Percurso de navegação

Barroso apela ao consenso europeu para restabelecer a confiança

EC

O Presidente apela ao consenso europeu assente na consolidação fiscal, na reforma estrutural e na ajuda aos desempregados, para reforçar a confiança económica e ajudar a Europa a sair da crise.

Hoje, no Parlamento Europeu, o Presidente Barroso apelou ao consenso europeu para ajudar a restabelecer a confiança, quebrar o círculo vicioso de falta de confiança e promover a atividade económica.

“É tempo de desenvolver aquilo que poderia classificar como um consenso europeu: se não nos unirmos, seremos divididos. Precisamos de um consenso assente em etapas práticas para resolver a crise. Um consenso não apenas sobre a necessidade de crescimento e de emprego, mas também quanto aos meios para o conseguir. Um consenso para uma Europa economicamente mais competitiva e socialmente mais inclusiva”, afirmou o Presidente no seu discurso.

O próximo Conselho Europeu constitui a ocasião para nos centrarmos na criação de emprego e nas medidas para relançar o crédito às PME.

Em matéria de emprego, a Comissão adotou várias medidas, nomeadamente a reprogramação de fundos estruturais no valor de 16 mil milhões de euros. São necessárias outras medidas por parte dos Estados-Membros: “temos de fazer muito mais e já estamos a tomar medidas nesse sentido porque o desemprego afeta não centenas de milhares mas milhões de pessoas em toda a Europa”, acrescentou.

As PME, em particular, confrontam-se com a falta de acesso ao crédito. “O acesso excessivamente restrito ao crédito continua a ser um dos principais obstáculos à revitalização da atividade económica, em especial nos Estados-Membros mais vulneráveis”, afirmou o Presidente. A concretização da união bancária ajudará a regressar a condições de empréstimo normais.

A confiança é igualmente importante. Os aforradores não estão preparados para investir e os níveis de consumo são baixos. Um consenso europeu, assente na consolidação fiscal, na reforma estrutural e na ajuda aos desempregados permitiria reforçar a confiança, incentivar o investimento e promover o crescimento e o emprego.

Ler o discurso

Ver o vídeo