Comissão Europeia > RJE > Responsabilidade parental > Portugal

Última actualização: 01-06-2006
Versão para imprimir Incluir esta página nos «Favoritos»

Responsabilidade parental - Portugal

EJN logo

Esta página está desatualizada. A atualização está em curso e ficará em breve disponível no Portal Europeu da Justiça.


 

ÍNDICE

1. Qual é, na prática, o significado da expressão «Responsabilidade Parental»? Quais são os direitos e obrigações do titular da «Responsabilidade Parental»? 1.
2. Regra geral, quem tem a «responsabilidade parental» sobre a criança ? 2.
3. Se os pais forem incapazes ou não quiserem exercer a responsabilidade parental sobre os seus filhos, pode ser nomeada uma outra pessoa em seu lugar? 3.
4. Caso os pais se divorciem ou separem, como é que se determina a responsabilidade parental para o futuro ? 4.
5. Se os pais concluirem um acordo sobre a questão da responsabilidade parental, quais as formalidades que terão de ser respeitadas para que o acordo seja legalmente válido? 5.
6. Se os pais não estiverem de acordo sobre a questão da responsabilidade parental, quais são os meios alternatives para resolver o conflito sem recorrer a tribunal? 6.
7. Se os pais recorrerem a tribunal, sobre que assuntos o juiz poderá decidir em relação à criança ? 7.
8. Se o tribunal decidir que um dos pais terá a guarda exclusiva da criança, isto significa que essa pessoa pode decidir tudo o que concerne à vida da criança sem consultar o outro progenitor? 8.
9. Se o tribunal decidir que os pais terão a guarda conjunta da criança, o que é que isto significa na prática? 9.
10. Qual o tribunal (ou outra autoridade ) a que devo recorrer se quiser interpor uma acção sobre responsabilidade parental? Quais as formalidades que devem ser respeitadas e quais os documentos que devem ser juntos com a petição inicial? 10.
11. Qual o regime processual aplicável nestes casos? É possível recorrer a um procedimento urgente? 11.
12. Posso obter apoio judiciário para custear o processo? 12.
13. É possível recorrer de uma decisão sobre responsabilidade parental? 13.
14. Em certos casos, poderá ser necessário recorrer a um tribunal ou a outra autoridade para executar uma decisão sobre responsabilidade parental. Qual o processo aplicável nestes casos? 14.
15. O que deverei fazer para obter o reconhecimento e a execução, em Portugal, de uma decisão sobre responsabilidade parental proferida pelo tribunal de outro Estado-Membro? Qual o processo aplicável nestes casos? 15.
16. A que tribunal português deverei recorrer para reconhecer uma decisão sobre responsabilidade parental proferida por um tribunal de outro Estado-Membro? Qual o processo aplicável nestes casos? 16.
17. Qual a Lei aplicável numa acção sobre responsabilidade parental, quando a criança ou as partes não residam em Portugal ou tenham diferentes nacionalidades? 17.

 

1. Qual é, na prática, o significado da expressão «Responsabilidade Parental»? Quais são os direitos e obrigações do titular da «Responsabilidade Parental»?

O conceito «responsabilidade parental» não tem, ainda, consagração legal em Portugal. A noção que vigora no ordenamento jurídico português é a de «Poder Paternal».

Tal como está legalmente previsto, este envolve poderes e deveres de natureza pessoal (poder de comando e de representação; dever de respeito, de auxílio e de educação; poder-dever de guarda) e patrimonial (poder de administração dos bens dos filhos; dever de assistência).

2. Regra geral, quem tem a «responsabilidade parental» sobre a criança ?

São os pais quem, em regra, detém e exerce o poder paternal sobre os seus filhos.

3. Se os pais forem incapazes ou não quiserem exercer a responsabilidade parental sobre os seus filhos, pode ser nomeada uma outra pessoa em seu lugar?

Pode ocorrer limitação ou inibição do exercício do poder paternal em termos tais que determinem que os filhos sejam confiados a terceira pessoa (tutor) ou a estabelecimento de assistência.

A inibição ocorre nas seguintes situações:

  1. Condenação definitiva por crime a que a lei atribua esse efeito;
  2. Declaração de incapacidade por anomalia psíquica;
  3. Ausência, desde a nomeação de curador provisório (representante temporário que cuida da administração dos bens de quem desapareceu sem deixar vestígios do seu paradeiro).

