, até ao final de 2015, os países da UE devem assegurar a integração do empreendedorismo nos programas do ensino básico, secundário, profissional e superior, assim como a educação para adultos.

A Comissão insta as universidades a tornar-se mais empreendedoras e a incrementar a sua colaboração com o mundo empresarial para que as melhores ideias dos investigadores e estudantes se transformem rapidamente em empresas rentáveis.

Estão em curso trabalhos para fomentar o papel impulsionador das universidades na criação de empresas, assim como a existência de ecossistemas entre universidades e empresas para dar resposta às grandes mudanças da sociedade. Em colaboração com a OCDE, foi criado um quadro de orientação para as universidades que promovem o empreendedorismo, a fim de as ajudar a adotarem módulos de aprendizagem baseados no empreendedorismo.

Um ensino mais orientado para o empreendedorismo deve ser complementado por uma formação adequada e por medidas de apoio à criação de empresas. Os estudantes devem ter a oportunidade de adquirir, pelo menos, uma experiência empresarial prática antes do final da escolaridade obrigatória.

O mecanismo de garantia para a juventude proporcionará aos jovens novas possibilidades concretas. O orçamento europeu será utilizado para financiar ações de formação e novos programas de aprendizagem destinados aos jovens e aos adultos que necessitem de programas de reciclagem.

Após um primeiro contacto com o empreendedorismo nos bancos da escola e na universidade, os potenciais empresários podem ainda adquirir experiência no terreno e alargar a sua formação e oportunidades de contactos profissionais através do programa de intercâmbio Erasmus para jovens empresários.

Ajudar os jovens é não só um dever, mas também um bom investimento, uma vez que as empresas em fase de arranque podem desempenhar um papel fundamental no relançamento do crescimento económico da Europa e no desenvolvimento de novas ideias e práticas empresariais.

Mais informações Deutsch (de) English (en) français (fr) italiano (it)

Última actualização: 18/07/2014 |  Topo