A entrega a terceira pessoa ou a estabelecimento de assistência pode, ainda, verificar-se nas situações em que os pais infrinjam, com culpa, deveres para com os filhos, com grave prejuízo destes, ou quando, por inexperiência, enfermidade, ausência ou outras razões, não se mostrem em condições de cumprir o dever de guarda dos mesmos.

TopoTopo

Há, obrigatoriamente, lugar à nomeação de tutor:

  1. Se os pais houverem falecido;
  2. Se estiverem inibidos do poder paternal quanto à regência da pessoa do filho;
  3. Se estiverem há mais de seis meses impedidos de facto de exercer o poder paternal;
  4. Se forem incógnitos.

Salvo algumas modificações estabelecidas por lei, os terceiros investidos na guarda dos menores têm os mesmos direitos e obrigações dos pais.

4. Caso os pais se divorciem ou separem, como é que se determina a responsabilidade parental para o futuro ?

Nas situações de divórcio ou separação, o poder paternal é definido por sentença judicial ou decisão do conservador do registo civil.

A sentença pode ser homologatória, ou seja, confirmativa de acordo dos progenitores incidente sobre o exercício do poder paternal, ou de mérito, contendo decisão impositiva sobre o regime de tal exercício.

A decisão do conservador é homologatória do acordo dos progenitores.

Estas decisões são proferidas em processo de divórcio ou separação judicial de pessoas e bens ou em processo autónomo de regulação do exercício do poder paternal. A intervenção da Conservatória do Registo Civil ocorre apenas nos processos de separação e divórcio por mútuo consentimento.

5. Se os pais concluirem um acordo sobre a questão da responsabilidade parental, quais as formalidades que terão de ser respeitadas para que o acordo seja legalmente válido?

O acordo a celebrar deverá acautelar criteriosamente os interesses do menor e regular os vários direitos e deveres compreendidos no exercício do poder paternal. Sendo apresentado acompanhado por requerimento de homologação, não lhe é imposta qualquer forma particular.

TopoTopo

Esse acordo deverá ser homologado pelo juiz do tribunal competente ou pelo conservador do registo civil (este, como se viu, só intervirá nos processos de separação e divórcio por mútuo consentimento) e ser junto ao processo (de separação, divórcio ou regulação do exercício do poder paternal).

Poderá, também, ser obtido em sede de diligência de tentativa de conciliação presidida pelo juiz. Nestas condições, será ditado para a acta e homologado pelo referido magistrado judicial.

A apontada tentativa de conciliação é de marcação obrigatória nos processos de divórcio e separação litigiosos e de regulação do exercício do poder paternal.

No que se refere ao processo que corre perante o conservador, o Ministério Público do tribunal de 1.ª instância competente da circunscrição territorial a que pertença a Conservatória tem que se pronunciar sobre o acordo antes da sua avaliação final.

Deverá ser sempre recusada a homologação se o acordado não corresponder ao interesse do menor, incluindo o de manter com aquele progenitor a quem não seja confiado uma relação de grande proximidade.

6. Se os pais não estiverem de acordo sobre a questão da responsabilidade parental, quais são os meios alternatives para resolver o conflito sem recorrer a tribunal?

É sempre necessário obter homologação judicial de qualquer acordo celebrado pelos progenitores (seja ele espontâneo ou resultante de um processo de mediação), com excepção do que se refere à acima enunciada participação da Conservatória do Registo Civil.

TopoTopo

Na fase de abordagem dos factores de desentendimento e de aproximação dos progenitores, existe a alternativa de recorrer à mediação, a realizar pelo Gabinete de Mediação Familiar, criado pelo Ministério da Justiça em 1997, ou por Gabinetes de Mediação Familiar que funcionam junto de alguns Municípios.

É, ainda, possível recorrer à Associação de Mediadores de Conflitos.

Em qualquer estado da causa e sempre que o entenda conveniente, oficiosamente, com o consentimento dos interessados ou a requerimento destes, pode o juiz determinar a intervenção de serviços públicos ou privados de mediação. O referido magistrado homologa o acordo obtido por via de mediação se este satisfizer o interesse do menor.

7. Se os pais recorrerem a tribunal, sobre que assuntos o juiz poderá decidir em relação à criança ?

Genericamente, e abstraindo de quem requer a intervenção, o tribunal pode, em relação à criança e no âmbito da matéria que aqui nos ocupa:

  1. Instaurar a tutela e a administração de bens;
  2. Nomear pessoa que haja de celebrar negócios em nome do menor e, bem assim, nomear curador-geral que represente extrajudicialmente o menor sujeito ao poder paternal;
  3. Regular o exercício do poder paternal (isto é, decidir sobre o destino do filho, sobre os alimentos a este devidos e a forma de os prestar, bem como sobre o regime que definirá os contactos a manter com o progenitor a quem não seja confiado, atendendo a que deverá ser sempre garantida a existência de uma relação de grande proximidade) e conhecer das questões a este respeitantes;
  4. Fixar os alimentos devidos a menores e preparar e julgar as execuções por alimentos;
  5. Ordenar a entrega judicial de menores;
  6. Autorizar o representante legal dos menores a praticar certos actos, confirmar os que tenham sido praticados sem autorização e providenciar acerca da aceitação de liberalidades;
  7. Decidir acerca da caução que os pais devam prestar a favor dos filhos menores;
  8. Decretar a inibição, total ou parcial, e estabelecer limitações ao exercício do poder paternal;
  9. Decidir, em caso de desacordo dos pais, sobre o nome e apelidos do menor;
  10. Havendo tutela ou administração de bens, determinar a remuneração do tutor ou administrador, conhecer da escusa, exoneração ou remoção do tutor, administrador ou vogal do conselho de família, exigir e julgar as contas, autorizar a substituição da hipoteca legal e determinar o reforço e substituição da caução prestada e nomear curador especial que represente o menor extrajudicialmente;
  11. Nomear curador especial que represente o menor em qualquer processo tutelar;
  12. Decidir acerca do reforço e substituição da caução prestada a favor dos filhos menores;
  13. Exigir e julgar as contas que os pais devam prestar;
  14. Conhecer de quaisquer outros incidentes nos processos referidos no número anterior.

Na falta de acordo dos progenitores relativamente a questões de particular importância, cabe ao tribunal supri-lo, a pedido de qualquer um deles e após tentativa de conciliação e audição do menor. Para ser ouvido, o filho deve ser maior de 14 anos e as circunstâncias não deverão desaconselhar a sua audição.

TopoTopo

São questões de particular importância o nome do filho, a sua educação (especialmente, a religiosa), a alienação de bens, o repúdio de heranças, a contracção de empréstimos e a aquisição de posições em sociedades comerciais, entre outras.

No caso de progenitores divorciados ou separados, o juiz tem de decidir se o poder paternal vai ser exercido isolada ou conjuntamente, qual vai ser o progenitor-guardião, qual o regime de visitas de que beneficiará aquele que não tem a guarda e qual o montante e forma da prestação alimentar (se existir).

8. Se o tribunal decidir que um dos pais terá a guarda exclusiva da criança, isto significa que essa pessoa pode decidir tudo o que concerne à vida da criança sem consultar o outro progenitor?

Em actos de particular importância ou para os quais a lei exija expressamente o consentimento de ambos os pais, deve o progenitor que não é detentor do direito de guarda ser consultado e dar consentimento à prática do acto. Por outro lado, ao progenitor que não exerça o poder paternal, assiste o poder de vigiar a educação e as condições de vida do filho.

Acresce que os pais podem acordar que determinados assuntos sejam resolvidos por acordo entre ambos ou que a administração dos bens do filho seja assumida pelo progenitor a quem o menor tenha sido confiado.

9. Se o tribunal decidir que os pais terão a guarda conjunta da criança, o que é que isto significa na prática?

Na prática, nesta situação, o poder paternal é exercido em comum por ambos os pais, que decidirão as questões relativas à vida do filho em condições idênticas às que vigoravam na constância do matrimónio, ressalvada a importante diferença de o menor poder passar a residir apenas com um dos progenitores.

TopoTopo

Em tal contexto, a posição dos pais perante o filho não se altera, no plano jurídico, com o divórcio ou a separação.

10. Qual o tribunal (ou outra autoridade ) a que devo recorrer se quiser interpor uma acção sobre responsabilidade parental? Quais as formalidades que devem ser respeitadas e quais os documentos que devem ser juntos com a petição inicial?

Em Portugal, são competentes nesta matéria os Tribunais de Família.

Há Tribunais de Família (intitulados de Tribunais de Família e Menores) em Aveiro, Barreiro, Braga, Cascais, Coimbra, Faro, Funchal, Lisboa, Loures, Ponta Delgada, Portimão, Porto, Setúbal, Seixal, Sintra e Vila Franca de Xira.

Fora das áreas abrangidas pela jurisdição destes, cabe aos tribunais de comarca conhecer das causas relativas à responsabilidade parental.

Contudo, estando pendente acção de divórcio ou de separação judicial litigiosa, as providências tutelares cíveis relativas à regulação do exercício do poder paternal, à prestação de alimentos e à inibição do poder paternal correm por apenso àquela.

Não estando pendente qualquer acção de divórcio ou de separação judicial litigiosa, deverá ser apresentado um requerimento inicial, que não carece de ser articulado, no qual se identificam as partes, se descrevem os factos, se formula um pedido e se apresentam os meios de prova.

Tal requerimento pode ser assinado pelos progenitores, uma vez que não é obrigatória a constituição de advogado senão na fase de recurso. Os únicos documentos indispensáveis nesta fase inicial são os assentos de registo de nascimento dos menores e, no caso de os pais serem casados entre si, o assento do seu registo de casamento.

TopoTopo

Para obter mais informações sobre esta matéria, consulte a ficha relativa à competência dos tribunais.

11. Qual o regime processual aplicável nestes casos? É possível recorrer a um procedimento urgente?

A estes processos aplicam-se as regras da jurisdição voluntária, pelo que o tribunal pode investigar livremente os factos, coligir provas, ordenar inquéritos e recolher as informações tidas por convenientes. Só são admissíveis as provas que o juiz considere necessárias.

As sentenças são proferidas no prazo de 15 dias após a apresentação do processo ao juiz para tal finalidade.

Nas providências a tomar, o tribunal não está sujeito a critérios de legalidade estrita, devendo antes adoptar em cada caso a solução que julgue mais conveniente e oportuna. Assim, quando chamado a intervir na regulação do poder paternal, deve nortear-se pela consideração plena e exclusiva do interesse do menor.

Contudo, o carácter voluntário da jurisdição não dispensa o tribunal de fundamentar de facto e de direito as suas decisões.

Neste tipo de processos, as decisões podem ser alteradas, sem prejuízo dos efeitos já produzidos, com fundamento em circunstâncias supervenientes que justifiquem a alteração; dizem-se supervenientes tanto as circunstâncias ocorridas posteriormente à decisão como as anteriores, que não tenham sido alegadas por ignorância ou outro motivo ponderoso.

As partes têm direito a conhecer as informações, relatórios, exames e pareceres constantes do processo, podendo pedir esclarecimentos, juntar outros elementos ou requerer a colheita de informações que considerem necessárias. O juiz indefere, por despacho irrecorrível, os requerimentos que se mostrarem inúteis, de realização impossível ou com intuito manifestamente dilatório. É garantido o contraditório relativamente às provas que forem obtidas pelos meios descritos.

TopoTopo

Correm durante as férias judiciais os processos tutelares cíveis cuja demora possa causar prejuízo aos interesses do menor.

Em qualquer estado da causa e sempre que o entenda conveniente, o tribunal pode decidir, a título provisório, relativamente a matérias que devam ser apreciadas a final, bem como ordenar as diligências que se tornem indispensáveis para assegurar a execução efectiva da decisão. Podem também ser provisoriamente alteradas as decisões já tomadas a título definitivo. Para este efeito, o tribunal procederá às averiguações sumárias que tenha por convenientes.

12. Posso obter apoio judiciário para custear o processo?

Sim, o regime de apoio judiciário aplica-se em todos os tribunais, qualquer que seja a forma do processo.
Veja, sobre esta matéria e para a colheita de mais detalhados esclarecimentos, a «Assistência judiciária - Portugal».

13. É possível recorrer de uma decisão sobre responsabilidade parental?

Sim, é possível nos termos gerais do processo civil, quer por parte de um dos progenitores, quer por parte do Ministério Público. Das decisões proferidas segundo critérios de conveniência ou oportunidade, não é admissível recurso para o Supremo Tribunal de Justiça.

14. Em certos casos, poderá ser necessário recorrer a um tribunal ou a outra autoridade para executar uma decisão sobre responsabilidade parental. Qual o processo aplicável nestes casos?

Se, relativamente à situação do menor, um dos progenitores não cumprir o que tiver sido acordado ou decidido, pode o outro requerer ao tribunal as diligências necessárias para o cumprimento coercivo e a condenação do remisso em multa e em indemnização a favor do menor, do requerente, ou de ambos.

TopoTopo

Autuado ou junto ao processo o requerimento, o juiz convocará os pais para uma conferência ou mandará notificar o requerido para alegar o que tenha por conveniente. Na conferência, os pais podem acordar na alteração do que se encontre fixado quanto ao exercício do poder paternal, tendo em conta o interesse do menor. Não tendo sido convocada a conferência ou quando nesta os pais não chegarem a acordo, o juiz mandará proceder a inquérito sumário e a quaisquer outras diligências que entenda necessárias e, por fim, decidirá. Se tiver havido condenação em multa e esta não for paga no prazo de dez dias, será extraída certidão do processo, a remeter ao tribunal competente para execução.

O processado em apreço constitui um incidente do processo principal e surge a requerimento de progenitor ou do Ministério Público.

Quando a pessoa judicialmente obrigada a prestar alimentos não satisfizer as quantias em dívida dentro de dez dias depois do vencimento, observar-se-á o seguinte:

  1. Se for funcionário público, ser-lhe-ão deduzidas as respectivas quantias no vencimento, sob requisição do tribunal dirigida à entidade competente;
  2. Se for empregado ou assalariado, ser-lhe-ão deduzidas no ordenado ou salário, sendo para o efeito notificada a respectiva entidade patronal, que ficará na situação de fiel depositária;
  3. Se for pessoa que receba rendas, pensões, subsídios, comissões, percentagens, emolumentos, gratificações, comparticipações ou rendimentos semelhantes, a dedução será feita nessas prestações quando tiverem de ser pagas ou creditadas, fazendo-se para tal as requisições ou notificações necessárias e ficando os notificados na situação de fiéis depositários.

As quantias deduzidas abrangerão também os alimentos que se forem vencendo, e serão directamente entregues a quem deva recebê-las.

TopoTopo

15. O que deverei fazer para obter o reconhecimento e a execução, em Portugal, de uma decisão sobre responsabilidade parental proferida pelo tribunal de outro Estado-Membro? Qual o processo aplicável nestes casos?

Para avaliar esta questão, é necessário destrinçar entre as situações em que tal decisão tenha sido proferida por ocasião do curso dos processos de divórcio, separação de pessoas e bens ou anulação do casamento dos progenitores, e as demais.

No primeiro caso, tem aplicação o Regulamento (CE) n.º 1347/2000, de 29 de Maio, segundo o qual as decisões proferidas noutro Estado-Membro, com excepção da Dinamarca, são reconhecidas em Portugal sem necessidade de recurso a qualquer procedimento particular.

Assim, as decisões proferidas num Estado-Membro relativas ao exercício do poder paternal incidente sobre um filho comum do casal, que nesse Estado tenham força executiva e tenham sido notificadas, são executadas em Portugal depois de nele terem sido declaradas executórias a pedido de qualquer parte interessada.

Os escassos fundamentos de não reconhecimento das apontadas decisões são os constantes do referenciado Regulamento.

Em situações não abrangidas na referida previsão, e no seio das questões relativas à guarda dos filhos, é aplicável a Convenção Europeia, de 20-5-1980, sobre o Reconhecimento e a Execução de Decisões relativas à Guarda de Menores e sobre o Restabelecimento da Guarda de Menores (que vincula a maioria dos Estados-Membros da U.E.).

No âmbito de aplicação de tal instrumento internacional, qualquer pessoa que tenha obtido num Estado contratante uma decisão relativa à guarda de um menor e que deseje obter noutro Estado contratante o reconhecimento ou a execução dessa decisão pode dirigir-se, para esse efeito, através de requerimento, ao Instituto de Reinserção Social. O requerimento deverá ser acompanhado:

TopoTopo

  1. de um documento que habilite a autoridade do Estado português a agir em nome do requerente ou a designar, para o efeito, outro representante;
  2. de uma cópia da decisão que preencha os requisitos necessários à sua autenticidade;
  3. quando se trate de uma decisão proferida na ausência do réu ou do seu representante legal, de qualquer documento comprovativo de que o acto de propositura da acção ou acto equivalente foi devidamente comunicado ao réu;
  4. quando necessário, de um documento comprovativo de que, segundo a lei do Estado de origem, a decisão é executória;
  5. se possível, de uma informação indicando o local onde poderá encontrar-se o menor no Estado requerido e propostas sobre as modalidades do restabelecimento da guarda do menor.

Nas situações não abrangidas por tratados e normas especiais, aplica-se o processo especial de revisão de sentença estrangeira.

Em sede deste processo, apresentado com a petição o documento de que conste a decisão a rever, é à parte contrária citada para, dentro de 15 dias, deduzir a sua oposição. O requerente pode responder nos 10 dias seguintes à notificação da apresentação da oposição. Findos os articulados e realizadas as diligências que o relator tenha por indispensáveis, é o exame do processo facultado, para alegações, às partes e ao Ministério Público, por 15 dias a cada um.

Para que a sentença seja confirmada é necessário:

  1. Que não haja dúvidas sobre a autenticidade do documento de que conste a sentença nem sobre a inteligência da decisão;
  2. Que tenha transitado em julgado segundo a lei do país em que foi proferida;
  3. Que provenha de tribunal estrangeiro cuja competência não tenha sido provocada em fraude à lei e não verse sobre matéria da exclusiva competência dos tribunais portugueses;
  4. Que não possa invocar-se a excepção de litispendência ou de caso julgado com fundamento em causa afecta a tribunal português, excepto se foi o tribunal estrangeiro que preveniu a jurisdição;
  5. Que o réu tenha sido regularmente citado para a acção, nos termos da lei do país do tribunal de origem, e que no processo hajam sido observados os princípios do contraditório e da igualdade das partes;
  6. Que não contenha decisão cujo reconhecimento conduza a um resultado manifestamente incompatível com os princípios da ordem pública internacional do Estado Português.

16. A que tribunal português deverei recorrer para reconhecer uma decisão sobre responsabilidade parental proferida por um tribunal de outro Estado-Membro? Qual o processo aplicável nestes casos?

Para obter o reconhecimento em Portugal de uma decisão sobre responsabilidade parental proferida pelo tribunal de outro Estado-Membro (excepto Dinamarca), nas situações acima descritas em que seja aplicável o Regulamento (CE) n.º 1347/2000, deverei apresentar o meu requerimento no Tribunal de Comarca ou no Tribunal de Família (consoante este exista, ou não, na circunscrição territorial). Como já foi referido na resposta à questão anterior, tais decisões são reconhecidas em Portugal sem necessidade de recurso a qualquer procedimento.

TopoTopo

Deverá ter-se presente, nas demais situações, que vale a regra segundo a qual, sem prejuízo do que se ache estabelecido em tratados e leis especiais, nenhuma decisão sobre direitos privados, proferida por tribunal estrangeiro ou por árbitros no estrangeiro, tem eficácia em Portugal, seja qual for a nacionalidade das partes, sem estar revista e confirmada.

Para a revisão e confirmação é competente o Tribunal da Relação do distrito judicial em que esteja domiciliada a pessoa contra quem se pretende fazer valer a sentença (Coimbra, Évora, Guimarães, Lisboa e Porto).

17. Qual a Lei aplicável numa acção sobre responsabilidade parental, quando a criança ou as partes não residam em Portugal ou tenham diferentes nacionalidades?

Nos processos aos quais se aplique o Regulamento n.º 1347/2000, de 29 de Maio de 2000, os tribunais do Estado-Membro no qual for exercida a competência para decidir de um pedido de divórcio, de separação de pessoas e bens ou de anulação do casamento, são competentes para qualquer questão relativa ao poder paternal de filhos comuns, desde que o filho tenha a sua residência habitual nesse Estado-Membro.

Assim, são competentes os tribunais do Estado-Membro em cujo território se situe:

  1. a residência habitual dos cônjuges;
  2. a última residência habitual dos cônjuges, na medida em que um deles ainda aí resida;
  3. a residência habitual do requerido;
  4. em caso de um pedido conjunto, a residência habitual de qualquer dos cônjuges;
  5. a residência habitual do requerente, se este aí tiver residido pelo menos durante um ano imediatamente antes do pedido;
  6. a residência habitual do requerente, se este aí tiver residido pelo menos durante seis meses imediatamente antes do pedido, quer seja nacional do Estado-Membro em questão quer, no caso do Reino Unido e da Irlanda, aí tenha o seu «domicílio»;
  7. os tribunais do Estado-Membro da nacionalidade de ambos os cônjuges ou, no caso do Reino Unido e da Irlanda, do «domicílio» de ambos os cônjuges.

Se o filho não tiver a sua residência habitual no Estado-Membro no qual for exercida a competência para decidir de um pedido de divórcio, de separação de pessoas e bens ou de anulação do casamento, os tribunais deste Estado-Membro são competentes se o filho tiver a sua residência habitual num dos Estados-Membros e se: a) pelo menos um dos cônjuges exercer o poder paternal em relação a esse filho; e b) a competência desses tribunais tiver sido aceite pelos cônjuges e corresponder aos superiores interesses do filho.

TopoTopo

Se nenhum tribunal de um Estado-Membro for competente nos termos do disposto anteriormente, a competência em cada Estado-Membro é regulada pela lei desse Estado.

Qualquer nacional de um Estado-Membro que tenha a sua residência habitual no território de outro Estado-Membro pode invocar, neste último, em pé de igualdade com os respectivos nacionais, as regras de competência aplicáveis nesse mesmo Estado relativamente a um requerido que não temha a sua residência habitual e que não possua a nacionalidade de um Estado-Membro ou, no caso do Reino Unido ou da Irlanda, não tenha o seu «domicílio» no território de um destes últimos Estados.

Se a criança, filha de pais não casados, residir num dos Estados Contratantes da Convenção da Haia, de 5-10-1961, relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores (que Portugal ratificou), são - em regra - competentes para regular o exercício do poder paternal os tribunais do Estado da residência habitual do menor, que aplicam, em princípio, a sua lei interna.

É possível às autoridades do Estado da nacionalidade do menor decretar medidas visando a protecção da sua pessoa ou dos seus bens, de acordo com a respectiva lei interna, se considerarem que o interesse do mesmo assim o exige e depois de terem informado as autoridades do Estado da residência habitual daquele.

Caso não se apliquem estas regras, vigoram as normas do direito interno português, que determinam que é competente o tribunal da área de residência do menor ou, caso este não resida em Portugal, do requerente ou do requerido.

Se nenhum dos três residir em Portugal, mas os tribunais portugueses forem internacionalmente competentes, caberá ao Tribunal de Família e de Menores de Lisboa conhecer da causa.

Os tribunais aplicarão a lei nacional comum dos progenitores ou, na falta desta, a lei da sua residência habitual comum; se os pais residirem habitualmente em Estados diferentes, é aplicável a lei pessoal do filho. Se a filiação apenas se achar estabelecida relativamente a um dos progenitores, aplica-se a lei pessoal deste; se um dos progenitores tiver falecido, é competente a lei pessoal do sobrevivo.

Outras informações

Poderá obter esclarecimentos complementares nos seguintes endereços de «Internet»:

« Responsabilidade parental - Informações gerais | Portugal - Informações gerais »

TopoTopo

Última actualização: 01-06-2006

 
  • Direito comunitario
  • Direito internacional

  • Bélgica
  • Bulgária
  • República Checa
  • Dinamarca
  • Alemanha
  • Estónia
  • Irlanda
  • Grécia
  • Espanha
  • França
  • Itália
  • Chipre
  • Letónia
  • Lituânia
  • Luxemburgo
  • Hungria
  • Malta
  • Países Baixos
  • Áustria
  • Polónia
  • Portugal
  • Roménia
  • Eslovénia
  • Eslováquia
  • Finlândia
  • Suécia
  • Reino Unido